segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Nice and beautiful

Diretores da Fifa desembarcaram no gramado da Baixada: "bom e bonito".
Da Gazeta do Povo:

Quando a Comitiva da Fifa aterrissou no gramado da Arena da Baixada, a expressão nos rostos dos três membros foi de aprovação. Enquanto caminhavam no gramado, o gerente da entidade, Fúlvio Danilas, inclusive deixou escapar alguns elogios à Arena. “Nice and beautiful (bom e bonito, em inglês)”, disse.

Acompanhados pelo ex-diretor de marketing do Atlético e consultor para assuntos da Copa do Mundo, Mauro Holzmann, pelo arquiteto responsável pelas obras, Carlos Arcos, e por um dos advogados do clube, Rui Paciornik, os três membros da Comitiva tiveram 40 minutos para conhecer o estádio e tirar as dúvidas em relação ao projeto.

Segundo Holzmann, os principais questionamentos dos membros foram em relação à conclusão da Arena da Baixada. “Eles ficaram muito interessados com o término da obra. Afinal, para um estádio sediar uma Copa do Mundo existem muitas exigências a serem cumpridas. Por isso as perguntas foram muito técnicas e sem maiores problemas”, revelou.

Sobre a conclusão do estádio, Arcos afirmou que em junho serão concluídas as obras da Brasílio Itiberê. Depois disso, mais um ano e meio para a finalização. “Se tudo continuar como está, em 18 meses fechamos tudo”, declarou.

Para finalizar, Holzmann revelou que, pela expressão dos enviados da Fifa durante todo o percurso, eles aprovaram a Arena. “Vimos pelo semblante que todos gostaram muito do que viram, mas eles não fizeram nenhum comentário. Agora é torcer, porque tenho certeza que dará tudo certo e a Copa vai ser aqui”, disse.

Visita reforça certeza na escolha de Curitiba

“Tenho convicção absoluta de que eles levaram uma ótima impressão de tudo que viram e vão mostrar isso no relatório final”, disse o presidente da CBF, Ricardo Teixeira. “Nós tiramos nota 10”, reforçou o vice-governador Orlando Pessuti. “Não tenho dúvidas de que vamos ser uma das sedes da Copa”, concordou o prefeito Beto Richa.

O otimismo foi unânime após a passagem da Comissão de Vistoria da Fifa por Curitiba, sábado e ontem. Em menos de 20 horas de permanência na capital paranaense, o grupo inspecionou o aeroporto, sobrevoou a cidade, visitou a Arena e assistiu a uma apresentação do projeto do estado, no Hotel Bourbon.

Por questões protocolares, Thierry Weil (diretor de marketing), Dick Wiles (co-chairman da empresa Match, responsável por venda de ingressos) e Fulvio Danilas (responsável pelo projeto Copa Brasil 2014) não deram entrevistas. Mas, ao que tudo indica, embarcaram para o Rio de Janeiro com uma boa impressão.

Até o próximo sábado, o grupo, que ainda conta com sete integrantes do comitê organizador, completará o tour pelas 17 cidades candidatas. O anúncio das 12 escolhidas será no dia 20 de março, em Zurique (Suíça). Rio, São Paulo, Brasília, Porto Alegre e Belo Horizonte, em tese, têm presença garantida; Manaus, Belém e Rio Branco disputam a sede amazônica; Cuiabá ou Campo Grande representará o Pantanal. Restam Curitiba, Florianópolis, Goiânia, Salvador, Recife, Fortaleza e Natal na briga por cinco lugares.

“Todos acham (que algumas cidades já estão garantidas), mas a Fifa vai analisar todas as cidades, independentemente da região. Em relação ao Pantanal e à Amazônia, a Fifa tinha previsto dez cidades, mas como são 12, será muito difícil fazer uma Copa em um país como o Brasil, em que 43% do território é a Amazônia, e não ter uma sede lá”, explicou Teixeira.

Com a confiança na confirmação paranaense, Richa chegou, inclusive, a dimensionar o investimento necessário em Curitiba para o Mundial. Segundo o prefeito, a capital precisa de R$ 4,5 bilhões, que, a exemplo das obras nas demais cidades-sede, sairão do PAC, financiamentos internacionais, emendas parlamentares e orçamento do estado. “Com as obras nas áreas de energia, saneamento, saúde, mobilidade urbana, turismo, segurança, habitação, educação e o metrô, passaremos dos 4,5 bilhões”, afirmou.

União

Todos os integrantes do comitê paranaense foram unânimes ao apontar a união entre diferentes setores da política e do futebol local como a principal razão para a melhora no conceito da candidatura. No sábado, um episódio emblemático deu a dimensão exata dessa coesão.

Jair Cirino, presidente do Coritiba, participou do jantar oferecido à comissão da Fifa. Cenário inimaginável dois anos atrás, quando seu antecessor, Giovani Gionédis, anunciou um projeto em parceria com a Federação para erguer um estádio para a Copa onde hoje é o Pinheirão.

“É fundamental que as forças políticas e os clubes se unam porque seria injustificável a ausência de Curitiba na Copa”, disse Cirino.

3 comentários:

Anônimo disse...

HAHA!


A COPA É NOSSA!

Geraaaaaldo disse...

Copa na Baixada e o Tremendão Abacatão desmoronando... hahahaha

ROMANO disse...

GRANDE NAÇÃO ZUMBI

BOA GUERRILHA!