quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Craque holográfico

Além da vitória de Barack Obama, a eleição norte-americana apresentou outras novidades para o mundo. Uma delas foi na cobertura da TV. A rede CNN lançou ontem, pela primeira vez na história da televisão, uma tecnologia através da qual um repórter que está em outra cidade "aparece" no estúdio, ao vivo, e conversa com o âncora. É tudo feito na base da holografia, mais ou menos como a Princesa Léa aparecia em Guerra nas Estrelas, projetada pelo robô R2D2.

O âncora Wolf Blitzer estava nos estúdios da CNN, em Atlanta, e Jessica Yellin em Chicago. Mas ele deu as boas-vindas e ela apareceu na sua frente. Para que isso aconteça são utilizadas 35 câmeras e 20 computadores para capturar e trabalhar as imagens dos repórteres em 3D.

Tá certo, ainda é possível ver um recorte grosseiro no corpo da repórter e a imagem fica bem artificial. Mas, por ser um primeiro teste dessa tecnologia, o resultado até que é interessante:

Agora, só falta usar essa tecnologia no futebol e criar o "craque holográfico". Bota um holograma do Fião na zaga. O holograma do Odemílson caindo pela direita. O holograma do Assis é escalado na meiuca. E o holograma do Ziquita no banco, sempre pronto para entrar em campo e resolver a parada.

Um comentário:

Anônimo disse...

Será que o Pedro Oldoni não é um holograma também?