segunda-feira, 23 de junho de 2008

O Guerrilheiro errou?

Esmagadora maioria da Nação Atleticana acha que foi uma tremenda sacanagem com o Atlético a marcação dos três pênaltis a favor do Grêmio no jogo de ontem. Mesma impressão tiveram o ex-goleiro e comentarista Raul Plasman e o jornalista Sérgio Xavier Filho, editor da revista Placar.
Confesso que comentei os lances aqui no blog ontem, ainda de cabeça quente, segundos após o fim da partida. Hoje, correria o dia todo, não pude conferir os lances nos programas esportivos.
Pode ser, sim, que eu esteja errado. Mas na hora, vendo pela TV, tive a impressão de que as duas primeiras faltas foram mesmo cometidas - a terceira, não. Pensei: se fosse a nosso favor, eu exigiria a marcação do pênalti. Então não posso criticar o juiz só porque o lance foi contra o Atlético. A terceira penalidade sim, foi uma aberração. Mas, àquela altura do jogo, Inês já era morta.
Posso mesmo ter me equivocado. Assim como o árbitro. Mas ainda acho que, se fossem a favor do Atlético os dois primeiros lances, eu pediria pênalti...

6 comentários:

juliano r. disse...

como havia comentadoa tres posts abaixo, futebol se mostra na cancha...saudaçoes tricolores

Anônimo disse...

guerrilheiro, fica trquilo, as opinioes devem ser respeitadas...vc viu de uma forma, alguns de outra, segue a vida...a unica ctz que tenho é que vamo mete bucha no tricolor dos pampas no jogo de volta....susse

Anônimo disse...

o segundo nem a pau q foi, CAVADAÇO!!!!! ja deixaram de marcar penaltys piores para nós... veja de novo o segundo penalty, nitidamente, q ele faz o maior estardalhaço na hora de cair!!!!

uma pena prq nao perdia o jogo em reias condições no domingo
Abraços Guerrilheiro!

rever disse...

Sou totalmente a favor do CAP procurar seus direitos, quanto à cerveja, quanto às rádios, quanto à jogadores que se amotinam, quanto à falta de bom senso do stjd ao julgar o CAP por uma balinha no gramado, quanto à reclamação de arbitragens, quanto ao CAP ser a matriz de outros clubes (Fortaleza), quanto ao rival não comemorar título em nossa casa, etc... Mas uma coisa muito me preocupa, já faz muito que o CAP não é um clube bem quisto nacionalmente, está ficando cada vez mais evidente que nosso Furacão incomoda muita gente, não só no gramado mas por essas questões extra-campo também, então não irei me surpreender se ao final do campeonato nosso time estiver à beira do precipício com todos querendo dar uma mãozinha para empurrá-lo ladeira à baixo. Infelizmente toda essa antipatia para com o nosso clube querido é advinda de todas essa atitudes extra-campo, então talvez falte um pouco mais de humildade por parte de CAP para tratar destas questões. Uma retratação às vezes ao adversário não é se humilhar pra ninguém, pelo contrário, demostra até que se tem caráter e postura de se assumir os erros, se continuar com essa aura de clube mais odiado do Brasil, não vai ter jogador que dê conta de ir contra tudo e contra todos...
abraço guerrilheiro

Anônimo disse...

Deixa eu te dar a minha então Don Guerrilheiro:

-No primeiro lance deve-se aplicar umprincipio do Direito Penal. O da insignificancia. Existe o tipo penal - "puxar a camisa do adversário dentro da area". A conduta existiu e é punível , em principio. Mas não há a antijuridicidade, ou seja a legislação não foi construída para proteger resultados tão infimo. É como furtar uma caixa de fosforos ou uma laranja. Existe a conduta , mas não é necessário todo um processo. Não foi nada.
- o segundo lance foi. O Chico ( aia, ai,ai) foi jejuno, ingenuo, virgem. Mude de lugar, se alguem do gremio derrubasse o Ferreira daquele jeito. E sobre o fato do mergulho do Roger, lembremos que o gabiru já nos garantiu grandes vitórias com mergulhos semelhantes. Penalti.
- O terceiro lance foi cretino. nele uma simulação ostensiva, daquelas que mereceriam o amarelo. Ali a prova da má intenção. Este lance ao lado do primeiro mostra que houve sim a sacanagem.

Um abraço

Sandro Moser

Anônimo disse...

Guerrilheiro me da um poco do que vc ta tomando bixo...Se ta doidao, nenhum dos 3 lances foi penalti.

Paulo R.