domingo, 15 de junho de 2008

Lá, como cá

Fernandão, do Internacional, peça importantíssima do colorado gaúcho, vai jogar no Al-Gharafa, do Qatar. O mesmo Inter que havia perdido, semanas atrás, o técnico Abel Braga - também rumo ao futebol do Velho Oriente.
O Cruzeiro ficou sem um de seus melhores atletas, Marcelo Moreno, negociado com o futebol ucraniano. E pode perder ainda mais jogadores nas próximas semanas, quando abrir a janela de transferências para a Europa. "Não tem como nos segurarmos. O Cruzeiro é um time que tem visibilidade, os jogadores são procurados e as propostas são tentadoras. Temos que trabalhar com isso", analisou o técnico da Raposa, Adílson Batista - campeão paranaense como o Furacão em 1988.
Essa é a realidade do futebol brasileiro. O mundo desabou por aqui quando Ferreira e Claiton deixaram o CAP. Querer que os jogadores fiquem eu também quero, mas não dá pra segurar. Só que, aqui, qualquer negociação de jogadores vira "coisa do Petraglia" - análise simplista e rasteira.
Infelizmente é assim, esse é o cenário. O que fazer, então? Parece óbvio: o que precisa é repor à altura. Júlio César parace ser um bom jogador, e Joãozinho, se ficar, é um ótimo atacante. A imprensa especula a contratação do paraguaio Julio dos Santos, e Borba Filho fez uma "garimpagem" pela América do Sul.
Tomara que com as contratações resolvam e o time engrene de vez.

2 comentários:

Fabricio disse...

Guerrilheiro, creio que o Furacão engrenará, a questão é que tipo de objetivos devemos esperar: disputar o título, uma vaga para a Libertadores ou para a Sulamericana? Não iremos brigar por rebaixamento, mas quando novamente iremos brigar por títulos de relevância? Seremos competitivos na Sulamericana que inicia dia 30/07, daqui a somente 45 dias ou não passaremos pelo 1º jogo?
A questão é que não parece que temos um mau time, mas algo está errado e as coisas não acontecem!Espero que consigamos encontrar jogadores de qualidade para as posições carentes e que consigamos fazer um bom banco para quando os bons sairem, já que o futebol brasileiro é tão fraco financeiramente que perde jogadores pra qualquer país (daqui a pouco até o continente africano - que é exportador de jogadores também - estará levando nossos craques)... realmente tá difícil

Anônimo disse...

Guerrilheiro, creio que você deixou passar alguns "detalhes" importantes. Primeiro, Fernandão, principal ídolo do Inter, ficou QUATRO ANOS no clube, foi campeão mundial e da Libertadores. Quanto tempo nossos ídolos ficam por aqui? Depois, o problema não são as negociações do Atlético, mas os contratos. Claiton, embora tivessse feito um excelente Brasileiro, entrou em 2008 com o mesmo contratinho sem vergonha que firmou quando veio. Logo, naturalmente, pulou fora na primeira proposta. Ferreira, da mesma fora, seguia ganhando pouco no Atlético, em contraste com a sua importância. E foi, veja bem, EMPRESTADO por um dinheiro que, se significativo, certamente muito menor que o prejuízo que tivemos sem ele. Aí alguém pode dizer "ahh, mas não dá pra prever". Bom, desse jeito melhor nem sair de casa pois a qualquer momento você pode tropeçar, bater a cabeça e morrer. No mais, abraço e continue firme com o blog, sempre excelente.