terça-feira, 28 de abril de 2009

Nietzsche , o eterno retorno e o futebol

Artigo do escritor Cristovão Tezza publicado hoje na Gazeta do Povo:

No último domingo, pela manhã, deixei prontinha uma bela crônica falando sobre Nietzsche, a teoria do eterno retorno e sua relação com o futebol – e, é claro, a vitória espetacular do Atlético sobre o Coritiba, o que já teria lhe garantido a taça por antecipação. Imaginei entrevistas alegres e calorosas no final do jogo, antecipei a festa aqui em casa e a comemoração com os vizinhos. Fiquei calculando até o que ia dizer ao dentista coxa-branca, que, um ano atrás, usou a broca como vingança, enquanto eu, amarrado na cadeira, não podia responder.
Texto pronto, feliz da vida, foi só abrir a cerveja e esperar o jogo. Bem, antes de falar da partida vou retomar um pouco o paralelo que tentei fazer, mesmo com a cabeça inchada – e não mais de cerveja. O filósofo Nietzsche esboçou o conceito de “eterno retorno”, que, numa síntese leiga, é a ideia de que a vida repete sempre os mesmos fatos e sensações e essa repetição eterna nos limita. Talvez uma boa explicação didática possa ser encontrada no futebol, já que as partidas não funcionam como entidades isoladas – aliás, ninguém dá bola para amistosos. O que interessa mesmo é a cadeia dos campeonatos, a dura sequência de jogos em que se contam pontos para a vitória final. O ciclo dos torneios tem assim o poder de controlar o tempo, medi-lo e organizá-lo em temporadas que eternamente se repetem. Porque, também no futebol, a vida continua e, conforme a surrada mas sempre útil sabedoria popular, nada como um dia depois do outro.
No ano passado, o Atlético ganhou o jogo e perdeu o campeonato. Neste ano, perdeu o jogo, mas pode ganhar o campeonato. Aliás, tenho certeza absoluta de que vai levantar a taça, depois de um longo tempo de sofrimento – é a lei do eterno retorno, misturando um pouco a teoria do filósofo com o desejo do torcedor. Mas, como nada é fácil, ainda teremos de encarar amanhã o Corinthians de aperitivo, que vem embalado com o gol do Ronaldo – por falar em eterno retorno –, o gol mais bonito dos últimos tempos. E na Copa do Brasil cada partida é uma batalha quase irremediável. Pode ser o grande momento para o Atlético se centrar, um momento épico (como aliás o momento que os coxas devem ter vivido domingo passado). Sinto que a equipe parece sempre cair mais por falta de equilíbrio emocional que por carência técnica, e transparece ainda uma indecisão sobre qual é afinal a formação titular do time. O problema é que no futebol parece que todos os santos são de barro, e é para eles que temos de rezar e sofrer durante o jogo. E vejam só, pessimistas: continuamos em primeiro lugar.
Pois eu ia comentar o Atletiba. Mas com o espaço chegando ao fim, melhor dizer das vantagens do romancista sobre o cronista. Aquele cria a realidade; este se arrasta atrás dela, escravo fiel. E a realidade digamos que está mais à frente, domingo que vem, quando se fecha um ciclo.

10 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom, só podia ser rubro-negro!

Concordo q o time cai mais pelo fator emocional q pelo técnico...

Astronauta disse...

Esse Cristovão Tezza é foda!
Muito bom, só podia ser rubro-negro! [2]

Anônimo disse...

Niezstche ou Sicupira na imagem?

Marcio disse...

Niezstche ou Sicupira na imagem?(2)

Pensei a mesma coisa...

esou disse...

Este é Atleticano de Peito e Alma!
Eu voltei para casa, lógico chateado da vida e "ainda tive" que ouvir o nosso hino cantado por uma linda vizinha "Atleticana" de 2 aninhos de idade:
"E a camisa Rubro Negra, só se veste por FAVOR"...
Fazer o que? Em vez de me chatear mais, saí dando gagalhadas e me veio à mente a figura do Netinho (pobre Netinho, torço por ele se recuperar).
Atletiba que eu me lembre sempre o time inferior venceu.

Anônimo disse...

sextoooo

Anônimo disse...

A sua teoria é reforçada pela atitude do Geninho. Ele sempre repete as mesmas desculpas esfarrapadas. Como a torcida aguenta? Ouvir uma repetição sem fim de desculpas esfarrapadas? E ainda idolatram o cara?!?

Ana Paula disse...

Parabens pelo blog!

e é como vc disse, perdemos o jogo nao o campeonato!

e domingo agt comemora!

abraço!

Anônimo disse...

Muito Tezzão!
Domingo a gente toma umas cervejinhas e esquece esta decepção de domingo.
Mas que está foda, está!!!

Flávio Jacobsen disse...

altíssimo nível isso aqui, guerrilheiro! ... água no chope o caramba, semana que vem já é outro barril. grande abraço!