quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Adeus, Marco Antônio! Saudade do Sabiá!

Morreu o Marco Antônio e eu não vou poder mais mostrar aquele jornal pra ele. Tá aqui em casa, guardado no meu mini-museu pessoal do Furacão. Tribuna do dia 27 de junho de 1992. No caderno de esportes aparece estampado...

(clique para ampliar)

O Sabiá estava se mandando pro Palmeiras Parmalat e, em sua última exibição, esculachou os coxas. Meteu a 10 no costado -- ele é o nosso eterno 7 -- e justificou a honraria. Tratou a bola de minha nêga e deu de calcanhar, chapéu, jogou como um meia CLASSIC.

E o primeiro tento daquela tarde psicodélica foi do Marco Antônio, lamentavelmente abatido ontem, só com 44 anos, em virtude de câncer nos ossos.

Vamos ao Atletiba...

Tudo começou com o Renaldo, fora da área, escapulindo pela direita. O Chucro centrou com veneno e o baixinho da camisa 11 foi mais malandro que todo mundo. Se antecipou e desviou só o suficiente pra despentear o bigode do Rafael.

Era só a primeira sinfonia. Mais duas viriam.

Já nos 45 derradeiros, e contando com a expulsão do destrambelhado Jorjão, Carlinhos estilingou Jatobá pelo flanco direito. O beque tirou uma onda de avante, entrou na área e estufou o barbante branco. Apenas 9 minutos depois, tinha mais...

Se já não bastasse ter inaugurado o escore, Marco Antônio ainda aproveitou outro lançamento xuxu-beleza do maestro Carlinhos. E, já na grande área, tocou pra Ratinho. Deu pra ouvir a instrução que acompanhou a assistência: "Faz e me abraça". O camisa 7 daquela tarde não vacilou e sacramentou. 100% desvairamento na curva da Igreja Perpétuo Socorro.

Com a coruja pelada, era a hora da despedida. E assim foi feito. Nas caixas de som (aquelas que a gente arrancava na bambuzada de vez em quando) do Major, pintou o anúncio: substituição no Atlético, entre Eduardo, sai Carlinhos.

Carlinhos partiu, passou defronte às sociais, girando uma peita rubro-negra. Tamanho foi o arrebatamento que até os Essenfelders mais ranhidos aplaudiram o nosso craque. Para, na sequência, ficarem constrangidos com a gafe do Paulo César Campinas, que descontou em momento totalmente inoportuno.

Lá dos Fanáticos, veio o grito... fica! Fica! Fica! Fica! Carlinhos chorou. Eu chorei. O Farinhaki então... Mesmo quem sofreu calado no gol do Paulo Vecchio não se conteve desta vez.

Saudade daquele tempo, saudade do Sabiá, saudade do Marco Antônio...

Quantas lembranças boas daquele Atlético que muita gente tinha vergonha de dizer que torcia e que hoje poucos sabem como era. Basta ver a nota de falecimento no site do clube. Diz lá que o Marco Vidal era conhecido por "Marquinhos". Eles não manjam nada. Não era, não é, nem nunca será...

Ele vai ser pra sempre o Marco Antônio, o ponta-esquerda que brilhou na despedida do Carlinhos...


12 comentários:

Mylla disse...

Pô, Guerrilheiro, assim emociona!!! Vê se não some, que é disso que a alma rubro-negra velha de guerra precisa!

Triste perder o Marco Antônio, eu não me lembro dele. Mas se vestiu a rubro-negra com amor, tem seu pedacinho no céu e deve ter sido bem recebido por Caju, Zinder e tantos outros!

beijos
Myla

Papo Atleticano disse...

Pô, Guerrilha...

O site oficial me quebra as perna desse jeito... Marcos Vidal/Marquinhos é bem menos conhecido que Marco Antonio...

Aliás Marco Antonio fez vários gols quando jogou com Renaldo e Vivinho, naquele Atlético do começo dos anos 90 que tinha Mineiro, Leomar e Tostão na meia cancha...

Descanse em paz, Marco Antonio...

Maumau Ecos Aventura disse...

Pesar a quem foi lembrado e deixou lembranças. Por outro lado, qual jogador que hoje prestes a sair faz um jogo dedicado? Essa é para o Guerron refletir.

Anônimo disse...

Esse era um cara que foi embora e sempre achei que ia pintar num dos "grandes" na época que só o éramos no coração da torcida.
Onde jogou o Marco Antônio depois de ter ido embora?
Titio Enéas

Andrei disse...

Estava neste jogo também. O carlinhos é TOP 3 dos meus ídolos do Furacão. Foi um show de bola.

marcos disse...

so uma coisa isso me deu uma tristeza profunda,va com deus garoto

Anônimo disse...

Eu estava nesse jogo tb, os coxas brigaram entre eles (mancha x imperio) bons tempos em que eles é que brigavam entre eles!! Carlinhos jogava muito! Guerrilheiro, temos que falar do goleiro dessa época, conhecido como Gilmar, por onde anda, sabe?

Anônimo disse...

21/06/1992 Coritiba 1x3 Atlético (PR) Curitiba (PR) Campeonato Paranaense (1992)

Giba disse...

Carlinhos tinha um estilo extremamente próprio de jogar bola. Com a mão torta junto ao corpo, ele carregava a bichinha com uma categoria única naquela época. Saudade boa dele e do Marco Antonio que, naquele limitado time de 92, ainda faziam a gente sentir vontade de jogar bola quando via eles em campo.

Maria costa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carlinhos Sabiá disse...

Fiquei extremamente triste com a notícia da morte de um grande parceiro.
Marco Antônio era um garoto humilde, trabalhador, técnico, gente da melhor qualidade. Todo o elenco do Atlético gostava muito dele.
Saber da morte dele através de um jogo inesquecível, emocionou-me d+.

Saudades.
Carlinhos Sabiá.

Unknown disse...

Carlinhos Sábia meu ídolo, voltou pro Atlético por amor e ajudou o Farinhaki nessa fase difícil mas importante, pois foi essa diretoria que nos devolveu nossa casa.