terça-feira, 11 de novembro de 2008

Netinho abre o jogo

A fase melhorou muito, se for ver o que era o time do Atlético há um mês, um mês e meio atrás dá pra ver que é totalmente diferente. Não só o time dentro de campo, mas a atitude, a cara que esse time estava demonstrando e isso transparece até na torcida que tem comparecido mais, que tem nos apoiado mais. Um exemplo disso foi essa partida agora diante do Figueirense, a gente passou por uns seis ônibus de torcedores indo lá nos apoiar e isso é muito importante.”
Geninho é um cara muito bom, ele é a cara do Atlético, a torcida gosta muito dele e ele conseguiu mexer com o nosso brio. Se tem uma pessoa que é a grande responsável pela mudanças essa pessoa é o Geninho.”
O Moraci é um sujeito que dispensa comentários, ele participou de seis Copas do Mundo, tem um currículo muito bom, é um cara que chegou pra somar, pra ajudar e em momento algum se colocou como o dono da verdade, como arrogante que sabe tudo, ele sempre mostrou que veio trabalhar junto com a gente.”
O fator apoio do torcedor é fundamental para essa reação do Atlético. Aliás, deixo claro que ela nunca deixou de nos apoiar, mas nessas últimas partidas ela foi fundamental, dentro de casa melhoramos muito, quer seja no jogo contra o Cruzeiro ou mesmo contra o Sport que a gente não teve, e sabe que não esteve bem, mas ela apoiou, não foi embora, ficou nos apoiando, não vaiou, acreditou num gol no finalzinho e foi o que aconteceu.”
As frases acima são do meia-ala Netinho, peça fundamental para a recuperação do Atlético no Brasileirão, em entrevista exclusiva à Furacao.com. Para ler a íntegra, clique aqui.

Um comentário:

Anônimo disse...

Guerrilheiro posta este texo que eu li no site da Fanaticos mas que é do Ricardo Deverson do Carmo que escreveu para Furacao.com

Que torcida é essa...

Que numa tarde de domingo do mês de maio, lota seu estádio, e mesmo sabendo que está em desvantagem, apóia, grita, canta, manifesta, emociona, ganha o jogo, perde o campeonato, mas não perde o brio, canta novamente, aplaude, chora e faz chorar, orgulha e faz se orgulhar.

Que torcida é essa que não se abate nunca, que da a resposta nas horas mais difíceis, que é chamada de falácia e responde em números, em cantos, em bandeiras, em mosaicos, em festa... que torcida é essa.

Que torcida é essa que quebra paradigmas, que alcança marcas incríveis, 10, 11, 12mil torcedores apaixonados, dedicados, que vê um time decadente, indecente, vê seus ídolos indo embora em troca de dinheiro, ouve promessas, não vê o cumprimento delas, ouve desculpas e não sente sinceridade nelas. vê jogadores ficando, vê jogadores chegando, vê jogadores perdendo, vê pessoas perdendo a honra.

Que torcida é essa que não desiste, que aumenta os números que quebra recorde 13,14, 15mil guerreiros,cobrando, pedindo, implorando, empenho, dignidade, raça, vergonha na cara, que torcida é essa, que continua sua batalha, que continua sua luta, não esmorece.

Que torcida é essa que é humilhada é pisoteada, e nesses momentos difíceis, se une, e se fortalece, leva na alma um orgulho e uma força jamais vista, e poucas vezes lembrada, cresce, 16, 17, 18, 19, 20, 20 mil fanáticos, que carrega o time, que supera as dificuldades, que compensa as deficiências, que torcida é essa que jogo após jogo, vê seu time caindo, e levantando, perdendo e ganhando, e lá está ela, sempre cantando, rezando, pedindo e agradecendo, cobrando e enaltecendo, e o mais importante, acreditando.

Que torcida é essa, que espera o fim, e por mais dramático que seja um jogo fraco, um jogo feio, e aos 45 minutos de um segundo tempo sem uma chance sequer, se agita por causa de uma falta, que grita por causa de uma defesa, que se enche de esperanças por causa de um escanteio, que torcida é essa que tira forças para cantar mais alto, que sobe junto com o centroavante, que segura o goleiro, que espera a trajetória de uma bola que parece não entrar, mas entra, o grito de gol parece não sair, mas sai, uma euforia enlouquecida toma conta do estádio, toma conta de uma cidade, toma conta de uma nação, um bandeirão aparece, e com ele vem às lágrimas, e com as lágrimas vem à esperança, a esperança de que tudo pode mudar, a esperança de ver espetáculos como os de 2004, a esperança de ver títulos como os de 2001.

Que torcida é essa. Que torcida é essa???

Essa torcida são os Wagners, as patys, os eduardos, as moniques, os giovanis, os juliões, da caveira ou não, são os playboys, as plebes, são os burgueses, os maloqueiros, somos nós, somos cada um de nós.

Obrigado Nação atleticana, obrigado torcedor rubro negro, é nessas horas que mostramos nossa força, e é com essa força que devemos seguir até o fim, e com certeza iremos mostrar para todos aqueles que estão torcendo e muito para a nossa derrota, que nada vai fazer calar nossa nação, nada irá diminuir nossa paixão. Seremos sempre a maior e mais vibrante torcida do sul do brasil.
Faço também um agradecimento especial a Torcida Organizada os Fanáticos, uma torcida Discriminada e Odiada por uns, mas ao mesmo tempo Amada e idolatrada por outros, torcida essa que convivi durante um tempo de pinheirão, que aprendi a admirar e defender, mas com o passar dos anos aprendi também a criticar, por não aceitar determinadas atitudes, mas que nessas horas mostra o porquê não pode acabar nunca, sem ela, esse texto nem existiria.

O Atlético nos une, a União nos fortalece. Atlético ontem, hoje e sempre.

Fonte: Ricardo Deverson do Carmo para Furacao.com