terça-feira, 11 de maio de 2010

Sem poesia

Por Flávio Jacobsen, escritor, compositor e atleticano:

Que faltou poesia, é fato. Mas não podemos dizer que faltou coerência ao homem que ocupa o cargo de mais importância do país, depois do presidente.

A ausência de Paulo Henrique Ganso é crime de lesa-futebol, como disse o Juca Kfouri. Mas eu diria que foi o tempo que selou sua ausência. Não deu tempo. Eu mesmo, andei olhando a lista de maiores discos da música de todos o tempos. Há quase tantos álbuns dos Byrds quanto dos Beatles. Nunca ouvi um disco inteiro dos Byrds. Ignorância? Sim, mas não burrice. Acho que não tive tempo. Dunga não teve tempo de convocar Paulo Henrique. O balé do Ganso surgiu a nossos olhos em uma fase nula para a seleção, longe das convocações para torneios a serem disputados. E Dunga, dentro da sua coerência, afirma: se não jogou com ele, não vai, e pronto.

Quando me refiro à ausência de poesia, quero dizer: não há craques entre os 23 convocados. Nenhum. Há grandes jogadores, mas nenhum deles está naquela fase de fazer brilhar nossos olhos, através do brilho dos seus próprios. Robinho e Nilmar, vá lá. Kaká não é craque. É apenas um grande jogador.

Isso não quer dizer que vamos perder por isso. Poderíamos perder ou ganhar com todos os craques que queríamos ver jogando. Não quer dizer a rigor, nada. Quer dizer apenas que não vamos ter o imprevisível, a magia. Neste mundaréu de cabeças-de-área o que nos resta é o previsível.

Eu já gostei muito mais da seleção. Sou do tempo em que quando o Brasil perdia a gente ficava triste. Hoje, graças ao mar de previsibilidades já costumeiras, a gente toda fica com raiva e procurando culpados.

De qualquer maneira, continuo achando que a seleção brasileira ainda é o melhor jeito de se fazer 200 milhões de pessoas absolutamente felizes e enlouquecidas. Mais alguns bilhões de seres pelo mundo encantados. Cores e originalidade, carnaval e muita música. Festa. Daqui a um mês, este país mais bacana do mundo vai estar neste clima novamente. Pobres e ricos, nosso maior problema, serão todos um só, por um mês. Um mês sem pensar em porcaria nenhuma. Essas coisas da vida, da existência, do trabalho, do dinheiro. Que nada. Todos os problemas da humanidade estarão dentro das quatro linhas e nos mais diversos copos dessa nossa cerveja vagabunda, entre goles, abraços e beijos. Delícia.

Agora vamos torcer para que a ausência do Ganso não decrete nosso canto do cisne, e que uma eventual entrada do Grafite, que veio na ponta do lápis, renda grandes bolas nas canetas dos adversários. Vai ser difícil. Mas para os outros será muito mais.

Sem poesia, eu disse. Pode ser exagero da minha parte. Sem dúvida com menos, bem menos poesia que gostaríamos. Este cronista é mesmo muito chato. Simples assim. Vamos torcer. Divirtam-se.

9 comentários:

Anônimo disse...

Flávio Jacobsen é um dos grandes textos atleticanos. Ele e Sandro Moser são Washington e Assis na matéria.

Maumau Ecos Aventura disse...

A frase "vamos torcer para que a ausência do Ganso não decrete nosso canto do cisne" não tem preço!

Valdecy Alves disse...

Amigos poetas blogueiros, parabéns por utilizarem a internet como forma de dividir com o mundo o seu pensar, o seu compreender, desempenhando a missão do poeta que é se afirmar como ser humano, sobretudo perante si mesmo, captar os arquétipos coletivos de sua época e princípios universais, permitindo após compreender-se ou não compreender-se, que pela sua obra os da sua época tenham referência alternativa para fazer a leitura do mundo e as gerações posteriores entenderem a própria história da humanidade. Tudo temperado pelo sonho, pela sensibilidade e pela utopia. PASSOU A ÉPOCA DE ESCREVERMOS E GUARDAR NA GAVETA NOSSAS CRIAÇÕES DEPOIS DOS MAIS PRÓXIMOS FINGIREM TER LIDO PARA NOS AGRADAR. Através do meu blog quero aprensentar-lhes a video-poesia, que usa várias linguagens de uma só feita, a serviço do texto. Se gostar divulgue e compartilhe com os seus contatos. Acessar em:

www.valdecyalves.blogspot.com

Rafael Lemos disse...

Flávio Jacobsen é o Armando Nogueira do Atlético-PR! Ninguém escreve como ele, com a poesia que imprime aos textos, sempre antológicos.

Só nos resta aplaudir, admirar e agradecer a Deus por ter feito o Flávio atleticano!

Abração, Mestre!

Rafael

Juarez disse...

Somente Grafite não ficou desapontado com a convocação do Dunga.

Anônimo disse...

Mos o que Grafite, sob pressão, pode brilhar

Tiago disse...

GERRILHA, APROVEITA ESSA SAFRA DE BONS TEXTOS E POSTA O QUE O MAURO SINGER PUBLICOU NO PARANA ON LINE DE HOJE.

titio eneas fã dessa diretoria fai ficar tiririca.

da uma lida:

http://www.parana-online.com.br/colunistas/324/76728/

12/05/2010 às 12:31:42 - Atualizado em 12/05/2010 às 12:32:21
Ingresso premiado

Seria uma ótima promoção: O torcedor vai ao jogo do próximo domingo, no Joaquim Américo, chega com 20 ou 30 minutos de antecedência e guarda seu ingresso ou o numero do cartão de acesso. Um pouco antes do início, no meio de campo da histórica praça esportiva, alguém do portentoso marketing atleticano assume o comando, e, de um púlpito estilizado nas cores rubro-negras, procede, de maneira simples e precisa, o maior sorteio dirigido ao torcedor já feito em todo o território nacional. O feliz ganhador levará, inteiramente de grátis, o cargo de DIRETOR DE FUTEBOL do super Furacão.

Você, feliz ganhador , vai poder conhecer de perto as feras do elenco. Imagine só: Valência, Netinho, Alan, todos eles te chamando de chefe. Pintou um novo craque na casa do chapéu e só falar com o seu Malucelli e vamo que vamo, a bordo de uma confortável poltrona no pássaro de ferro em direção a fabulosa cidade.

Bons hotéis, ótimos restaurantes e, claro, uma escapadinha ao entardecer pelas famosas boates de Chapéu, já que ninguém é de ferro. Deve-se apenas tomar o cuidado para não trazer o Serna de volta, já que noticias dão conta de que ele está disfarçado e usando nome falso.

Não vamos nem falar do salário, porque um cargo de tamanha responsabilidade merece um justo pagamento. Daqui a pouco você tem até o direito de ficar mascaradinho, já que a grana mexe mesmo com a gente.

Aquilo que a torcida acusa já no primeiro contato com os jogadores que chegam, leva muito tempo para que a burocracia russo-atleticana conclua como verdade. Todos sabiam que os colombianos, avalizados por Leandro e Ocimar, não dariam certo. O treinador Atleticano, ao ser questionado pelo ótimo repórter Wagner de Oliveira, sobre as vaias dirigidas ao jogador Raul, em um jogo na Arena, preferiu responder que não ouvia vaia alguma.

Surdo e cego, pois tempo depois, se obrigou a tirar o jogador do time. Está mais do que na hora, nesse espaço extremamente profissional, que é o futebol, das diretorias darem valor às revoltas e anseios dos torcedores, esses sim, sabedores dos defeitos e qualidades do seu time.

ABRAÇOS!

Anônimo disse...

Caçula e Biluca Já!!
Depois jantar de graça no restaurante do Mauro SInger lá na Arena, ops deve ser só 70% dele, o resto deve ser de um parente do Tio Pet.
Podemos dar também o CT, que só atrapalha, para a banda do Paraíaba liberar ele para nós (Brasileiro e Estadual).
Podemos acompanhar a matéria da Furacão.com e não deixar a seleção treinar aqui, afinal como ela diz o CAP nem poderá entrar lá no período...
Enéas, cagando e andando para isso..., de burro não sirvo, burro é quem fica insistindo nesta tese de eu ser contra ou a favor da direção Não sabe ler, pois já escrevi a mesma coisa várias vezes e é burro.

Anônimo disse...

Eneas magoado por dentro...

leia a gazeta hoje e entenda, não basta só ler.

O Homem entrou com uma ação contra a atual diretoria no conselho de ética e deixou a disposição as contas pessoais e de suas empresas.

eneas ingenuo acredita nas denuncias do MM e apoia sim esse desmando atual do CAP.

Merdas no ventilador, saiam da frente.

quem acusa tem que provar...