quinta-feira, 24 de abril de 2008

Marolla, exclusivo: "Tem que dar Atlético"

Marola, nos anos 80, com seu tradicional uniforme
branco-e-preto. De Jaú (SP), ele falou com o Blog da Baixada

Se você é um jovem atleticano talvez não tenha passado por isso. Mas se você é da geração deste guerrilheiro aqui provavelmente tenha, ao jogar no gol numa pelada qualquer, realizado uma defesa milagrosa, uma ponte inacreditável ou defendido um pênalti decisivo e então pôde gritar: "Marolla !!! Marolla !!! Que defesa espetacular de Marolla..."
Da melhor estirpe dos goleiros rubro-negros, Fiodermundo Marolla Jr. manteve a tradição e foi grande. Honrou a camisa rubro-negra. Era dono de um estilo sóbrio e contido. Não um goleiro fanfarrão e acrobático. Era da escola italiana, seguro e discreto. Um daqueles goleiros que até falham, mas falham nas vitórias. E com muito carisma, sorte e liderança. Em 5 an
os de Atlético vestiu três faixas de campeão. No Campeonato Brasileiro de 1988, quando todos os jogos que terminavam empatados eram decididos em cobranças de pênaltis, Marolla, com sua camisa branca e preta (tinha também a amarela e preta e a cinza e preta) foi o maior pegador de "penais" do ano. Um goleiro que, acima de tudo, tinha estrela e foi protagonista dos históricos Atletibas de 1990.
Marolla hoje em dia tem uma escolinha para formação de pequenos grandes goleiros em Jaú, no interior de São Paulo. Também trabalha individualmente com goleiros que querem manter ou aprimorar a forma. Uma espécie de personal trainner dos três paus. Enquanto estuda convites para voltar a trabalhar no futebol profissional (como preparador de goleiros) Marolla promete usar a sua estrela de campeão neste domingo. Será mais um torcedor-guerrilheiro do Furacão nestas finais.

Com exclusividade, o Blog da Baixada conversou com Marolla, por telefone, nesta semana decisiva. Confira os principais trechos da entrevista:

ATLETIBA

"É o grande jogo do futebol paranaense. O time que ganha fica por cima e o que perde fica numa situação difícil. Na nossa época, quando o time perdia era a hora de fazer uma limpeza no plantel. Tinha que se preparar melhor senão a coisa era feia (risos) Mas eu acho que ganhei mais do que perdi."

FINAIS DE 1990

"Os dois jogos foram muito marcantes. Para mim, principalmente, ficou marcado o segundo jogo. O Atlético saiu na frente e eles empataram. Aí eu acabei errando, falhei no segundo gol. A gente tinha saído na frente e eles viraram. No segundo tempo a gente fez uma grande pressão e, no finalzinho, o Berg fez aquele gol contra. Aquele gol que até hoje não da pra entender..."

O HISTÓRICO GOL CONTRA DE BERG

"A gente bateu um lateral e só eles tocaram na bola até que ela entrou. E nós fomos campeões. Foi só quando aquela bola entrou que eu consegui ficar tranqüilo. Ali eu vi que a gente seria campeão. Eu sei que eles entraram na justiça pra depois, mas acho que não deu em nada. Foi um jogo que marcou bastante."

A FESTA

"Foi uma loucura na cidade inteira.Teve desfile, carro aberto e tudo o mais. Depois nós fizemos uma grande festa. O Assis tinha voltado a jogar, depois de um tempo parado, e ele era bom pra comandar as festas. E aquela foi das grandes."

EX-COMPANHEIROS

"Dos meus companheiros do Atlético ainda falo com o Nivaldo, com o Nenê. De vez em quando com o Assis, o Renato Sá, com o Detti, com o pessoal mais antigo. Mas ali daquela turma de 90 também. A gente fala com o Gilberto Costa, o Carlinhos..."

Em 1986. Em pé: Orlando Fumaça, Paulo Marcos, Bruno,
Détti, Haroldo e Marolla; agachados: Nivaldo, Roberto Cavalo,
Agnaldo, Mauro Madureira e Renato Sá.

TÍTULOS

"O titulo de 90 foi muito marcante, mas o de 88 também. Lembro que o Nelsinho Batista tinha caído com a Ponte Preta e teve a chance de reaparecer sendo campeão com a gente no Atlético. Ele deslanchou na carreira a partir do titulo e aquele time revelou grandes jogadores. Também é inesquecível o titulo de 85, quando nós tínhamos um timaço. E sempre ganhando os Atletibas."

ATLÉTICO, ONTEM E HOJE

"Ah, o Atlético mudou tudo. Pra nós que treinávamos no Joaquim Américo abandonado, não tinha vestiário, não tinha água quente. Hoje em dia, meu Deus do céu, é um outro clube. A gente acompanha de longe e fica feliz por isso."

DECISÃO 2008

"Tem que dar Atlético. Eu gostaria de assistir, mas não vai dar. Mas vou torcer bastante. A última que eu fui a Curitiba faz uns dois anos, e foi pra ver um jogo do Atlético. Tô precisando aparecer por aí. Este ano, eu acho que eu vou conseguir ir aí fazer uma visita..."

10 comentários:

hbnetto disse...

Talvez seja o grande ídolo da minha geração.
VIDA LONGA AO MAROLLA!

Anônimo disse...

Como entoamos nosso hino

"O CORAÇÃO ATLETICANO,
ESTARÁ SEMPRE VOLTADO,
PARA OS FEITOS DO PRESENTE,
E AS GLÓRIAS DO PASSADO"

Marolla ídolo Rubro-Negro, como é bom reconhecer a historia, parabens ao Blog!!!

ps. postei na comunidade do CAP no orkut, SRN!

MoToK

Wagner Luiz Guimarães disse...

Marolla é goleiro, o resto é frangueiro!!!!


Temos que dar valor aos nossos idolos antigos!

Eu em 90 tinha apenas 9 anos, mas me lembro muito daquele Atleti**

onde Curitiba ficou pintada de VERMELHO E PRETO.

Anônimo disse...

Marolla, o goleiro mais responsa da história do Furacão.

Grande Marolla

Jair Amorim

carlos disse...

conheci o marolla em 88, depois das finais contra o pinheiros....
o cara é fera mesmo.

vagner.

Tarbes disse...

E quem não se lembra do Saudoso Lombardi Júnior gritando..."M A R O L A" SAI DA META E PRATICA A DEFESA.....

Anônimo disse...

Ídolo! Maneira a lembrança e a entrevista !

DÁ-LE FURACÃO!

Anônimo disse...

ola marola.
Convidamos sua escolinha para participar da peneira do CRUZEIRO
DIAS 26 E 27 DE MAIO EM FARTURA SP
INFORMAÇÕES 14-33821898

guilherme disse...

Oi Marolla, td bem??? Tbm sou da familia Marolla e tbm joguei na sua função e tem outro Marolla buscando um espaço...parabéns pelo seu sucesso...

guilherme disse...

Oi Marolla, td bem??? Tbm sou da familia Marolla e tbm joguei na sua função e tem outro Marolla buscando um espaço...parabéns pelo seu sucesso...