terça-feira, 27 de outubro de 2009

Soluções

Já fui favorável a clássicos de uma só torcida como medida para diminuir a violência no futebol. Mas, vejamos os últimos episódios. O incidente que vitimou o jovem João Henrique, o atleticano atropelado por um carro guiado por um coxa-branca, aconteceu a quilômetros do Couto Pereira. No caso das dúzias de ônibus quebrados pela cidade, difícil afirmar também que o vandalismo foi cometido apenas por quem esteve no jogo.
A medida pode ajudar a evitar transtornos dentro do estádio e durante a partida - como o arremesso de bombas, confrontos com policiais, etc -, mas é só.
Mas me parece ineficaz para coibir episódios como os que ocorreram no domingo, por toda a cidade.
Qual a solução?
Não sei.
Passa por educação, bom-senso, consciência, valores e um mínimo de racionalidade.
Convenhamos, é bem difícil esperar isso tudo do povão.
Tanto dos moradores das vilas mais pobres, quanto - como pudemos ver no episódio do atropelamento - nas classes mais abastadas.
De imediato, a punição exemplar é uma das únicas formas de coibir a violência no futebol. E não estou falando em pegar o motorista coxa-branca como "bode-expiatório". Falo em punição de maneira ampla, geral. Quantos vândalos foram proibidos de frequentar os estádios, como prega o Estatuto do Torcedor? Que me lembre, isso ocorreu aqui no Paraná em apenas uma oportunidade, quando meia-dúzia de "atleticanos" presos durante confronto num terminal de ônibus foram submetidos a tal pena, por algumas semaninhas.
Pouco, muito pouco.
E, como estamos vendo a cada clássico, proibir a venda de cerveja no estádio está bem longe de ser uma solução para qualquer problema.

18 comentários:

Anônimo disse...

A solução é apenas uma torcida no campo . Evitaria os confrontos, e a proibição do alcool mas com fiscalização não com esta hoje em dia .

Glauco disse...

A solução não é fazer jogos com uma torcida só. A solução não é proibir as bebidas dentro dos estádios. A solução não é proibir as camisas de organizadas. A solução não é e nunca será uma opção que agrida os direitos do cidadão comum por conta das exceções da sociedade, bandidos e marginais que não conhecem nem o próprio time, mas são mestres na arte de agredir covardemente e descumprir a lei.
As autoridades que deixem de transferir o ônus para os cidadãos de bem e passem a exercer o seu papel. Extirpem essa escória das ruas. Impeçam que vão aos jogos, que se apresentem em delegacias e módulos 2 horas antes e fiquem até 2 horas depois, por 1 ano inteiro. Mais se for preciso. E punam rigorosamente se não cumprirem com a determinação.
Se a sociedade não passar a cobrar COM RIGOR a participação das autoridades na segurança pública, logo passaremos a viver em jaulas residenciais, com determinações ridículas do Ministério Público para nos manter longe do perigo. Porém, combater o perigo, jamais.
Meus pêsames à família, mas que esse caso não seja utilizado contra a sociedade, mas apenas contra os delinquentes. Chega de cortar os meus direitos por culpa dos bandidos.

Gustavo GR disse...

Uma tentativa de soluçao, seria adotar o que é feito na Inglaterra e em outros países da Europa, ou seja, fichar todos os envolvidos em confusoes pré, durante e pós jogo e no dia de jogos do time o ifeliz na cidade, OBRIGAR o lazarento a comparecer à Delegacia mais proxima. Caso contrario, acontecendo algum delito na regiao do miliante, ele se torna AUTOMATICAMENTE suspeito.

Agora, como a Justiça aqui no Brasil só funciona para quem NAO é deputado... tipo, nao estou defendendo ninguem, mas vejam a diferença de tratamento entre 2 casos semelhantes: o Deputado Carli Filho encheu o cu de vinho a noite toda, decolou com o carro a 190 km/h, matou duas pessoas inocentes, foi flagrado pelo radar, e o que aconteceu com ele até agora ??? NADA. O coxinha bebum atropelou um atleticano (em circunstancias que nao conhecemos... nao sabemos se os atleticanos cercaram o carro, ameaçaram os caras, nao sabemos se o coxinha fez isso por sadismo ou tentou zoar dos atleticanos... enfim, somente quem estava la sabe o que realmente aconteceu) e foi preso logo na outra esquina.

A diferença de tratamento para quem tem poder aqui no Brasil é algo enojante...

SDS RN
GUSTAVO

Anônimo disse...

Teve confusão no terminal da fazendinha e em outros terminais e NINGUEM foi preso, mais de 500 vandalos se enfrentando e nenhum vagabundo foi sequer detido, ai como que se vai combater a violencia só falando, não faça isso que é errado, não vai adiantar né.

Julio disse...

É um problema estrutural. No país todos cometem crimes e não são punidos. As leis foram feitas com brechas para não se punir ninguem. O menino não quis fazer o teste do bafômetro. Daqui a 5 dias precisará ser solto por força da lei. E o deputado cortador de cabeça? Este é grande exemplo da impunidade. A cagada não acontece dentro, mas fora do estádio. Sem punições exemplares não só para dias de clássicos mas para todo cidadão que comete delitos nada adiantará.

Anônimo disse...

E ao contrário do que a Gazetola está publicando, já houve pelo menos, uma outra morte em atletibas nos anos 2000. Na final do Paranaense de 2005, um torcedor atleticano foi morto a tiros por coxas-brancas. Tudo isso só porque estava estava comemorando o título em uma rua de Pinhais.
Na época, esse assassinato não provocou grande comoção. E, ao que parece, não serviu nem para fazer parte das estatísticas. Afinal de contas, era só mais um filho da periferia.
Isso que estou falando não é demagogia, é apenas uma constatação de como as coisas funcionam no Brasil.

Guilherme disse...

Podiam decretar que todo Atletiba acabasse em 2x2.
Podiam banir os Atletibas.

Ou podiam pegar esse animal, trancar na cadeia e jogar a chave fora. Já seria bom, pra começar.

Anônimo disse...

Uma torcida só não resolve e ainda mata o Clássico.
O garoto Atleticano morto nem tinha ido ao jogo.
As confusões sérias acontecem em locais afastados, que continuarão ocorrendo com 1 ou 2 torcidas.
O que precisa acontecer é acabar com a impunidade, na hora que coeçarem a colocar na jaula, de verdade, essa palhaçada acaba.

Diego disse...

Não li nenhum dos comentários acima, mas gostaria de expor minha opinião, eu venho acompanhando os Atletibas no Couto Pereira já faz alguns anos, e indo a pé com a torcida. Embora houvesse muita gente, mas muita gente mesmo indo a pé para o estádio do Coritiba, não presenciei nenhum fato violento que não fosse gerado pela própria polícia, o que acontece longe da Baixada, do Couto e do caminho que leva um ao outro eu realmente não posso falar sobre, mas ali, naqueles pouco mais de 5km de caminhada, eu posso afirmar categoricamente que apesar dos "Vamos pegar os coxas!" não aconteceu absolutamente nada que não fosse causado pela própria polícia. Exemplo: Logo na saída da Baixada, na Brasílio Itiberê, é óbvio que aquela infinidade de atleticanos iria ocupar alguma faixa da rua. Mas isso foi o suficiente para uma das Rones parar, seus soldados descerem, ameaçarem e até desferirem golpes contra os atleticanos e ainda por cima eu tive que ouvir "Não olha pra mim não seu merda, tá se folgando, se olhar pra mim vai levar levar na cara seu filho da puta!". Agora me diga, que moral tem a Polícia Militar do Paraná pra falar em fim de violência?

Diego Ferreira disse...

Eu acho que isso não resolve em nada o problema das torcidas.
a maioria do que se metem em encrenca muitas vezes nem vão no jogo, e se o jogo tiver um só torcida com certeza essa cambada de marginal vai estar na rua esperando a outra torcida para poder brigar. isso já nem é mais pelo time, é por ser bandido mesmo, se não fosse pelo time esses vadios arrumariam outro motivo para brigar, como bairro, região e etc.

não adianta nada colocar policiamento em volta do estádio, se agora os confrontos acontecem nos terminais mais afastados da cidade - Santa Candida, Bairro Alto, Fazendinha e etc.

no Rio teve um projeto de lei excelente, mas que não saiu do papel eu acho.

Lá quem é pego brigando em dia de jogo, é considerado criminoso, vai preso por formação de quadrilha e tudo mais.

se tivessem leis mais rigorosa que realmente punissem, com certeza isso aconteceria menos.

e essa não foi a primeira morte que aconteceu em Atletibas, teve uma vez que um torcedor do Cocoxa jogou uma bomba num cara que estava com a namorada parado no terminal esperando o onibus.

o problema é que 90% desses vagabundos, são tudo pivete de 14 anos que querem ser os bandidos.

uma piazada que acha bonito apanhar da polícia, acham que é legal chegar na escolano outro dia e falar para os amigos que levou porrada da Rone e etc.

na verdade tem que prender o pai desses fdp, pq daí quem sabe ele tome vergonha na cara e coloque o filho dele na linha.

Ciro disse...

Uma solução é proibir menores de idade desacompanhados dos pais no estádio, porque quem faz essa bagunça na maioria são adolescentes bem mal educados.
E policiamento forte, ma só se colocar na CADEIA por meses quem quebrar qualquer patrimônio público. Agora com essa ridículo Lei que protege o adolescente bandido e criminoso, não tem jeito a não ser o torcedor de verdade ser punido por um bando de idiotas.

Ciro disse...

Uma solução é proibir menores de idade desacompanhados dos pais no estádio, porque quem faz essa bagunça na maioria são adolescentes bem mal educados.
E policiamento forte, ma só se colocar na CADEIA por meses quem quebrar qualquer patrimônio público. Agora com essa ridículo Lei que protege o adolescente bandido e criminoso, não tem jeito a não ser o torcedor de verdade ser punido por um bando de idiotas.

Guilherme disse...

Guerrilheiro, posso te dar certeza que o Joao estava no Couto Pereira domingo. So pra retificar ai. Abracos.

GUERRILHEIRO DA BAIXADA disse...

Valeu Guilherme

Anônimo disse...

na boa moro no japao e vou ao estadio as vezes para ver futebol e basebol e a divisa das torcidas e a escada da arquibancada e sem nem um seguranca e as pessoas entram e saem sem problemas o problema e a mente do povo!teve uma vez que um torcedor deu um chute em outro ele foi julgado pagou multa e foi condenado a ficar tres dias em frente a estacao de trem mais movimentada do estado com uma placa dizendo que ele estava ali pois tinha sido condenado por sua ignorancia e com um pedido de desculpa ao outro torcedor bisteca

roderley disse...

Afinal é o seguinte, enquanto não colocarem na cadeia estes marginais e mostrarem a cara deles nos jornais e televisão vai continuar assim por muito tempo ainda.

Gustavo GR disse...

Anonimo 00:42, por favor, ñ queira comparar o Japao (país de 1o mundo, cultura milenar) com o nosso país. A realidade social aí é outra. Estamos a um abismo de dferença... aqui é selva amigao.

Abraço
Gustavo

Anônimo disse...

gustavo nao quero comparar so quiz dizer que com solucoes simples se consegue punir os retardados!pega de baixo puni o da garrafa depois os vandalos criminosos que nao deveriam nem ter nacido.