quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Atlético recusa empréstimo do BNDES e vai buscar parceiro para a Baixada

Da Gazeta do Povo:

O Atlético vai participar hoje da reunião convocada pelo Minis­té­­rio do Esporte (ME) e Banco Nac­io­­nal de Desenvolvimento Eco­nô­mico e Social (BNDES) para estudar possibilidades de abertura de uma linha de financiamento exclusiva para a Copa do Mundo de 2014 com uma proposta na mão: independentemente do que for ofertado, o clube não aceitará nenhum empréstimo para concluir a Arena. O encontro será no ME, a partir das 14h30.

“Não pegaremos nenhum centavo, de banco público ou privado, isso eu posso garantir. Não queremos comprometer o futuro do Atlético com uma dívida impagável”, afirma Enio Fornea, representante da Baixada na reunião em Brasília. O vice-presidente ru­­bro-negro faz referência aos R$ 138,3 milhões que o clube precisa levantar para fechar o estádio de acordo com o caderno de exigências da Fifa – pré-requisito para abrigar os jogos do Mundial.

A intenção, de acordo com For­nea, é investir no máximo R$ 30 milhões na Arena. O valor é o mesmo que o Furacão precisaria de­­sembolsar para terminar a obra deixando de lado as exigências da entidade organizadora da Copa. O restante (R$ 108 milhões) teria de vir por meio de investidores, nacionais ou internacionais, ou através de Parceria Público-Priva­­da (PPP), sugere o dirigente. Rei­vindicação antiga, iniciada ainda no ano passado pelo ex-presidente do Conselho Deliberativo atleticano, Mário Celso Petraglia. “Repas­saríamos parte da renda do estádio para o parceiro por um determinado tempo”, diz Fornea.

As propostas indicadas pelo Rubro-Negro, porém, são de difícil solução. Até o momento, segundo informou Marcos Malucelli, presidente do clube, não há ne­­nhum contato engatilhado com possíveis investidores. “A crise econômica mundial atrapalhou”, explica.

Já a edição de uma PPP esbarraria em aspectos técnicos. “A prefeitura municipal não tem amparo legal para fazer nenhum investimento na Arena da Baixada, assinar um cheque em branco para o Atlético. O governo federal e o es­­­tadual também não têm esse amparo hoje”, ressalta Luiz de Carvalho, gestor municipal para assuntos relativos ao Mundial. “Mas se daqui a seis meses o governo federal ou o estadual abrir um leque...”, emenda ele, deixando no ar a possibilidade de acordo. Neste caso, contudo, a lei precisaria ser revista.

Presidente do comitê local da Copa 2014, o vice-governador Or­­lando Pessuti sugere uma terceira via.

“Sei das reclamações do Clube Atlético Paranaense, mas não temos autorização legislativa para investir na construção de estádios. O que podemos fazer é ajudá-los a encontrar um parceiro”, anuncia, prometendo para os próximos di­­as uma reunião extraordinária da comissão para tratar do assunto.

Apesar das dificuldades na captação da verba, Malucelli desmente os boatos de que o Atlético estaria desistindo de ser a casa do Mundial em Curitiba. Os rumores renovaram o interesse do rival Coritiba em ceder a sua nova praça esportiva para o torneio Fifa – inclusive com a possibilidade de utilização do espaço onde está localizado o Pinheirão. “Isso não existe. Temos tempo para buscar uma alternativa”, reforça o dirigente.

Nota do Blog: Realmente, uma dívida de R$ 108 milhões para um clube que tem fechado seus balanços com lucros mirrados ou mesmo com déficit, como foi em 2008, é bastante temerário. Por outro lado, o clube já começou a procurar parceiros? E digo parceiros de verdade, não W Torres da vida ou pra inglês ver. Além do mais, seria vantajoso para o clube ceder parte da renda da Baixada para uma empresa privada por anos a fio? Já há algum estudo nesse sentido? Enfim, esse assunto ainda vai render muita discussão.

12 comentários:

JMK disse...

Eu estou vendo além da coerência franca, porém sem teimosia, por parte do nossso Presidente, boas intenções dos nossos Políticos.
Espero e torço para que dê tudo certo.
Sou Atleticano para o que der e vier mas, como Paranaense:
Não pedimos vantagens, muito menos queremos prejuízos.

Marcus Vinicius disse...

É Guerrilha... é complicado esse assunto.

O que eu acho muita palhaçada, é ver que o Governo Federal vai injetar centenas de milhões de dólares para para construir novas praças por todo o Brasil, inclusive Cuiabá, que não tem nenhum time nem de 4 divisão. E os estádios privados? O caso do Furacão, dos Bambis e do Gaymio, terão que se virar com recursos próprios para a realização do evento? Será que é justo isso? Acho que o Governo TEM que injetar grana inclusive para esses clubes que emprestarão seu estádio para o evento. Não podemos nos endividar pro resto da vida para realizar um ou dois jogos de um evento de um mês de duração.

Anônimo disse...

O Mafuz está certo no comentário de hoje em sua coluna.

Anônimo disse...

O que a Diretoria tem que fazer é parar de chorar e correr atrás de patrocinadores.

Esse negócio de fiacr chorando nas rádios e hesitando com relação à Copa do Mundo, só serve de combustível para os coxinhas ressuscitarem o fantasma da Copa no Pinheirão ou no Pinga-Mijo.

Trouxemos a Copa sozinhos, sem ajuda de coxinhas e paranistas, ao contrário sendo prejudicados por eles. Agora incumbe ao Atlético correr atrás!

Naim Oliveira disse...

só quero ver se a copa for parar no couto pereira, o que esse MM vai falar. Vou eu pessoalmente em frente a casa dele bater panela a noite inteira.

Anônimo disse...

Apenas nestes momentos eu sinto falta do PetRAGLIA

Anônimo disse...

por uma dívida de 100 milhões de reais? q vá pro pinga mijo! aproveita e leva os xoxas pra serie D, pq com uma divida dessas só sendo do eixo pra sobreviver...

sempre fui a favor da copa em curitiba, pq vai ser bom pra nossa cidade... mas como sócio e torcedor do atlético, sei não... essa politicagem não cheira bem

Anônimo disse...

o petraglia pipocou faz tempo

Anônimo disse...

Eu quero time e titulos. Nao quero dividas e nem um estadio bonitinho.

Anônimo disse...

Eu quero time e titulos. Nao quero dividas e nem um estadio bonitinho.

Anônimo disse...

Eu quero time e titulos. Nao quero dividas e nem um estadio bonitinho.

Anônimo disse...

Vamos ver como vai se desenrolar essa situação, mas vai dar certo.
Agora, os coxas nunca vão fazer esse estádio que falam. Os coxas, o Flamengo, o Corinthians, o Cruzeiro... e o Palace II também.