segunda-feira, 23 de junho de 2008

Saiu o balanço

O Atlético publicou hoje em seu site oficial o Balanço Patrimonial referente ao exercício de 2007, auditado pela Moore Stephens Brasil. Não entendemos bulhufas de contabilidade, mas dá pra fazer a seguinte (e primitiva) leitura:
  • A receita operacional total caiu de R$ 62,7 milhões em 2006 para R$ 53,4 mi no ano passado.
  • A principal queda na arrecadação deu-se na transferência de atletas: R$ 37,2 mi em 2006 contra R$ 29,3 mi em 2007.
  • Sem contar a negociação de atletas, portanto, a receita do Atlético em 2007 foi de R$ 24,1 milhões.
  • As despesas foram de aproximadamente R$ 52 milhões - incluindo os custos de atividade e a aquisição de atletas.
  • O resultado final do ano resultou, portanto, em superávit de R$ 1,59 mi - bem abaixo dos R$ 15,5 milhões de 2006.
  • Assim, nota-se que o Atlético ainda é bastante dependente das receitas advindas de transferências de atletas para não fechar no prejuízo.
Cruzando os dados com o levantamento feito pelo blog Um olhar crônico desportivo sobre os demais balanços já publicados pelos grandes times brasileiros*, nota-se que o Atlético é ainda mais dependente da venda de atletas do que os demais. Levando em conta a receita operacional total, temos o seguinte cenário:
  • São Paulo - R$ 190 milhões
  • Corinthians - R$ 134,2 milhões
  • Grêmio - R$ 109 milhões
  • Flamengo - R$ 89,5 milhões
  • Palmeiras - R$ 83,9 milhões
  • Atlético-MG - 58,3 milhões
  • Atlético-PR - R$ 53,4 milhões
  • Santos - R$ 53,1 milhões
  • Vasco - R$ 51 milhões
  • Fluminense - R$ 39,3 milhões
Mas considerando apenas a receita sem a transferência de atletas, o Atlético cai no ranking:
  • São Paulo - R$ 70,3 milhões
  • Flamengo - R$ 62,5 milhões
  • Grêmio - R$ 51,8 milhões
  • Santos - R$ 51,4 milhões
  • Corinthians - R$ 50,9 milhões
  • Palmeiras - R$ 44,6 milhões
  • Fluminense - R$ 31,2 milhões
  • Atlético-MG - 30,04 milhões
  • Atlético-PR - R$ 24,1 milhões
  • (Vasco - não disponível)
Fica clara a necessidade que o Atlético tem de aumentar suas fontes de receita para não ficar refém da negociação de atletas. Um dos caminhos é arrumar um bom patrocinador - o que o clube está se empenhando para fazer no momento. O outro é o torcedor se associar. Tornando-se sócio, mais do que levar vantagem financeira e não precisar enfrentar filas, você estará ajudando o Clube Atlético Paranaense a ser mais forte. Associe-se!

(*) Não há dados disponíveis, ainda, de Botafogo, Internacional, Cruzeiro, Coritiba, Sport, Goiás e Figueirense.

Nenhum comentário: