segunda-feira, 9 de março de 2009

A história perto do povo

O dado é do blog Olhar crônico desportivo:
"No Barcelona, as vendas da loja no Camp Nou dobraram depois da inauguração do museu, uma demonstração clara do apelo emocional que desemboca no consumo, que, de maneira geral, costuma ser 40% maior nesses casos".
Pois é. Não dá para entender porque o Atlético não mantém uma sala de troféus na Baixada. Espaço tem: há um salão enorme, muito bacana, no quarto andar do estádio, sobre a churrascaria e a academia - lá onde está exposta, atualmente, a maquete da Arena.
Parece que a intenção do clube é construir um moderno memorial quando o estádio ficar pronto. Até lá, meus amigos, muita gente vai morrer sem ter o prazer de ver e tocar o troféu de campeão brasileiro de 2001, a taça do vice-campeonato da Libertadores, as taças dos campeonatos estaduais e até de torneios curiosos, como aquele de Winterthur (Suíça).
Por que então não aproveitar aquele espaço que é pouquíssimo utilizado para montar uma sala de troféus, mesmo que provisória? Poderiam ficar expostas lá todas as taças que atualmente estão distantes do povão atleticano, infurnadas no CT do Caju, além de outros "aperitivos" que o professor Heriberto está coletando para o memorial, como pôsteres, fotos, camisas antigas, etc.
É uma medida simples. E sem custo.

2 comentários:

Anônimo disse...

Bem lembrado, mas basta visitar o CT para ver isso e muito mais.

Anônimo disse...

tinha que ser como o museu do boca, uma coisa fora de serie... tem umas 10 tvs que passam jogos do boca o dia todo, fora a grandiosa historia em trofeus, camisas etc... nesse ponto, cap ta pisando na bola mesmo...