terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Alan Bahia está de volta

Alan Bahia foi o batedor oficial de pênaltis no ano passado e tornou-se artilheiro do time.
Além dos colombianos, o Atlético terá mais três reforços se apresentando dia 4 no CT do Caju, informa a Furacao.com. O jovem Gerônimo, lateral-direito que já serviu às seleções brasileiras sub-15, sub-17 e sub-20 e estava na Geórgia, vem para disputar com Raul a vaga deixada por Nei. No ataque, Kaio volta após passagem pelo futebol japonês. E, na cabeça-de-área, o técnico Antônio Lopes contará com o retorno de um grande ídolo: Alan Bahia.
Que saiu daqui, no ano passado, em grande fase.
A melhor de sua carreira.
Até artilheiro foi. O artilheiro das paradinhas. E marcou o gol 1.000 do Atlético em Brasileirões.
Não nos esqueçamos que Claiton já deve estar recuperado do problema no tendão que o deixou de fora do Brasileirão 2009.
Com isso, Lopes terá à disposição um trio de volantes bastante forte: Valencia, Claiton e Alan.
Sem falar nos garotos Chico e Fransérgio, além de Renan Foguinho - a última das opções, na minha opinião.
Com a manutenção de Manoel, Rhodolfo e Bruno Costa na zaga, mais a chegada do gringo Vanegas, somada a este trio de leões na cabeça-de-área, parece que teremos um sistema defensivo dos melhores em 2010.
Agora, falta reforçar o ataque.
É esperar para ver.

Primeiros reforços vêm da Colômbia

Da Furacao.com:
O Atlético contratou nesta segunda-feira os primeiros reforços para a temporada 2010. O Furacão resolveu apostar mais uma vez no mercado sul-americano e acertou com dois colombianos.
O atacante Jorge Serna, 30 anos, e o zagueiro Samuel Vanegas, 33 anos, já assinaram contrato com o Furacão pelo período de um ano e ficarão à disposição do técnico Antonio Lopes.
Serna e Vanegas foram indicados ao Atlético pelo observador Borba Filho, que também havia sido responsável pelas indicações de Ferreira, Valencia, Viáfara e Navarro Montoya, entre outros. Borba é jornalista e já foi técnico. Ele tem grande conhecimento do futebol sul-americano e trabalha indicando jogadores a clubes brasileiros e falou sobre as características dos atletas: "O Samuel foi campeão colombiano, era capitão da equipe. Já o Serna é um jogador de área, tem 1.90".
Serna

O atacante Jorge Serna tem 30 anos, 1,90m, e já passou por dez clubes em sua carreira. Ele é bastante identificado com o Independiente Medellín, onde iniciou sua carreira, em 2000, e clube pelo qual teve quatro passagens.
Com a camisa do Decano do futebol colombiano, ele foi campeão do Torneo Apertura, em 2004, e artilheiro do Campeonato Colombiano de 2001, com 29 gols.
Jorge Horacio Serna também teve breves passagens por times pequenos da Itália (Como) e da Espanha (Rael Jaén) e atuou em vários times da América do Sul, como Uruguai, Chile, Venezuela, Equador e Peru. Seu último clube foi o Envigado, da Colômbia. Serna marcou sete gols em 13 partidas no Campeonato Colombiano - o artilheiro foi Martínez, com 18.
Serna já jogou duas vezes contra o Atlético, defendendo o Independiente na Libertadores da América, em 2005. Ele marcou o terceiro gol da vitória do DIM sobre o Rubro-Negro na Arena da Baixada por 4 a 0.
Naquela época, Borba Filho integrava a comissão técnica do Atlético. Na primeira fase, ele foi o responsável por avaliar os adversários e passar um relatório sobre a forma de jogar dos times sul-americanos. O curioso é que Serna foi objeto de comentário do então auxiliar: "Já quanto a parte tática, destacou que o esquema é uma espécie de 4-3-2-1, com os armadores Molina e Morantes, este último o cérebro da equipe. Lembrou porém que o centroavante, o camisa 9 Serna vive em pé de guerra com a torcida pelas inúmeras chances desperdiçadas".
Logo depois da derrota em casa para o Independiente, Borba assumiu interinamente o comando da equipe e ajudou o Atlético a se classificar contra o Cerro Porteño, nas oitavas-de-final.
Vanegas

O zagueiro Samuel Vanegas tem 33 anos e vinha jogando no Independiente Medellín, ex-time de Serna e atual campeão colombiano. Antes disso, jogou por três anos no rival Nacional de Medellín e no Once Caldas, clube pelo qual foi campeão colombiano, em 2003, e da Libertadores da América, em 2004.
Vanegas tem 1,87m e é considerado um líder. Já foi convocado para a seleção colombiana. O zagueiro é destro e costuma atuar pelo lado direito. Além da indicação de Borba, Vanegas foi observado também pelo auxiliar técnico Leandro Niehues, que viajou a Colômbia especialmente para vê-lo em ação.
"É um jogador muito forte e que é excelente na bola aérea. E tanto ele como Serna são jogadores consagrados na Colômbia que caem como uma luva para a necessidade do Atlético", declarou Niehues em entrevista ao site oficial do Atlético.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Oito anos passam voando

Em 23 de dezembro de 2001, a alegria suprema da Nação Atleticana. Relembre, desde a partida de uma semana antes, na Baixada, quando o título começou a ser conquistado:




E um feliz Natal a todos os rubro-negros!

Elias não vem

A primeira contratação do Atlético para a temporada ficou no quase. Elias, do Atlético-GO, não vem mais. Em nota no site oficial, o CAP anunciou que desistiu do negócio e que "fará valer todas as condições contratuais junto ao Atlético Goianiense."
O contrato entre os dois clubes previa o empréstimo do zagueiro Antonio Carlos até o final do Campeonato Brasileiro da Série B. Em troca, o Dragão cederia um atleta por empréstimo até o final do Brasileirão e outro até o final do Paranaense 2010.
O atacante Brasão foi emprestado ao Atlético durante o Brasileiro e o time solicitou o meia Elias para o Estadual. Durante as negociações, chegou até ser discutida a possibilidade de Elias permanecer durante toda a temporada, com o empréstimo de outro jogador ao time goiano.
Porém, o Atlético não chegou a um acordo salarial com o meio-campista. Agora, o Atlético Goianiense terá de pagar R$ 300 mil ao Atlético como parte do pagamento do empréstimo de Antonio Carlos.
* Com informações da Furacao.com.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Atlético pode trazer o atacante Bruno Mineiro

Do blog da Nadja Mauad:

O Atlético teria feito uma proposta para ter o atacante Bruno Mineiro, que pertence ao América Mineiro e disputou o returno do Brasileiro pelo Náutico.
Os dirigentes do Atlético estavam em reunião e não confirmaram a informação. Mas há pouco mais de um mês, o clube chegou a sondar o jogador. Naquela época, o atacante estava sendo muito procurado e estaria pedindo 500 mil reais e um salário que giraria em torno de mais de 50 mil reais.
Hoje, conversei com o empresário do atleta, Max Vianna, e ele confirmou que até amanhã o negócio poderá ser concretizado.
“Realmente essa sondagem foi feita durante o Brasileiro e os valores eram esses. Mas estava no auge do Campeonato, muita gente em cima e a gente pediu para esperar o término do Brasileiro”, disse.
Interesse

“Nós estamos conversando com vários times. Não fazemos leilão, claro, mas tem vários clubes interessados. O Atlético é um deles. O perfil do Atlético é o perfil do jogador. É tudo que o jogador precisa. Mas Santos, Fluminense e Grêmio demonstraram também interesse. Mas o Atlético tem um diferencial, tem estrutura”, afirmou.
Proposta

“O Atlético quer comprar parte do jogador, quer fazer um contrato longo, de três anos. Mas os números mudaram em relação a primeira sondagem, estamos conversando”, declarou.
“Ele realmente está bem próximo do Atlético. Já me disse que quer para o Atlético. Inclusive o Atlético já consultou o América Mineiro e quem sabe nos próximos dias poderemos ter novidades”, finalizou.
Atlético

O Atlético não confirma a negociação.

Ingresso avulso terá reajuste em 2010

O site oficial do CAP informou hoje que os valores dos ingressos avulsos serão majorados para a próxima temporada, e custarão R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia entrada). Um reajuste de 25%, pois até o último campeonato os bilhetes custavam R$ 40 e R$ 20.
Os planos de Sócio-Furacão, que dão direito de acesso a todas as partidas na Baixada, permanecem a R$ 70 (R$ 35 para menores de 18 anos) por mês.

Uma data especial

A Furacao.com lembrou ontem de uma data especial: a conquista da Seletiva da Libertadores, há 10 anos.
Título dos mais importantes, pois representou o passaporte para sua primeira disputa de uma Libertadores da América em toda sua história.
Dei aquela procurada esperta no nosso amigo Youtube e não achei os jogos finais contra o Cruzeiro. Mas encontrei os gols de duas partidas das mais emocionantes do torneio.
Primeiro, o Atletiba no pinga-mijo: 4 a 1.

O "monstro" Cocito abriu o placar com um golaço. Na frente, Adriano Gabiru e Lucas infernizavam a pobre zaga verde. E Luizinho Neto não poderia deixar de guardar o seu. Ah, como gostava de marcar gols contra os coxas o Luizinho...
E, depois, outra goleada, desta vez contra o São Paulo, também no estádio dos coxas:

Adriano marcou duas vezes - que fase viveu o Gabiru em 99/2000! Kelly e o zagueiro Gustavão fecharam o placar. O vídeo também mostra os gols do jogo de volta, no Morumbi.
Um belo time, que foi mantido e fez também uma bela campanha na Libertadores em 2000.
Um time que deixou suas marcas. E ídolos.

Um hit para embalar 2010

Hoje ouvi um Tim Maia e de imediato com uns amigos bolamos uma nova música pra galera cantar na Baixada ao ritmo de Descobridor dos sete mares. Segue aí:

O rubro-negro é que me guia
Com a certeza que vai ser o campeão
Seja de noite ou de dia
Saio de casa para ver meu Furacão
Pois bem, cheguei!
Esse amor é de verdade,
Atleticano é assim
Lute com raça e coragem,
Rubro-Negro, até o fim!

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Nei vai, Elias vem

Da Furacao.com e do Blog da Nadja Mauad:
Nei, o polivalente, não é mais jogador do Atlético. O Internacional-RS anunciou hoje a contratação do lateral-direita, que já está em Porto Alegre e assinará um contrato de três anos.
Fará falta.
Jogou muito bem nesta temporada, principalmente quando deslocado para compor a zaga, jogando como líbero.
Um dos jogadores mais vibrantes que tínhamos no elenco.
Infelizmente, seu procurador promoveu um leilão e inviabilizou sua permanência no Furacão. O Atlético, aliás, espera negociar 20% dos direitos econômicos do jogador com o Inter, permanecendo ainda com 20% de participação. Se o Inter não cumprir esta parte, o Atlético exercerá a prerrogativa de prorrogar o vínculo atual de Nei por mais um período.
Por outro lado, o Rubro-Negro Atlético está muito próximo de confirmar oficialmente a contratação do meia Elias junto ao xará goiano. O jogador não quer ficar somente para o Estadual e sim até o final do ano. E, para Elias ficar no Furacão até o final de 2010, o Atlético irá ceder um jogador por empréstimo. Uma lista já foi enviada ao Atlético-GO, que deve anunciar a escolha hoje. "O Atlético Goianiense ficou de escolher um jogador, já que o Elias quer ficar até o final do ano, e por isso vamos compensar cedendo um atleta. Estou aguardando para hoje a definição desse jogador para confirmar a contratação do Elias", disse o diretor de futebol, Ocimar Bolicenho.
É a primeira contratação para a próxima temporada.
Pouco.
O Atlético ainda precisa, principalmente, de um zagueiro e um atacante de ponta.
Isso só pra começar.
Se não quiser ter mais um ano de sofrimento.

sábado, 19 de dezembro de 2009

A lenda

Fazia tempo que eu não entrava no orkut. Passei por lá e descobri uma nova febre da rede. Já um mito na cidade. Trata-se do CAP Norris.
Tudo começou quando essa foto foi publicada na internet:
Reza a lenda que foi tirada no dia da partida entre Coxas x Fluminense. Impávido, CAP Norris caminha entre os coxas vândalos ostentando a camisa rubro-negra, sem ser molestado.
Várias teorias tentam desmistificar a imagem. Alegam ser uma montagem, embora o jogo de sombras de todos os que aparecem esteja em perfeita sintonia.
Bom.
CAP Norris ganhou fama.
Já aparece em 406 citações no Google.
É citado nos mais diversos fóruns de discussão e blogs, como este e este.
Ganhou comunidade no Orkut. E mais outra, "oficial".
E vitou até verbete na Wikipedia.
Agora, há quem diga que ele está em todo lugar:


E você, já cruzou com o CAP Norris pelas ruas da cidade?

Situação de Wesley será definida hoje

Do Jornal do Estado:

A situação do meia-atacante Wesley com o Atlético deverá ser definida neste sábado (19). O jogador tem os direitos econômicos presos ao Santos, que neste dia vai se reunir para analisar o elenco para a próxima temporada.

De um lado, pesa a vontade de Wesley em ficar no Atlético. Por isso, diretoria vem fazendo esforços para manter o jogador. Chegou até mesmo a oferecer dinheiro ou outros jogadores ao Santos. Wesley, que atua como meia, atacante ou ala-direito, é uma das prioridades do técnico Antônio Lopes.

De outro, o Santos sinaliza que poderá pedir seu retorno. O técnico Dorival Júnior, que assinou com o clube paulista, disse que quer contar com ele. O diretor de futebol Paulo Jamelli falou a mesma coisa. Mas a definição só deverá sair após o encontro deste sábado.

Ao mesmo tempo em que corre risco perder Wesley, o Atlético poderá anunciar neste sábado a contratação do meia Elias, do Atlético-GO. As diretorias dos dois clubes estão perto de um acordo sobre o jogador, depois de uma confusão envolvendo a negociação do zagueiro Antônio Carlos — uma cláusula nesse contrato daria aos paranaenses o direito de receber um jogador do clube goiano.

•••

Acho que seria interessante manter Wesley no elenco, principalmente por sua facilidade para jogar em várias posições - ala, meia, ataque. Bastante versátil. Um ótimo reserva, que facilita a vida do treinador na hora de mexer no time.

  • E você, o que acha? Palpite!

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

A culpa é do pão com bife

Em tempos de vereadores se metendo a burocratizar o futebol, usando a violência num jogo dos coxas como pretexto para aparecer na mídia, vale à pena repetir este texto publicado aqui no blog em março:
Por Juliano Ribas, da Furacao.com:
Adoro pão com bife. Lembro de bons pão com bife que já mandei ficha. Um deles encontro sempre no Restaurante Girassol, em Palmeira. Sempre que ia a jogos do Furacão em Ponta Grossa ou em Iraty, ou em viagens pela região, dava uma colada lá e mandava um, com ovo estalado acompanhando. Nas inúmeras viagens que faço entre São Paulo e Curitiba, encontro a iguaria bem feitinha no restaurante do posto Petropen ou no do Buenos Aires. Nesses lugares, chamam-na de “churrasco”. Sei lá porque chamam assim um sanduba de carne feita na chapa.

Não quero com este texto transformar esse amigo dos esfomeados em vilão. Não mesmo.

É que o pão com bife é um símbolo dos tempos em que os atleticanos assistiam futebol sem conforto. Quando se digladiavam para matar a fome no estádio com um pão chocho, recheado com um bifaço sola de sapato com uma bela guarnição de sebo, preparado num cercadinho de tijolos identificado com a singela placa “Bar”. Lá também encontrava-se a cerveja e o refri, dentro de latas de lixo de ferro, escondidos debaixo de grossas traves de gelo. É daquele pão com bife, que já me custou obturações no esforço em rasgá-lo e triturá-lo, que estou falando. Ele é a cara do futebol que ainda se faz no Brasil, esse país que daqui a cinco anos quer sediar uma Copa do Mundo. Um pão com bife seboso e feio.

Dentro desse cenário que ainda persiste na grande maioria dos estádios brasileiros, o governo teve a brilhante idéia de criar um cadastro de torcedores com o mimoso nome de “Torcida Legal”, que será obrigatório a partir do ano que vem, com o intuito de reduzir a selvageria que reina nos estádios e fora deles no país. É uma ideia inviável, para não dizer idiota, e que pune o bom torcedor. Mais um paliativo inócuo.

A violência no futebol não é privilégio do Brasil. Já foi um câncer na Inglaterra, o país com o futebol mais desenvolvido do mundo. Mas lá, ela foi resolvida com um plano de ações bastante eficaz, que tinha o nome pomposo de “Relatório Taylor”.

Pomposo no nome, afinal, é inglês. Mas bastante simples na formulação, afinal, é inglês.

A idéia básica partia da premissa de que é impossível se exigir um comportamento adequado em condições inadequadas. É muito mais complicado você exigir ordem social em uma favela onde faltam condições básicas de sobrevivência, por exemplo. Por isso favelas são considerados territórios hostis, não são as pessoas que lá estão que são más, mas é o ambiente que se torna propício à vilania.

A linha mestra do Relatório Taylor era: humanizar o ambiente hostil do futebol. Coisa que se faz no Atlético Paranaense desde a inauguração da Arena. Nós fizemos isso antes de todos aqui, trouxemos as famílias de volta ao campo e tratamos todos bem quando isso parecia heresia no Brasil.

Mas antes desse relatório, houve outra tentativa mal-sucedida do governo inglês
. Após uma tragédia em que torcedores do Liverpool provocaram a morte de 39 torcedores da Juventus no estádio Haysel, em Bruxelas, pela Copa dos Campeões, os clubes ingleses foram banidos por cinco anos de todas as competições européias. O Liverpool, por dez. Os ingleses, preocupados com os rumos de seu futebol, buscaram resolver o problema. E foi escrito o Relatório Popplewell. Que depois se mostrou ineficaz.

E qual foi uma das medidas desse relatório Popplewell? O cadastramento dos torcedores.

E qual foi a outra medida “inteligente” adotada nesse relatório que deu com burros n’água? Uma cerveja gelada pra quem adivinhar. A proibição do consumo de álcool nos estádios! Genial!

Esse relatório era carregado de um empedernido preconceito contra os torcedores, estereotipava o fã de futebol como rude, bêbado e mal-educado.
Os estádios passaram a ter tantas câmeras de segurança quanto o mais seguro presídio inglês. Mas ao mesmo tempo, continuavam a ser verdadeiras pocilgas.

O relatório Popplewell foi substituído. O escrito pelo Lord Peter Taylor foi adotado a partir de 1989, e o cadastro de torcedores, o “Torcida Legal” inglês, foi abandonado devido a ineficácia. Decidiram então combater as causas não os efeitos.

Foi o fim de estádios sem estrutura, com arquibancadas de madeira ou sem assentos numerados, com banheiros imundos, cozinhas podres servindo gororobas horrendas; com acessos estreitos, sujos e mal conservados e iluminados, sem distinção clara das entradas do time da casa e do visitante. A cerveja voltou a ser parte do espetáculo e fonte de renda. Quem vai ao estádio passou a se comportar como gente, pois começou a receber tratamento de gente. Foi o fim do pão-com-bife-e-sebo inglês.

Não se encontram mais hooligans na vida dos clubes. Exercitam sua selvageria apenas no submundo e de vez em quando de lá eles emergem e aparecem em jogos da seleção inglesa pela Europa. Mas o problema entre os clubes foi praticamente extinto.

Aqui, vinte anos depois do cadastro de torcedores ter sido um fracasso na Inglaterra, resolve-se adotá-lo. A cerveja, que faz parte da diversão de muitos homens de família, está proibida.
E o único clube que trata seus torcedores com respeito, ainda é, apenas e tão somente, o Atlético Paranaense.

No Atlético Paranaense a torcida já aprendeu a sentar nos lugares marcados. Já aprendeu que deve cuidar do que é seu. O ambiente é civilizado e seguro e chama as famílias aos espetáculos. Existe limpeza e conservação e a maioria da torcida zela por isso. E todo mundo sabe que não vai passar fome no estádio por nojo da comida. Ainda podemos melhorar e muito, mas dentro do mar de sebo que é o futebol brasileiro, com seus Maracanãs, Pacaembus, Coutos Pereiras, Morumbis, Fontes Novas, Beiras Rios, o Atlético Paranaense é a solidificação de um Relatório Taylor à brasileira.

Ainda bem que as ideias de Mário Celso Petraglia, o nosso Lord Taylor, foram adotadas aqui, bem no Atlético, não em outro clube. Nenhum atleticano consegue mais se imaginar em uma Baixada sem o conforto que tem hoje. Todo atleticano quando sai de casa e vai a outros estádios, sente saudades da nossa moderna Arena. Quem ainda vai à palhoça verde em Atletibas sabe do que estou falando: goteiras, sujeira, perigo de acidentes, desconforto e cheiro de urina por toda a parte. E assim é em todos os outros estádios do Brasil.

Se há violência, muito é pela forma como se trata os torcedores e os cidadãos no Brasil. E não é os fichando como bandidos ou proibindo seus justos prazeres, é que se vai melhorar o futebol brasileiro.

É preciso cortar o sebo dos nossos pão com bife.


* Nota do blog: À época, o projeto de cadastramento de torcedores proposto pelo governo federal foi tão criticada pela imprensa que levou o Ministério do Esporte a desistir da estapafúrdia ideia. Aqui, talvez pela comoção causada pela "Batalha das Coxinhas", (quase) ninguém questionou essa lei municipal horrorosa aprovada pelos vereadores a toque de caixa, como se estivessem aprovando um nome de rua, e que vai agora à sanção do prefeito Beto Richa. Que, espero, tenha bom senso para vetá-la total ou parcialmente.

Pego para Cristo

Por Juca Kfouri, em seu Blog do Juca:

Pegaram o Coritiba para Cristo? Está na Gazeta do Povo, de Curitiba.

Se pegaram, que, de fato, sirva como exemplo!

Porque não nos esqueçamos que a direção do clube subvencionava os "organizados", como confessou ao dizer que deixará de fazê-lo;

que um funcionário do clube foi preso como um dos agressores e pegou 720 dias de suspensão;

e que, como decorrência dos tumultos no gramado, uma enfermeira perdeu três dedos da mão.

E ainda há quem ache que a punição foi demasiada...

Certamente porque não foram os seus dedos.

E a errada impunidade de uns não pode servir para justificar a impunidade de outros.

•••

O senador Osmar Dias (PDT-PR) resolveu jogar para torcida.

Para a torcida do Coritiba.

E propôs que o STJD se mude do Rio de Janeiro para Brasília.

Como se a Capital Federal fosse garantia de bons modos, e não exatamente o contrário como se vê no Senado presidido por Sarney.

Ou na Câmara de Temer e no governo de Arruda, para não falar da casa da Dinda, ou dos mensalões dos tucanos, dos petistas, dos demo e por aí afora.

A solução para a Justiça Esportiva é de outra ordem.

Passa por concursos para os auditores e por tribunais de penas, com ritos sumários, como se faz na Copa do Mundo, pela Fifa, e ninguém chia, nem recorre, nem exige direito de defesa, do contraditório, ou pede efeito suspensivo.

É claro que por ser no Rio, a tendência é a do STJD ter mais gente da cidade, gente que não se constrange a julgar casos que envolvem o time do coração dela e é claro que se fosse em Brasília menos gente gostaria de fazer parte do circo.

Mas não seria a solução.

Porque o STJD é a mais perfeita herança da tradição bacharelesca e cartorial que caracteriza os usos e costumes de nossos colonizadores há mais de 500 anos.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Elias deve ser primeiro reforço para 2010

Elias ajudou o Atlético-GO a subir para a Série A.
Da Furacao.com:
O jogador Elias, destaque do Atlético-GO na Série B deste ano, deve ser anunciado, na próxima sexta-feira, como reforço do Furacão para 2010. Após muita confusão envolvendo uma possível cláusula contratual, na negociação do zagueiro Antônio Carlos, que daria ao rubro-negro paranaense o direito de receber um atleta do clube goiano, as diretorias dos dois clubes chegaram a um acordo e o meia deverá desembarcar na Arena da Baixada.
Em entrevista concedida ao jornal Gazeta do Povo, Elias revelou estar muito feliz com o interesse do Furacão e revela que já buscou informações sobre o seu possível novo clube. “Tenho as melhores informações possíveis do Atlético. Sei da estrutura muito boa, tenho muitos amigos que já jogaram aí, como o Rodriguinho, o Brasão, o Zulu e o Antônio Carlos que estiveram conosco neste ano. Sempre procurei conversar com eles sobre isso, então sei que é um lugar muito bom para jogar", conta o atleta.

Sobre o jogador

O meia Elias iniciou a carreira nas divisões de base do São Paulo e ainda como atleta amador se transferiu para o Bahia, se destacando muito nos anos de 2006 e 2008. O sucesso alcançado no clube de Salvador levou o jogador para o Rio de Janeiro, onde defendeu o Vasco e o Fluminense. Já em 2009, Elias foi considerado um dos principais responsáveis pelo sucesso do Atlético-GO na Série B do Campeonato Brasileiro.
  • E aí, é uma boa contratação? Você viu Elias jogar este ano? Opine!

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

E o Fluminense, quantos jogos pega?

Tem um detalhe da "Batalha das Coxinhas" que ficou escondido, esquecido. Ninguém deu bola. Mas, se por um lado, os coxas foram devidamente punidos pelas barbáries cometidas, por outro falou punir, também, o Fluminense. Sim, porque torcedores do time carioca também invadiram o campo no meio da confusão.
Esse vídeo, feito por um torcedor do Fluminense, mostra que pelo menos dois torcedores do tricolor invadiram o gramado e precisaram ser retirados pela polícia:

Aos 6'15 do vídeo: "o pessoal da Young Flu entrou!"
6'29: um torcedor do Fluminense é retirado do gramado
7'10: outro torcedor do Fluminense é retirado do gramado
Bom... Invasão de campo, mesmo no caso de ser por parte de torcida visitante, também rende perda de mando, ou não? Por causa da invasão de um único torcedor no Morumbi, na partida contra o Internacional, no returno do Brasileirão, o São Paulo foi condenado com a perda de um mando de campo e multa de 10 mil reais.
A imagem tá aí. O Fluminense não merece, também, ao menos a perda de um mando no Brasileirão 2010? Merece sim, porque os palhaços não tinham nada que estar dentro de campo arrumando confusão. E porque esse é um timeco que ainda deve muito para o futebol brasileiro, de tanta picaretagem feita no passado.
Com a palavra, o STJD.

Atlético se livra de Danilo e ainda fatura 1 milhão de euros

Da Furacao.com:
O Palmeiras tinha como data limite o dia de hoje (ontem) para exercer o direito de compra do zagueiro Danilo, e não deixou a oportunidade passar. O beque foi adquirido em condições um pouco diferentes das que estavam no contrato firmado anteriormente. Pelo acordo estabelecido, o Furacão vendeu o jogador por 1 milhão de euros, e ficou com 20% dos diretos econômicos do jogador em uma futura transferência.

Vem mais falácia por aí

Prepare-se para se encarar filas ainda maiores do que já enfrenta habitualmente para entrar num estádio de futebol.
É que a busca dos políticos oportunistas por holofotes não tem limites.
E, como sempre acontece logo após alguma tragédia no futebol, aproveitando-se da confusão na partida entre Coritiba e Fluminense três vereadores de Curitiba inventaram mais uma medida supimpa: o cadastramento dos torcedores que forem aos estádios de Curitiba com capacidade para mais de 15 mil pessoas.
A ideia do cadastro, por si só, não é de todo estapafúrdia; faz até certo sentido, pois facilita todavida na hora de procurar posteriormente por algum envolvido em confusão.
Mas a forma como as coisas são aprovadas por aqui, a toque de caixa, sem discussão alguma com a sociedade, sem se observar previamente qual é o cenário real, sem a apresentação de algum único estudo que traga dados importantes, sem porcaria nenhuma... isso sim, torna a ideia estapfúrdia.
O projeto dos vereadores Juliano Borghetti, Roberto Aciolli e Tico Kuzma, aprovado ontem em primeiro turno, prevê que os torcedores serão cadastrados no ato da compra dos ingressos, mediante a apresentação de um documento oficial de identidade e a informação de seu respectivo endereço. Não será permitida a venda de ingressos a pessoas que não forem cadastradas. Os torcedores integrantes de Torcidas Organizadas serão cadastrados mediante documento oficial de identidade, comprovante de endereço, certidão de antecedentes criminais e biometria.
Pela lei, os estádios de futebol terão que ter monitoramento por imagem das catracas e instalação de equipamentos de gravação fotográfica do rosto, a fim de identificar os torcedores e relacioná-los com o ingresso adquirido. As informações gravadas deverão ser preservadas pelo prazo de 30 (trinta) dias , a fim de instruírem eventual inquérito policial, administrativo ou ação judicial.
O problema principal está no que a lei não prevê:
1)
Num clube como o Atlético, 90% dos lugares no estádio são exclusivos dos sócios, que já são cadastrados previamente pelo clube e inclusive têm cadeira própria na Baixada, com nome escrito e tudo o mais. Esses torcedores também terão que ser cadastrados novamente a cada partida? Se a resposta é sim, então vos digo: essa lei é idiota.
2)
Como vão identificar, na hora da venda do ingresso, ali na bilheteria, no sufoco, com 500 negos na fila pra comprar uma entrada, se o cidadão é de torcida organizada, pra pedir a ele uma pá de documentos, até atestado de antecedentes criminais? Perguntando gentilmente "por favor senhor, o senhor é sócio de alguma torcida organizada?". Ou todo mundo que estiver vestindo uma camisa da organizada (tenho uma velha de guerra da Fanáticos que gosto de usar vez em quando) vai ser fichado como sócio de torcida, mesmo sem sê-lo? Bizarro. Qualquer que seja a resposta, vos digo: essa lei é idiota.
3)
Se um parente lá de Astorga quiser vir assistir a um jogo e pedir que eu compre ingresso pra ele, como faço para cadastrá-lo, sem ter sua identidade aqui? Poderei comprar, apenas informando o nome da pessoa, endereço e o número do RG? Se sim, essa lei é uma falácia, porque posso inventar um monte de nomes e RGs; se não, essa lei também é idiota, porque agora é que nenhum torcedor de outra cidade poderá vir mesmo a um jogo dos times daqui.
4) A lei vale apenas para curitibanos ou vale também para as torcidas de outros estados que vêm aos nossos estádios? Deve valer, não é? Então me digam: como acompanhar a venda de ingressos que o Corinthians solicita pra vender lá em São Paulo diretamente para os Gaviões? Ou pra torcida do Palmeiras? Ou para os gaúchos? E como identificá-los aqui? E os que forem de organizadas, trarão na mala seus atestados de antecedentes criminais? Bullshit!
5) A lei diz que os estádios terão de ter monitoramento por imagem das catracas e instalar equipamentos de gravação fotográfica do rosto, a fim de identificar os torcedores e relacioná-los com o ingresso adquirido. Pombas, quanto tempo vai levar pra fotografar todo mundo que passar pelas catracas? Num jogo para 30 mil pessoas, por exemplo? Que leve um minuto para cada torcedor: são 30 mil minutos! 5oo horas! Isso sendo otimista. Digamos que haja 50 catracas no estádio. São 10 horas pra entrar todo mundo. A conta não fecha. Fizeram algum estudo nesse sentido? Imagine num jogo de domingo às 16 horas. Sendo que todo mundo almoça com a família pelo menos até as 14 horas; 14h30; 15 talvez. Hoje já é uma confusão pra entrar no estádio todos ao mesmo tempo, calcule com registro fotográfico e comparação com o endereço e o escambau. Ou então numa daquelas partidas às 19h30. Sendo que 99% das pessoas saem do trabalho às 18 horas. No que é que isso vai dar? Em merda, é claro.
Engraçado. Se estamos falando no bem-estar e na segurança do torcedor, porque é que político algum jamais se manifestou contra a barbaridade de termos partidas começando às 21h50 e terminando por volta de meia-noite, quando quase não há mais transporte público disponível e os torcedores que em sua maioria trabalham cedo no dia seguinte ficam mais facilmente à mercê de assaltos? Sobre isso, nenhum político abre a boca.
O combate à violência nos estádios é assunto sério e que precisa realmente de medidas que efetivamente diminuam conflitos. O que for realmente sério terá o apoio dos torcedores, mas não me venham com mais um embuste como já foi a proibição da venda de cerveja.
E é o que parece ser esse projeto de três vereadores que juntos não devem ter pisado mais do que meia dúzia de vezes num um estádio de futebol. Burocratas provincianos e aproveitadores que querem burocratizar também o nosso futeba.
Ora, se querem mesmo diminuir os conflitos e também o trabalho da polícia, que implantem de vez as partidas com torcida única aqui na cidade, ou no estado, ou mesmo no país todo. Olha só todo o aparato necessário para receber torcedores de fora, acompanhá-los em caminhada até o estádio, parando o trânsito da cidade; vigiando-os durante as partidas - ou mesmo protegendo-os, em alguns casos -; escoltando-os após a partida e intervindo em brigas. Uma só medida poria fim a isso tudo, sem burocratizações idiotas.
Mas não.
Bom mesmo vai ser colocar uns lambe-lambes nas catracas. E botar mais alguns encargos nas costas dos nossos clubes.
  • Para ler a íntegra do projeto, clique aqui.
  • Para mandar um e-mail a um destes três vereadores ou para qualquer outro, clique aqui. O projeto irá a votação na Câmara de Curitiba, em segundo turno, nesta quarta-feira (16).

Perdendo a cabeça

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Pena máxima aos coxas: que sirva de exemplo

Os auditores da da 2ª Comissão Disciplinar do STJD puniram por unanimidade o Coritiba com a perda de 30 mandos de campo e multa de R$ 610 mil, devido aos distúrbios ocorridos após o jogo com o Fluminense, cujas cenas ganharam o mundo. Além disso, o ultrapassado estádio Couto Pereira será interditado até serem atendidas melhorias de segurança a serem determinadas pela CBF. Somente após cumprida esta parte da pena é que passa a valer a cassação de 30 mandos, válida para os jogos da Série B e da Copa do Brasil.

Os coxas ainda vão recorrer ao pleno do Tribunal, e normalmente nessa instância as penas são abrandadas. Mas, devido à comoção que o caso causou e à força das imagens registradas dentro do campo de jogo, com tamanha destruição da frágil estrutura do estádio, é muito provavel que mantenham a sentença próxima da pena máxima.

Que a severidade da punição sirva de exemplo às torcidas. Aos coxas, que costumeiramente tratam os visitantes debaixo de pedradas (como bem mostra este vídeo feito pela torcida do Fluminense), e eu já vi isso acontecer in loco; à polícia militar, que, como mostra o mesmo vídeo, fica assistindo passivamente até a situação quase ficar fora de controle; aos torcedores dos demais times e, isso sim que nos interessa, aos atleticanos.

É difícil educar todo um povo, e muitas vezes isso só acontece após algum tipo de punição. Foi a muito custo que pararam de arremessar copos ou papéis para o gramado da Baixada. Mesmo que a intenção não seja atingir ninguém. Hoje em dia, isso é um problema que não ocorre mais.

E não me venham com essa história de que o fosso do pinga-mijo é pequeno demais para evitar invasões, que é preciso cercá-lo com grades, arames, etc. O Atlético está provando que não é preciso nada disso. Deste a metade deste ano há um setor na Baixada em que não há sequer fosso fazendo a separação entre a arquibancada e o campo - apenas uma mureta de vidro.

É preciso, isso sim, dar conforto e segurança aos torcedores.

E tirar de circulação aqueles que na verdade não são torcedores porra nenhuma. Aquela turma de "zona", que chega fazendo arruaça e que muitas vezes nem entra no estádio, só quer ver o circo pegar fogo mesmo.

De qualquer maneira, a partir de agora é bom tomar cuidado redobrado. Com a vinda da Copa, a justiça desportiva certamente estará mais severa com episódios antidesportivos nos estádios. E quem paga o pato é o clube.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

TOF será tema do Círculo de História

Da Furacao.com:
A história da Torcida Os Fanáticos será o tema amanhã do 10º Encontro do Círculo de História Atleticana. Devido à forte chuva na reunião anterior, o debate continua nesta terça-feira, dia 15. O evento ocorre das 19 às 22h, no Artha Gastronomia (Rua Mateus Leme, 2823 – São Lourenço). O encontro contará com a presença do professor e historiador do clube, Heriberto Ivan Machado, além de Renato Sozzi, primeiro presidente da organizada.

Este será o segundo de uma série de cinco encontros alternados sobre as torcidas organizadas atleticanas.

Para participar do encontro é indispensável a confirmação de presença por e-mail (circuloatleticano@yahoo.com.br) até esta segunda-feira, dia 14/12. As vagas são limitadas e não há custo para participação.

domingo, 13 de dezembro de 2009

Diagnósticos

A Gazeta do Povo publica neste domingo um interessante diagnóstico sobre o fracasso do futebol paranaense nas últimas temporadas. A análise mais clara é que falta grana para competir com os clubes de Rio, São Paulo, Minas e Rio Grande do Sul. Somente em cotas de TV, Atlé­tico (R$ 12,9 milhões) e Cori­­tiba (R$ 12,6 milhões) recebem um terço do destinado ao Flamengo (R$ 36 milhões) e metade do que Grêmio e Internacional, por exemplo.

Diferença na divisão das cotas de TV é enorme. E fica ainda
maior se se levar em conta os valores dos patrocínios.
O Furacão, porém, destaca-se dos rivais num quesito: a estrutura. E é por aí que pode, segundo a reportagem, se distanciar ainda mais:

Trabalhar a infraestrutura é parte fundamental no processo de maximização das receitas dos clubes. Dificuldade até para as maiores equipes do país, como Flamengo e Corinthians, a estratégia foi adotada com êxito no estado. Único clube na Primeira Divisão, com o CT que receberá a seleção brasileira antes da Copa da África e com o estádio sede da Copa do Mundo de 2014, “o Atlético está com tudo”, resume Carneiro Neto.

Diante desse panorama favorável, o Rubro-Negro planeja outras diversas iniciativas: novas embaixadas no país e no exterior, mais es­­colinhas de futebol e uma escola de ensino fundamental e médio para a comunidade.

“Estamos com projetos para serem aprovados e outras iniciativas sociais. A intenção é abrir um leque além do clube”, explica o responsável pelas relações internacionais do Furacão, Paulo Rink. Consolidado o investimento no patrimônio, ele prevê maior foco na parte técnica e possibilidade de resultados expressivos em campo.

“O momento é muito favorável. Podemos aumentar a distância dos nossos coadversários. Almeja­­mos também algo mais vantajoso em relação ao marketing e patrocínio, pois somos a única equipe na Série A”, acrescentou.

Atlético tem a maior torcida e o maior número
de sócios dentre os clubes paranaenses.

Agora que somos o único paranaense na elite, a torcida espera que, além de se diferenciar pela torcida e pela estrutura, o Furacão conquiste títulos e volte a fazer boas campanhas nas competições mais importantes.
Esse é o caminho para se consolidar e, por óbvio, pleitear também mais recursos com cotas de TV e patrocínios.
O que os times do eixo mais querem é que continuemos a posar de coitadinhos.
Apenas títulos e boas campanhas nacionais podem mudar esse cenário, e criar um círculo virtuoso: mais títulos, mais torcida, mais recursos, mais jogadores, mais títulos...
Só assim poderemos falar de "grande" para "grande" com os times do eixo.

sábado, 12 de dezembro de 2009

Vândalos enjaulados

O Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) prendeu na manhã de hoje 15 envolvidos com o quebra-quebra de domingo passado, após a partida entre Coritiba x Fluminense. Entre eles, o Osvaldo Porks Dietrich, funcionário do clube, e "responsável pela segurança" nos jogos do time, e o vice-presidente da torcida organizada dos coxas.
Não creio que a solução para a violência no futebol seja extinção das torcidas organizadas.
Mas sim a punição exemplar aos envolvidos em confusões.
A polícia civil do Paraná deu um ótimo exemplo desta vez, identificando, localizando e prendendo os vândalos.
Que agora o poder judiciário também o faça.
E que esses caras sejam obrigados a limpar banheiro de delegacia em todos os dias em que houver uma partida de futebol em Curitiba nos próximos 5 anos, pelo menos.
E que, a partir de hoje, isso aconteça com qualquer babaca envolvido em confusões em estádios de futebol. Em qualquer estádio, inclusive na Baixada, se for o caso.
Algo que já deveria estar acontecendo há anos.

Se a lei fosse cumprida e os vândalos presos, há muito tempo já não assistiríamos mais a cenas como as de domingo passado.
* * *
A propósito, endosso integralmente as observações do jornalista Décio Lopes, em seu blog expresso da Bola:
1)
Não acho que as organizadas devam ser banidas. Este é um país livre e qualquer um pode andar com quem bem entender, desde que não esteja envolvido em atividades criminosas. As torcidas podem estar na arquibancada, fazendo festa, como qualquer um de nós. Mas, se envolvidos em qualquer problema, devem ser punidos com o o rigor da Lei (assim como qualquer um de nós).
2) É preciso acabar IMEDIATAMENTE com as estranhas relações das diretorias dos clubes com estes grupos. ISSO NÃO PODE ACONTECER. Todos sabemos que hoje em dia, em muitos casos, os líderes das facções viraram profissionais e vivem disso (o que, claro, é uma aberração).
Todos sabemos que hoje em dia, em muitos casos, algumas torcidas funcionam como milícias, a serviço de dirigentes que (por opção ou ameaça) as sustentam. Mais ou menos como eram as SA de Hitler – mais tarde transformadas nas SS. Definitivamente não é um bom paradigma.
Que os horrores vistos no Couto Pereira sejam o começo do fim para a impunidade nas arquibancadas.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Atlético pega o Vilhena na Copa do Brasil

Da Furacao.com:
O primeiro adversário do Atlético na Copa do Brasil 2010 será o Vilhena Esporte Clube, de Rondônia. A tabela da primeira fase do torneio
foi divulgada nesta sexta-feira pela CBF.
O jogo
de ida está marcado para o dia 10 de fevereiro, uma quarta-feira, no Estádio Portal da Amazônia, na cidade de Vilhena, que fica 630 km ao leste da capital Porto Velho.
Vilhena tem 70 mil habitantes e é a trigésima cidade mais populosa da Região Norte. Portal da Amazônia é um dos apelidos do município em razão de sua localização na entrada da região amazônica. O Aeroporto Brigadeiro Camarão opera voos da companhia aérea TRIP.

Um dado curioso é que a cidade foi colonizada por muitos paranaenses. Por isso, aproximadamente um quinto da população de Vilhena é de paranaenses - muitos dos quais, torcedores do Atlético. Há até uma Embaixada Furacão na cidade. O embaixador rubro-negro em Vilhena é Rodrigo Santos e pode ser contatado pelo endereço
vilhena@embaixadorfuracao.com.br.
A influência do Paraná se estende também ao futebol. O técnico do Vilhena é o paranaense Ivair Cenci, que já dirigiu o Paranavaí e o Grêmio Maringá.

Vilhena Esporte Clube

O Vilhena Esporte Clube, também popularmente chamado de VEC, é o representante da cidade no Campeonato Rondoniense. Fundado em 1991, o time foi campeão estadual em 2005 e em 2009, razão pela qual obteve vaga para a Copa do Brasil do próximo ano. É o clube rondoniense que detém a melhor média de público em seus jogos. O uniforme é inteiro vermelho.

O "Lobo do Cerrado" já participou duas vezes da Copa do Brasil. Em 2006, foi eliminado no primeiro jogo depois de uma derrota por 4 a 1 para o Fortaleza. Em 2009, perdeu em casa por 2 a 1 para a Ponte Preta e foi eliminado depois de uma goleada por 6 a 1 em Campinas.

O time manda seus jogos no Estádio Portal da Amazônia, que tem capacidade para 4 mil pessoas, mas já recebeu quase 6 mil torcedores no jogo contra o Fortaleza, na Copa do Brasil de 2006.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Aos coxas (VI)

É.
O mundo dá voltas...

Malucelli: “Queremos jogadores que cheguem para ser titulares”

Do Jornal do Estado:
O presidente do Atlético, Marcos Malucelli, falou ontem sobre a reformulação do elenco para 2010. Ele descartou a possibilidade de contratar o atacante Perea, do Grêmio, e do volante Andrade, do Sport. E avisou que apenas um ou dois atletas com empréstimos encerrando em 2009 serão aproveitados no próximo ano.
Malucelli também avisou que só contratará “reforços mesmo”. “Para disputar posição, já temos vários. Queremos jogadores que cheguem para ser titulares”, disse, para a rádio Banda B.

Para definir essas contratações, o dirigente contou que está esbarrando nos altos valores dos salários. “Estamos em conversações com diversos dirigentes, mas não temos nada oficializado”, declarou. “Para trazer reforços não é difícil. O problema é conseguir acertar com o reforço a pretensão salarial. Há jogadores que nos foram oferecidos, mas os salários e as luvas são extraordinários. Não temos condições de trabalharmos com esses valores”, comentou.

“Há poucos dias ouvi que Washington e Borges estavam sem contrato. Fui ver como poderiam vir. E saiu na imprensa, não é mais segredo, que o Washington ganha R$ 180 mil no São Paulo”, afirmou. “E o Borges está nessa faixa. São salários inatingíveis para o futebol paranaense”, argumentou.

Os maiores salários do Atlético, segundo a revista Placar, são de Paulo Baier e Alex Mineiro, que ganham R$ 100 mil mensais, cada.

Sobre os jogadores que estão emprestados para outros clubes, avisou que apenas um ou dois serão aproveitados em 2010. Alan Bahia, que está no Vissel Kobe, do Japão, provavelmente será vendido ou emprestado para outra equipe. “Tem proposta do Grêmio por ele. Estamos analisando. E temos que ver se interessa ao jogador”, declarou Malucelli.

O meia-atacante Ferreira, emprestado ao Dallas, não volta ao Atlético. “O Dallas já avisou que vai exercer a opção (estabelecida em contrato) de emprestar o Ferreira por mais um ano”, contou o dirigente, que não citou valores. O clube norte-americano pagaria ao Atlético R$ 1,7 milhão pela renovação contratual.

Outros jogadores com empréstimo encerrando em 2009 são os zagueiros Antonio Carlos (Atlético-GO) e Danilo (Palmeiras), os volantes Roberto (Caxias) e André Rocha (Dallas), os meias David (Náutico) e Kaio (Cerezo Osaka) e os atacantes Fernando Mineiro (Ferroviária), Willian (Vila Nova-GO), Ricardinho (ABC-RN) e Ricardinho “Rei do Drible” (Jeju United, da Coréia do Sul).

Valencia e Galatto podem ser liberados

O presidente do Atlético explicou que o volante Valencia e o goleiro Galatto poderão deixar o clube, caso recebam propostas de clubes do Exterior. “Ao Valencia, prometemos ainda na diretoria anterior, que se houver proposta de fora, será liberado. Ele é um atleta exemplar e fez essa solicitação quando da renovação do contrato. Mas até o momento não há proposta por ele”, disse. “O Galatto é a mesma situação. Mas também não temos proposta por ele”.
Ronaldo

O zagueiro Ronaldo, 20 anos, dificilmente permanecerá no Atlético em 2010. Ele tem contrato até maio. A legislação permite que o jogador assine um pré-contrato com outra equipe seis meses antes do término do vínculo. O Atlético tentou renovar com o atleta, mas não conseguiu. “Não chegamos a um acordo com ele”, disse o presidente Marcos Malucelli. “Todos os jogadores promovidos das categorias de base tem o mesmo salário. E estabelecemos uma planilha de salários, com objetivos. Quando cumpre objetivos, vai aumentando o salário. Mas o Ronaldo não quis. A pretensão dele é bem superior a dos companheiros”, lamentou o dirigente.
Danilo

O empréstimo do zagueiro Danilo ao Palmeiras termina no final de 2009. Se quiser ficar com o jogador, o clube paulista precisa pagar 1,5 milhão de euros. O Atlético já avisou que não quer jogadores como parte do pagamento. Caso o Palmeiras não feche a negociação, Danilo será vendido a outro clube.

Jornal da Globo denuncia Porks

Finalmente. três dias após a Batalha das Coxinhas, o episódio mais violento da história do futebol paranaense, um veículo de comunicação denunciou a participação de Osvaldo Dietrich no quebra-quebra.
Dietrich, mais conhecido como Porks, é funcionário do Coritiba e ex-presidente de torcida organizada dos coxas.
Já tínhamos mostrado aqui no blog que ele foi um dos responsáveis por promover a confusão.
Desta vez, o chumbo foi bem mais grosso: a denúncia foi feita pelo Jornal da Globo, em cadeia nacional.
Agora, meus amigos, a chapa deve esquentar pro lado do Porks e do próprio Coritiba.
Até porque, segundo a reportagem, a diretoria do Coritiba não só confirmou que Osvaldo Porks trabalha no Departamento de Marketing do clube como admitiu que ele também "tem a função de organizar a segurança dentro de campo".
Ora, se o funcionário designado pelo clube para organizar a segurança no campo foi justamente o comandante do quebra-pau, então como o clube vai alegar então, em sua defesa, que "tomou todas as medidas para evitar aquela situação e depois, para tentar minimizá-la"?
Vê-se bem, pelas imagens, o quanto o Porks trabalhou duro para minimizar a situação...
  • Para ver a reportagem do Jornal da Globo, clique aqui.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Encontro do Círculo de História é adiado

A Milla escreve para avisar que o encontro do Círculo de História Atleticana, que aconteceria hoje, foi adiado para a próxima terça-feira, dia 15. Mesmo horário e local. O convidado Renato Sozzi, ex-presidente da Fanáticos, teve imprevistos e não pode comparecer hoje.
Mais informações no site do Círculo.

Furacão sonda o mercado latino

Da Gazeta do Povo:

Está difícil contratar. A afirmação não é nova e é recorrente em clubes de todo o Brasil. Assim, só resta aos dirigentes buscar alternativas. A realidade não deixa o Atlético de fora desta dificuldade em trazer reforços para 2010, mas a diretoria tem um trunfo a seu favor: buscar bons nomes nos países vizinhos. É a tática que “habla es­­pañol” e já funcionou em um passado recente pa­­ra o Fu­­racão.

Os colombianos Viáfara, Marín, Valencia e David Ferreira, o panamenho Baloy, e o peruano Lobatón são apenas alguns nomes de jogadores que vieram e conseguiram marcar os seus nomes da história rubro-negra. Para 2010, a diretoria atleticana não gostou do que ouvir nas suas mais recentes consultas a jogadores do futebol nacional, e a “inflação” causada por algumas pedidas pode facilitar a chegada de nomes vindos de fora, sobretudo da América do Sul.

Ainda neste ano o Furacão sondou o atacante uruguaio Sebastian Balsas, porém o negócio não evoluiu. Segundo a reportagem da Ga­­zeta do Povo apurou, o nome mais recente a ser sondado na semana passada seria o de um za­­gueiro argentino. O diretor de futebol do clube, Ocimar Boli­cenho, confirmou a sondagem a este e outros jogadores de fora.

“Temos um exemplo claro no clube que foi a vinda do Valencia. Na Colômbia (atuando pelo Amé­­rica de Cali) ele ganhava US$ 7 mil (cerca de R$ 12 mil) e este é um salário totalmente com­­patível”, explicou o dirigente, que voltou a afirmar que a procura do Atlético passa, prioritariamente, pelo setor de criação e de ataque.

Os bastidores de uma queda anunciada


O vídeo mostra uma reunião da diretoria do Coritiba logo após o re-rebaixamento para a segundona, no domingo. O clima extremamente pesado. A indignação do presidente talvez explique porque, até agora, ninguém da diretoria apareceu para dar uma entrevista sequer sobre o ocorrido.
* PS: Meus amigos, garanto a vocês que estou tentando mudar de assunto nos posts, mas tá difícil. A cada hora surge uma piada nova, uma imagem, um vídeo. Acho que essa febre da rebaixamentomania ainda vai durar mais uns 100 anos! Maldição!
** PS2 - Esta obra-prima é de autoria do brilhante Campelo.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

O sétimo melhor na era dos pontos corridos

Da Furacao.com:
O Furacão é o sétimo melhor time na era dos pontos corridos do Campeonato Brasileiro. Ao todo, 36 equipes disputaram a Série A desde 2003. Dessas, apenas oito estiveram nas sete edições. São elas: São Paulo, Internacional, Cruzeiro, Santos, Goiás, Flamengo e Fluminense, além do próprio Atlético.
Nesse período, foram disputadas 286 partidas. O Rubro-Negro venceu 112, empatou 67 e perdeu outras 107. O aproveitamento do Furacão é de 46,9%. O time da Baixada marcou 435 e sofreu 410 gols.
A melhor campanha atleticana na era dos pontos corridos foi em 2004. Na ocasião, o Rubro-Negro ficou com o vice-campeonato e teve 62,3% de aproveitamento. Já em 2008, o Furacão conquistou apenas 39,4% dos pontos que disputou e terminou na 13ª posição.
Confira a classificação da era dos pontos corridos:

São Paulo – 513

Internacional – 459
Cruzeiro – 458
Santos – 455
Flamengo – 419
Goiás – 419
Atlético-PR – 403
Fluminense – 384
Palmeiras – 378
Corinthians – 363
Grêmio – 341
Figueirense – 335
Atlético-MG – 331
Vasco – 317
Botafogo – 316
Coritiba – 282
Paraná – 281
Juventude – 266
São Caetano – 215
Ponte Preta – 204
Vitória – 204
Paysandu – 146
Fortaleza – 142
Sport – 134
Náutico – 131
Criciúma – 110
Guarani – 110
Avaí – 57
Barueri – 49
Bahia – 46
Brasiliense – 41
Santo André – 41
Portuguesa – 38
Ipatinga - 35
Santa Cruz – 28
América-RN – 17

A pergunta do dia

O Ministério Público e a CBF não garantiam que a violência iria diminuir com a proibição da venda de cerveja nos estádios?

As piadas não param

Até o KibeLoco tirou uma casquinha dos coxas: "Koritiba Kid e a indefensável garra da gazela rebaixada"... kkkkkkkkkkkkk

Clique para ampliar.
Esta outra, que mostra a coxinha exibicionista, circula por e-mail:
Clique para ampliar.

Aos coxas (V)

A profecia se concretizou

Se der tudo certo, terminado o Brasileiro cada um pegará uma marreta e ajudará a derrubar o estádio”.
Foi o que disse, em fevereiro, o vice-presidente dos coxas, Marcos Hauer.
E não é que foi isso mesmo que aconteceu???
* Dica do Campelo, no twitter.

Aos coxas (IV)

Atlético inicia planejamento para 2010

Da Furacao.com:
Apesar do empate em 0 a 0 com o Barueri neste domingo, em Presidente Prudente, resultado que tirou o Atlético da Copa Sul-Americana, os jogadores do Furacão mostraram-se esperançosos para a próxima temporada. Sem se lamentar, os atletas destacaram o bom final de Campeonato Brasileiro, que acabou salvando os rubro-negros do rebaixamento.
"Fico feliz pela doação, todo mundo se movimentou. Foi um bom jogo
, mas esse calor atrapalhou um pouco. Pelo campeonato que a gente fez, foi muito bom esse final de ano", disse o meia Netinho.
O técnico Antônio Lopes, com sentimento de dever cumprido, já traça metas para sua equipe no próximo ano.
Além disso, o Delegado destacou a necessidade de um bom começo no Brasileirão para atingir ambições maiores, como a Libertadores da América.
"Todo clube que quer ganhar e aspirar por uma vaga na Libertadores tem que começar bem nas primeiras rodadas. Tudo bem que existem exceções, mas se nós formos bem desde o início, já facilita muito conseguir algo maior dentro de uma competição nacional", finalizou.

Reforços

O diretor de futebol do Furacão, Ocimar Bolicenho, mostrou-se otimista para a formação do elenco na próxima temporada. Bolicenho comentou também a permanência do Atlético Paranaense na primeira divisão do Campeonato Brasileiro. "Foi um esforço muito grande permanecer na primeira divisão. Gostaria de agradecer a todos os jogadores que lutaram neste ano aqui", disse o diretor.

"Nós devemos ter algumas alterações para o elenco e vamos enxugá-lo também para 28 jogadores. Esperamos que algumas caras novas aparecem para a próxima temporada", avisa o diretor.

E Ocimar Bolicenho acrescentou: "Tivemos alguns jogadores que não renovaram o contrato, como o Everton, Brasão, Rodrigo Tiuí e Rafael Miranda, e temos outra lista de jogadores que deverão ir para outro time ou entrar em negociações nesta busca de reforços também. Então teremos cerca de cinco ou seis caras novas no elenco do Atlético Paranaense para o próximo ano".

Esperançoso em atender o pedido de reforços feito pelo comissão técnica, Bolicenho alerta. "O mercado está assustador. Mas é normal hoje em dia que os jogadores peçam altos salários, porém, eu acho que o Atlético tem condição de atender o pedido feito comissão técnica para construirmos um elenco forte para 2010", finalizou o dirigente atleticano.

Mais do Porks

O programa Redação SporTV desta manhã dedicou mais espaço à pancadaria dos coxas do que para o título do Flamengo. Vergonha nacional. E destacou a participação de Osvaldo Dietrich, o "Porks", funcionário do Coritiba, que aparece por diversas vezes no vídeo partindo para a briga. Como bem lembraram no programa, inclusive portando o crachá do clube. E mostraram mais estas imagens envolvendo o cidadão, que eu nem tinha reparado ontem:






Segundo o jornalista paranaense Jason Goulart, que entrou ao vivo no programa, a Polícia Militar já solicitou à SporTV todas as imagens da confusão para identificar possíveis responsáveis.
Bom, um já está identificado. Talvez o principal deles, porque não se trata de um vileiro de torcida organizada, mas de funcionário do clube com status de gerente.
Já vou enviar estas imagens à PM.
Envie você também.

O grande hit de 2010


Meus amigos, este será o grande hit dos estádios paranaenses em 2010. Principalmente quando o Atlético for jogar contra coxas e parasitas.
O vídeo acima, coincidentemente, foi gravado numa partida do Flamengo justamente contra os coxas (seria premonição?).
Como nenhum carioca foi rebaixado, tomamos a liberdade de adaptá-la para a realidade do futebol paranaense. Vá aprendendo a letra desde já!

Êeeeee! Vão sifudê na série B!
Vão sifudê na série B!
Vão sifudê na série B!
Vão sifudê na série B!
Eeee o Rubro-Negro é de primeira

E vai lutar para ser bi
E a coxarada já caiu
E a favela não vai subir
Êeeeee! Vão sifudê na série B!

(...)

Humor é o que não falta

Navegando esta noite, me rachei de rir com as piadas postadas em blogs, fóruns e no twitter. No microblog, as melhores foram o @lula dizendo que "Nunca dantes na história deste país um time foi rebaixado no ano do centenário" ou a paródia da canção do Silvio Santos: "O Time do Vovô não sobe mais // O Time do Vovô não sobe mais! // Apesar de fazer muita força // O vovô foi passado pra trás!". Outros faziam alertas à população: "Por favor não saiam de suas casas, porque essa confusão só vai terminar na segunda!"... E por aí vai.
E nos fóruns do CAP encontrei piadas ainda mais elaboradas, com imagens e tudo o mais. Aí vão algumas delas pra começar a semana rindo. E, se você quiser, não perca tempo: escolha uma, copie e mande para um coxinha.

A nova Linha Centenário-Alto da Glória só funciona na segunda...

A Casa Di Frango comprou o namming rights do novo clássico da Série B: Coxa x ASA.

Rumo ao bi... da segundona!

A fantástica campanha de marketing promocional também foi satirizada.

Pensa que acabou? Que nada! O quebra-quebra após o jogo, apesar de lamentável, também virou piada:
- Quem aí é da segundona? - Eu! Eu! Eu! Eu também!

O Coritiba aproveitou o fim do campeonato para iniciar a demolição do Pinga-Mijo...

Sem comentários... hehehehe

Coitado do cão! Terão que sacrificá-lo!