terça-feira, 14 de setembro de 2010

Um dia na história de um sonho


Em áudio raro e emocionante, a conquista de 1970, após 12 anos na fila.

O esquadrão de 70: Djalma Santos, Wanderlei, Zico, Alfredo, Julio e Reinaldo;
agachados: Gildo, Sicupira, Nelsinho, Toninho, Liminha e Cesar (massagista).
Em aberto fica o nome do maior mascotinho da história do futebol mundial, ali à direita.

A Furacao.com me lembra que o título de 1970 está completando 40 anos. Na verdade, completou nesta segunda-feira, dia 13 de setembro. Leio também no melhor site do Atlético que o próximo encontro do Círculo de História Atleticana vai relembrar aquela conquista, e contará com a presença de Alfredo Gottardi no Atlético, filho do goleiro Caju e jogador do clube de 1966 a 1977 e 1979.
Bem. A data me fez lembrar de um post publicado em março deste ano, justamente sobre o título de 70. O qual reproduzo aqui, agora:
Adoro raridades futebolísticas, principalmente as que envolvem o Atlético.
Este áudio eu me lembro de ter ouvido em algum programa esportivo quando era piá. Um compacto da partida entre Atlético x Seleto, em Paranaguá, em 1970, quando o Furacão sagrou-se campeão após 12 anos na fila, produzido na época pela Rádio Clube B2.
No último sábado, um dia após o aniversário de 86 anos do clube, eis que sou surpreendido ao ouvi-lo novamente, desta vez reproduzido pela rádio Banda B. E nova surpresa neste domingo, quando soube que a Mylla, do Círculo de História Atleticana, botou o arquivo à disposição de toda a Nação Atleticana.
"Um dia na história de um sonho. 13 de setembro de 1970, após 12 anos de sofrimento de uma torcida. Cidade de Paranaguá. Local destinado para o Clube Atlético Paranaense conquistar o título de Campeão Paranaense de Futebol. Estádio Orlando Mattos superlotado. Intensa emoção dominando as torcidas do Seleto e do Atlético."

Assim começa o compacto da jornada daquela tarde festiva. O narrador era Ayrton Cordeiro, ainda jovem. E que, pasmem, era um bom narrador. A cada grito de gol, o bordão: "Sucesso Rubro-Negro em Paranaguá!". No final da fita, aparece também o então repórter Carneiro Neto.
Sicupira foi o artilheiro de 1970, com 20 gols.
Mas quem rouba a cena, mesmo, é o locutor do compacto. Um desconhecido, de voz grave, pausada e elegante. Que anunciava, desta forma, o quarto gol do Furacão: "Morria a tarde, e o sonho vivia. Vamos confirmar: Toninho. O Furacão renascido no crepúsculo da batalha. A festa estava chegando. A vitória final, com mais um gol!"
Gol após gol, até este último de Toninho, aos 41 do segundo tempo, quando a torcida sofrida e angustiada, após 12 anos sem ver o Atlético conquistar um título sequer, rompe os portões do alambrado e invade o gramado euforicamente, ouvindo este áudio você sente como se estivesse lá em Paranaguá, naquela tarde, naquele estádio. E se emociona.

Até que o misterioso locutor chama para a parte final do compacto:
"A emoção, as lágrimas, o supremo delírio. Clube Atlético Paranaense, campeão do estado! Bandeiras. Foguetes. (...) Atlético, a caminho do torneio Roberto Gomes Pedrosa. É dia de festa."
Ao apito final do árbitro, quando a torcida rubro-negra já cantava o tradicional "É campeão", a voz embargada e emocionada do presidente Passerino Moura toma conta do microfone. Djalma Santos dribla os repórteres e os torcedores e corre para o vestiário. Não quis dar sua camisa. Preferiu guardar a relíquia, último uniforme com o qual foi campeão em sua vitoriosa carreira. Zico, o zagueiro, é erguido nos braços da massa.
Meu amigo, se você acha que não tem mais motivos para se emocionar com o futebol, ouça este compacto.
E se emocione.

Doze anos na fila, o Atlético levantava a taça. O que só veio a acontecer novamente 12 anos depois, em 1982.

Mas isso já é uma outra história...

  • Para baixar o áudio com o compacto do título de 70, clique aqui.
  • Para saber mais sobre o título de 70, clique aqui, aqui e aqui.

10 comentários:

jair disse...

emocionante o audio da final desse campeonato. muito obrigado por compartilhar isso.


srn

esou disse...

"O coração atleticano,
estará sempre voltado,
Para os feitos do presente,
e às glórias do passado."

Do tempo da Rádio Marumbi, Colombo, Clube... e,
Aí a porta da hegemonia Atleticana se abriram...
Este Atlético, detona coração!
Lindo, lindo!

Mylla disse...

Guerrilheiro, a voz é do filho do dr. Passerino Moura, o Ivan, que esteve num dos encontros do Círculo.

E ele conseguiu a camisa do Djalma Santos naquele jogo. Camisa que ele guarda até hoje com carinho e levou naquele encontro do Círculo.

beijos

Anônimo disse...

é uma conquista tão significativa cujo aniversário mereceria maior atenção de nossa diretoria.... Bem q o marketing poderia ter lançado uma camisa retrô comemorativa... Usaria com maior orgulho!!!
Parabens pelo trabalho, Guerrilha!!

Anônimo disse...

Alex Mineiro confirma que entrará na justiça do trabalho contra o CAP, o que era para ser uma bela festa de despedida inclusive chamando a torcida pro jogo, que poderia facilmente arrecadar os direitos de imagem que é legítimo do jpogador, termina num imbróglio jurídico. Parabéns diretoria de merda, sem contar que o Alex joga mais que o xará mineiro.

Anônimo Revoltado disse...

Se eu fosse o administrador, "deletava" sumariamente posts como o das 16:01. Vem com "fofocas" que todos já conhecem só para xingar a administração do clube, e num local inapropriado.

Anônimo disse...

O Alex Mineiro não queria mais jogar, então ele que vá procurar a turma dele!!

Mylla disse...

Ah, ouvi de novo! Primeiro tem a voz do dr. Passerino falando que é a vitória do tostão contra o milhão. Depois, tem a voz do Ivan, filho dele, emocionado com a conquista.

Mandei esse áudio para o neto do dr. Passerino, que mostrou ao seu pai que chorou ao ouvir e relembrar aquele momento.

bjos

Anônimo disse...

Moravamos em Paranaguá e meu irmão me levou a este jogo, mas eu tinha seis anos e não me lembro mais.
Bons tempos daquele Atlético que não volta mais...
Charlie

Gustavo GR disse...

Realmente emocionante o audio. E nao é que o Airton Cordeiro era bom narrador mesmo ???

Sds
Gustavo