quinta-feira, 24 de abril de 2008

Alan Bahia, um trunfo rubro-negro

A Gazeta do Povo de hoje publica uma matéria sobre a importância de Alan Bahiapara o Furacão nestas finais. Neste campeonato, ele já marcou gols em clássicos contra os parasitas e contra os coxinhas. Confira:
Com 12 Atletibas no currículo, Alan Bahia volta a sorrir e vira peça-chave na Baixada

Alan Bahia: marcador implacável e agora carrasco nos clássicos.
Alan Bahia contraria, no Atlético, uma característica do futebol. Para a torcida, normalmente o jogador que mais aparece é o atacante, por dar a ela o prazer do gol, ou o goleiro, por impedir a turma do outro lado da arquibancada de fazer a festa. Volante de poucos atributos ofensivos, o jogador baiano se destaca pelo poder de marcação e por surpreender os arqueiros adversários em momentos importantes.

Neste Estadual, por exemplo, fez gol em dois clássicos, contra Paraná (1 a 0) e Coritiba (2 a 0). Ainda garantiu três pontos fundamentais na segunda fase, contra o Iraty, recuperando o time de um início cambaleante. Esses dois ingredientes fazem dele um dos atletas mais identificados do atual elenco com a massa rubro-negra.

Desde 2001 no clube, Alan Bahia já viu sua carreira subir e descer algumas vezes. No ano passado, um drama pessoal interferiu no seu desempenho em campo. O time ainda digeria a polêmica derrota para o Grêmio – com direito até a rosto fraturado de Alex Mineiro – quando o volante se envolveu em acidente de carro em Curitiba, no dia 29 de julho. Na batida, perdeu seu melhor amigo, o jogador Alex Miranda. Por muito tempo, não voltou também a encontrar o bom futebol. Afastou-se rapidamente de uma posição entre os 11 considerados titulares.

Veio 2008 e as chances ressurgiram aos poucos. Primeiro, com a contusão de Valencia; depois, com a venda de Claiton. O baiano aproveitou. Convenceu o técnico Ney Franco de que estava pronto para assumir a camisa 7. “Sempre tive empenho, mesmo quando não estava como titular. Sabia que essa hora chegaria, estou vivendo um bom momento. Nada melhor do que coroar essa volta por cima com o título do Paranaense”, comenta.

Para conseguir o objetivo de levantar o troféu do Estadual, Alan Bahia promete ser uma ajuda e tanto. Vestindo a camisa vermelha e preta, ele já enfrentou o maior rival do Furacão 12 vezes. Pretende colocar essa experiência em campo no domingo, mas descarta qualquer fórmula mágica para o duelo.

“Não tem segredo para vencer um clássico. O que tem é trabalho, uma semana toda de trabalho duro. São jogadores de qualidade dos dois lados. Não podemos é bobear nesse primeiro jogo (no Couto Pereira), que é muito importante”, opina o jogador de 25 anos.

A hora é de tira-teima para Alan Bahia, que festejou o título sobre o rival em 2005, um ano depois de amargar o vice dentro da Baixada.

Um comentário:

Anônimo disse...

a melhor fase do atletico ultimamente foi com ele fora do time.
Hoje em dia não tem mais lugar pra um cabeça de area de 1 e meio, e que erra quase todos os passes.