quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Goleada no jogo-treino

Da Tribuna do Paraná:
Se 2008 ficou marcado pela pouca produtividade e falta de gols no Atlético, o primeiro trabalho da nova temporada encheu de entusiasmo os torcedores mais fanáticos. Afinal de contas, o jogo-treino contra o Batel, de Guarapuava, realizado ontem à tarde no CT do Caju, teve uma chuva de gols.

Mas o placar elástico, 9 a 0, foi construído em cima de uma equipe com sérias limitações técnicas e que pouco incomodou o Furacão. Valeu mesmo pela movimentação e, como disse o treinador Geninho, para mostrar que o grupo está assimilando o que vem sendo treinado no dia-a-dia, principalmente as jogadas pelas laterais e triangulações.

O destaque do jogo foi a dupla de atacantes. Rafael Moura e Julio César. Cada um marcou três gols nos primeiros 45 minutos, tempo que a equipe titular permaneceu em campo. A facilidade, no entanto, não deslumbrou Rafael Moura.

“Goleada em jogo-treino é diferente do que acontece no campeonato. Mas é bom iniciar assim, marcando gols. Dá confiança”, avaliou He-Man. Júlio César segue a mesma linha. “O time é o mesmo, com exceção do Alan Bahia. Quando o coletivo é preservado, as coisas ficam melhores”, afirmou. Sobre a goleada, comentou: “Se fizemos vários gols é porque tínhamos essa obrigação. Foi bom para o começo de temporada”, finalizou.

Outra boa notícia para a torcida é que a bola parada, principal jogada do time em 2008, continua bem ensaiada no Furacão. Ontem dois gols saíram de cobranças de escanteio e cabeçadas dos atacantes Rafael Moura e Julio César. E o protagonista neste tipo de jogada é Netinho.

“Começamos da mesma maneira que terminamos no ano passado: eu fazendo assistência e o Rafael fazendo gols. Espero que também dê resultado no campeonato”, afirmou Netinho.

Marcinho mostra categoria

As novas contratações do Atlético tiveram oportunidade apenas no 2.º tempo do jogo-treino de ontem, contra o Batel. Lima, Jorge Preá e Marcinho foram testados e, mesmo fora de ritmo, quem mais chamou a atenção foi o meia-atacante.

Marcinho mostrou categoria em algumas jogadas e fez passes certeiros, mas ainda levará algum tempo para estar em condições ideais para atuar. A dupla Preá e Lima fez boas tabelas, mas foi o jovem estreante quem deixou a sua marca, aos 32 minutos da etapa final. Antes, Preá havia acertado uma bola na trave.

Outro atacante que soube aproveitar a oportunidade foi o garoto Wallyson, que passou a temporada 2008 em tratamento médico e para ganhar massa muscular e atuando no time sub-23. Logo após substituir Lima, ele chutou cruzado para anotar o seu gol, um dos 9 do Atlético da partida.

Os jovens laterais Douglas Maia e Alex Sandro também deixaram impressão positiva, com bons apoios. Os dois são apostas e devem ter oportunidades em breve no time titular. Numa análise geral, as duas formações utilizadas por Geninho se portaram bem, com vantagem para o time principal por causa do maior entrosamento.

A superioridade rubro-negra sobre o Batel aconteceu principalmente pelo melhor condicionamento físico. Isso fez com que o time atleticano pudesse pressionar o adversário durante quase os 90 minutos de jogo. Tanto que o adversário acertou apenas dois chutes ao gol rubro-negro.

3 comentários:

Anônimo disse...

É o Alex Lopes velho de guerra puxando a camisa do Marcinho?

Diego Ferreira disse...

é ele mesmo..

Anônimo disse...

E o Nei???

A quantas anda o tratamento dele?