quarta-feira, 18 de março de 2009

Clubes detonam Cury e a FPF

Da Gazeta do Povo Online:
Enquanto o presidente da Federação Paranaense de Futebol diz não aguentar mais falar sobre o artigo 9º do Estadual 2009, representantes de clubes do interior, e mais o presidente da Futpar, dão opiniões diversas a respeito do assunto. Dirigentes criticam a redação do texto do regulamento, que dá a possibilidade ao primeiro colocado na 1ª fase de ter todos os mandos de jogos na fase final, e garantem que o “erro” foi exclusivo da Federação.

“Eles quiseram empurrar o regulamento na marra. O Seu Juliano Tetto (do departamento jurídico da FPF) chegou no arbitral com o regulamento debaixo do braço, ao estilo Onaireves Moura. Nós revisamos uns 40 itens antes de assinar, garantiu o presidente do Engenheiro Beltrão, Luis Linhares. “Nós avisamos que havia erro, mas eles se acham os senhores dos anéis, os donos da razão e deu essa porcaria. O campeonato tem de parar”, completou o dirigente, temendo pela continuidade da competição. A interpretação do polêmico artigo ainda depende do julgamento do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), previsto para o dia 26 de março.

Embora considere a postura da FPF correta em dividir a culpa com os clubes, o presidente do Rio Branco, João Frumento, classificou a reunião que definiu as regras do jogo como “bagunçada”. “É cafezinho aqui, telefone celular tocando ali, ninguém presta atenção, não há concentração, é tudo muito bagunçado. Ninguém sabe bem o que está acontecendo”, reclamou. Ele lembrou que apenas o Atlético solicitou uma cópia do regulamento para uma avaliação minuciosa do departamento jurídico do clube.

O presidente da Futpar, Joel Malucelli, confirmou o clima confuso dos arbitrais. “Não é estudado, não é verificado e não é discutido. O resultado é esse, mas todos temos culpa no cartório. Não sei por quais motivos a FPF não assumia isso daí”.

Arif Osman, diretor financeiro do Foz, admite a falha dos clubes e afirmou que a alteração no artigo 9º foi discutida no arbitral, mas não foi redigida no regulamento final apresentado pela Federação. Segundo ele, não haveria o supermando na segunda fase. “Nós (clubes) votamos que o primeiro ao quarto colocado jogariam quatro partidas em casa e outras três fora na segunda fase. Nós assinamos na confiança que havia sido alterado, mas não foi o que aconteceu”, garantiu.

2 comentários:

DINDO disse...

QUEREM MINHA OPINIÃO??

#*#*@+¨@&#&

Anônimo disse...

Roberto Fernandes continua inovando: http://uolesporte.blog.uol.com.br/arch2009-03-15_2009-03-21.html#2009_03-19_19_24_38-10305746-0