segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

O Apartheid do futebol brasileiro

O blog Olhar crônico desportivo mostra como funciona a divisão das cotas da TV, somando o correspondente às emissoras de sinal aberto e fechado e o pagamento referente aos jogos vendidos pelo sistema Pay Per View. Para 2009, a verba destinada aos clubes é de R$ 300 milhões por parte das emissoras abertas e fechadas (Globo e SporTV) , e mais R$ 110 milhões por parte do PPV (Premiére).
Uma boa grana, principalmente levando-se em conta o valor irrisório o que era pago há menos de uma década.
O problema está mesmo é na divisão deste bolo.
Para distribuir os R$ 300 milhões da TV aberta e fechada, o Clube dos 13 dividiu os clubes em alguns grupos, desta forma:

I) Flamengo, Corinthians, São Paulo, Palmeiras e Vasco;

II) Santos;

III) Grêmio, Inter-RS, Cruzeiro, Atlético-MG, Fluminense, Botafogo;

IV) Atlético, Coritiba, Goiás, Sport e Vitória;

V) Portuguesa;

VI) Bahia, Guarani;

VII) Convidados: Náutico, Avaí, Santo André, Barueri.

Já a distribuição do bolo do PPV segue os percentuais obtidos com a tal pesquisa feita junto aos assinantes do Premiére, como citado em alguns posts abaixo.

Com base nisso tudo, o Olhar crônico publicou a seguinte tabela, mostrando qual é o quinhão que caberá a cada clube este ano:

Tipo Cota fixa PPV % Total
TOTAL 300.000.000 110.000.000 100%
Clubes Cota 2009 Cota 2009 % Pesq. Valor total
Flamengo 21.000.000 15.224.000 13,84 36.224.000
Corinthians 21.000.000 10.747.000 9,77 31.747.000
São Paulo 21.000.000 10.131.000 9,21 31.131.000
Palmeiras 21.000.000 9.053.000 8,23 30.053.000
Santos 18.000.000 2.662.000 2,42 20.662.000
Vasco* 10.500.000* 7.106.000 6,46 17.606.000
SUBTOTAL 112.500.000 54.923.000 49,93 167.423.000
Grêmio 15.000.000 8.987.000 8,17 23.987.000
Internacional 15.000.000 7.557.000 6,87 22.557.000
Cruzeiro 15.000.000 7.216.000 6,56 22.216.000
Atlético MG 15.000.000 6.534.000 5,94 21.534.000
Fluminense 15.000.000 6.105.000 5,55 21.105.000
Botafogo 15.000.000 5.137.000 4,67 20.137.000
SUBTOTAL 90.000.000 41.536.000 37,76 131.536.000
ATLÉTICO
11.000.000 1.991.000 1,81 12.991.000
Coritiba 11.000.000 1.650.000 1,50 12.650.000
Goiás 11.000.000 1.650.000 1,50 12.650.000
Sport 11.000.000 1.650.000 1,50 12.650.000
Vitória 11.000.000 1.650.000 1,50 12.650.000
Portuguesa 5.500.000 1.650.000 1,50 7.150.000
Bahia 3.450.000 1.650.000 1,50 5.100.000
Guarani 3.300.000 1.650.000 1,50 4.950.000
SUBTOTAL 67.250.000 13.541.000 12,31 80.791.000
TOTAL 269.750.000 110.000.000 100% 379.750.000
(*)Vasco:
o clube faz parte do Grupo I e teria direito à cota de 21.000.000. Como foi rebaixado para a Série B, terá direito, em 2009, a 50% da cota, tal como ocorreu com o Corinthians em 2008 e com os outros clubes rebaixados.

Olhando a última tabela, com os valores totais recebidos por cada clube, vê-se o tamanho da disparidade. Do Botafogo para cima, todos recebem pelo menos o dobro (arredondando grosseiramente) do que o Atlético, todos acima de R$ 20 milhões. A diferença para Palmeiras, São Paulo, Corinthians e Flamengo, então, é absurda.
O Atlético receberia exatamente a mesma verba de Coritiba, Goiás, Sport e Vitória, mas acabou recebendo uma bagatela a mais - cerca de R$ 300 mil - por conta de ter ficado um pouco melhor colocado na tal pesquisa do PPV. Porém, note que estes cinco clubes recebem recursos da ordem dos R$ 12 milhões, enquanto no próximo "degrau", a partir do Botafogo, os clubes passam a ganhar a partir de R$ 20 milhões, chegando a R$ 36 mi no caso do Flamengo. O Vasco, mesmo na segundona, receberá R$ 5 milhões a mais este ano do que ganharão estes cinco clubes, que estão todos na Série A.
Uma diferença colossal e absurda.
E depois ainda aparece neguinho reclamando da diretoria, queixando-se que "não entende" como é que estes times tiram jogadores daqui com a maior facilidade, e ainda se dizem "indignados" com a passividade dos clubes paranaenses nestes casos...
Bem, se o quadro aí de cima não for suficiente para explicar, nada mais explica.
A questão que fica é: como concorrer em pé de igualdade no Campeonato Brasileiro? Será que uma divisão igualitária das cotas da TV aberta não seria uma medida mais justa e honesta, deixando apenas para o PPV o repasse diferenciado?
O problema é saber quem, fora nós paranaenses e um ou outro nordestinos, têm interesse nisso. Até porque, se dividirmos igualitariamente o valor total de R$ 379 milhões pelos 24 clubes da tabela, daria cerca de R$ 15,8 mi para cada um - ou seja, paulistas, cariocas, gaudérios e mineiros veriam suas receitas diminuírem...
Enquanto isso, vamos fazendo nossa parte, lotando a Baixada e não deixando o Furacão cair, como caíram Grêmio, Palmeiras, Corinthians, Vasco e outros lá do topo da tabela da segregação. E, de quebra, chegando vez ou outra à disputa de títulos nacionais e até internacionais.

8 comentários:

Anônimo disse...

Para não dizerem que só puxamos a sardinha para o nosso lado, alguém pode me explicar o critério que faz com que o Santos receba, a título de cota fixa, cerca de 75% a mais que o Vasco da Gama???

GUERRILHEIRO DA BAIXADA disse...

Tá explicado ali no asterisco abaixo da tabela, em letra miúda. Como está no Grupo I o Vasco receberia R$ 21 mi, mas como está na segundona a verba cai pela metade: R$ 10,5 mi. Fora o PPV.

Abs

Luiz Andrade disse...

A TV pensa no mercado de maneira nacional. Se as transmissões fossem regionalizadas, ou seja, aqui transmitissem os jogos dos paranaenses fora de casa, a divisão igualitária faria sentido. Mas como isso ocorre 2 ou 3 vezes durante todo campeonato, enquanto no restante recebemos o mesmo jogo que SP ou RJ, então é claro que esses clubes sempre receberão mais e de quebra aumentam o círculo vicioso que faz com que tenham torcidas expressivas por aqui.

rever disse...

Pela lógica do colega luiz andrade, que faz todo o sentido, deveríamos então chamar o campeonato brasileiro de torneio rio-sao paulo, é ridículo querer que meia dúzia de times representem todo o nosso vasto território nacional...

Luiz Felipe Rivabem disse...

Eu acho obvio que Flamengo deve receber mais que o CAP, não discuto isso.

O que eu discuto é não haver NENHUM critério esportivo na divisão.

Na Itália o governo precisou intervir e agora a divisão é 40% igual entre todos, 30% "tamanho" e 30% colocação no campeonato anterior.

Se aqui fossem 70% "tamanho" e 30% ranking de colocação dos ultimos 3 anos (com 4 faixas, a maior ganhando o quadruplo da menor) já seria uma grande evolução.

Anônimo disse...

E tem mais os estaduais Guerrilheiro, os 4 (bambi, gambá, porco e peixe) recebem R$ 7,5 milhões e a rapa R$ 1,5 milhão, isso mesmo 1,5 e enquanto aqui os dois ditos "grandes" (paquita e galinha azul) aceita migalha e falam que o Furacão é arrogante em não aceitar que transmita os jogos por miseros R$ 400.000,00 e montaram a FUTPAR p/ poder negociar uma cota maior e o time do Pinga-Mijo pula fora do barco.

Luiz Felipe Rivabem disse...

Ou, muda a lei e o mandante é dono dos direitos, proibindo a tv aberta de mostrar o jogo na cidade onde ele ocorre.

Assim as emissoras poderiam concorrer, por exemplo, CAP venderia digamos, seus jogo contra o Corinthians pra Band, contra Flamengo pra Globo, contra os Gremio pra Record passar apenas no RS, podendo vender pro SBT passar no interior do PR, por exemplo...

E poderia vender, bem barato até, seus jogos contra adversários menos interessantes em casa pra passar no interior do PR e ganhar torcida.

E o grosso do PPV do CAP, que é em Curitiba e região, estaria garantido, não prejudicando essa fonte de renda.

Poderia inclusive ter seus jogos PPV passando na TVA, Via embratel e outros, não apenas nas amiguinhas da Globo.

Além de viabilizar transmissão via Internet.

E isto nada impede dos clubes continuarem negociando em bloco como hoje, apenas em caso de negociação isolada não obrigaria as emissoras a negociar com 2 clubes pro mesmo jogo.

Unico problema disso seria por exemplo a Globo comprar só os jogos de SP e Corinthians em casa pq eles tem muita torcida fora de suas cidades dai compensa, e dai comprar os jogos desses times de algum time desesperado por dinheiro, um paraná da vida, que no pior cenário possivel ainda ganharia mais que hoje.

Mas dai iria dos clubes se unirem e não se darem rasteira.

Anônimo disse...

Acho que a verba de tv aberta deveria ser dividida igualmente. O PPV por compras de pacotes. A globo não tá nem aí quanto vai pros times, ou colocaria isso em contrato.
Absurdo é a discriminação que ocorre dentro do C13, onde teoricamente os times deveriam ser iguais.
Dividir igualmente obrigaria times como Corinthias e Flamengo explorar de forma mais inteligente outras formas de renda como vendas de produtos e patrocinios.
SRN
CF