sábado, 22 de maio de 2010

Proposta da prefeitura seria um mero ajuste na lei de zoneamento

Da Gazeta do Povo:
Uma alteração na lei de zoneamento urbano é a solução encontrada pela prefeitura e pelo governo do estado para viabilizar a conclusão da Arena para a Copa de 2014.

Uma reunião entre o Co­­mitê da Copa do Mundo em Curitiba, o prefeito Luciano Ducci e outros políticos, mais o trio diretivo atleticano (Ênio Fornea, Marcos Malucelli e Gláucio Geara) discutiu uma proposta, guardada a sete chaves pelas partes, envolvendo uma mudança que atrairia investidores para a Baixada.

O poder público municipal mudaria a área do estádio atleticano para “zona de potencial construtivo”, permitindo que construtoras que fizessem aporte na Arena ganhassem uma espécie de bônus em outros bairros. Como exemplo, um investidor que hoje quer levantar um edifício de 10 andares em determinada área, mas pela lei só poderia fazê-lo com oito, ganharia esse aval.

A ideia será estendida a Paraná e Coritiba, que recentemente teve um veto de projeto no Couto Pe­­reira por não se enquadrar nesse perfil. No entanto, o Atlético, que desta maneira não receberia dinheiro público, ainda está reticente.

Sem confirmar a proposta da prefeitura, o vice-presidente Ênio Fornea não mostrou empolgação. “Esperávamos uma parceria efetiva. Foi a primeira vez que houve algo nesse sentido, mas precisa ser amadurecido.” Já o Comitê da Copa mostrou confiança: “O evento virá e será na Arena”, cravou Luiz de Carvalho, gestor do grupo, tentando não revelar a ideia.

O Atlético conta ainda com uma ajuda política da CBF junto à Fifa para a redução do orçamento da Arena – aliviando as exigências para a obra. O clube continuaria precisando de um financiamento, mas a alteração na lei poderia atrair investidores que reduziriam o valor. Como não há garantia de que a iniciativa pública comprará a ideia, Fornea mostrou pés no chão. “Estamos muito atrasados. As coisas demoraram muito a acontecer. Ainda não tenho convicção.”

O projeto deve se tornar oficial na próxima terça-feira, prazo limite para que o Atlético aceite os termos colocados. Caso o clube não mostre interesse, a prefeitura e o estado, que garantiu um aporte de R$ 80 milhões para desapropriações na área da Arena, prometem deixar o projeto. A possibilidade de isso acontecer, no entanto, é mí­­nima.

7 comentários:

Anônimo disse...

As coisas demoraram a acontecer pq essa diretoria bunda mole não aceitou o financiamento do BNDES pq não quis.

Anônimo disse...

pOIS É CARO ANÔNIMO, e quem vai pagar a conta depois??? É o tio Pet??? claro que não....

Andre disse...

Cara burro...não sabe nada sobre financiamentos em bancos. Vire alguém na vida e veja como são as coisas antes de abrir o bico e puxar o saco mole do MCP! Financiamento, mesmo que se tenha carência, uma hora tem que se pagar. Sabe igual mulher faz com cartão de crédito? Que vai ao shopping, gasta e esquece que fim do mês a conta chega em casa? Então amigo. É por aí!

Anônimo disse...

Só falta mais uma palhaçada de políticos...
Enéas

VANGUARDA DA BAIXADA disse...

Não sei porque tanta contrariedade por parte de muitas pessoas em viabilizar um financiamento estatal para a conclusão da Baixada e a realização da Copa 2014 em Curitiba, com quem sabe, jogos até as quartas-de-final por aqui. Os recursos não precisam ser a fundo perdido, somente a taxas módicas e com longo prazo de pagamento, como o BNDES está fazendo em relação a muitos setores da economia em nosso país, e até no exterior, como na Venezuela e na China.

PORQUE OS CRÍTICOS DA COPA NA BAIXADA NÃO ESTÃO CONTRARIADOS COM A GASTANÇA DO DINHEIRO PÚBLICO NAS OUTRAS CIDADES, COM ESTÁDIOS ORÇADOS EM BILHÕES E QUE NO FINAL DAS CONTAS SE TRANSFORMARÃO EM VERDADEIROS "ELEFANTES BRANCOS", POIS NÃO POSSUEM TIMES À ALTURA DE TAIS ESTÁDIOS? AFINAL, NÃO SERÁ APENAS RECURSOS DAS CIDADES E ESTADOS QUE SERÃO GASTOS NESTAS OBRAS, BOA PARTE DO DINHEIRO SERÁ DA UNIÃO, OU SEJA, DE TODOS OS BRASILEIROS, MESMO OS PARANAENSES QUE CRITICAM FINANCIAMENTO PÚBLICO DA BAIXADA.

A falta de apoio ao projeto por parte de nossos conterrâneos da Copa em Curitiba, simplesmente por esta questão do finanaciamento é uma traição ao nosso Estado e também uma hipocrisia, pois muito falam do CAP e da Baixada, mas calam sobre os futuros vertedouros de dinheiro público que se formarão para 2014.

Caso a Copa não venha para CWB, quem asumirá este ônus político e econômico? Quais políticos, quais jornalistas, quais cidadãos? Que se apresentem, pois o Atlético e os atleticanos estão fazendo a sua parte...

SRN

Antonio disse...

Não gosto dessas pessoas que discordam da Copa em Curitiba.
Quero que elas apresentem o "mal" que esse evento pode trazer à cidade.
A Copa do Mundo gera empregos, movimenta o turismo, aumenta nosso destaque na imprensa internacional e melhora o transporte público. Isso além dos inúmeros outros benefícios que um evento como esse proporciona à população.

Como comentaram no post anterior, por mais que seja estranho, eu apoiaria a Copa em Curitiba mesmo se fosse em outro estádio.
O benefício é de todos, não só dos atleticanos. E nós fizemos isso por merecer, apesar de tudo.

Saudações.

Anônimo disse...

Dasapropriar a Arena? Esses caras estão loucos!!

Piada mesmo!