quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Homenagens & negócios

A possível quebra do recorde de vitórias seguidas trouxe à tona a possibilidade de o Atlético promover algumas homenagens, tanto aos jogadores de agora quanto para os craques de 1949.
História bem parecida viveu no mês passado o Chivas Guadalajara - adversário do Furacão na semi-final da Libertadores-05. O clube mexicano decidiu homenagear os atletas da geração que jogou entre 1957 e 1967 e a forma encontrada para tanto foi bem inusitada: o ex-jogador Salvador Reyes, maior artilheiro da história do Chivas, foi registrado na federação mexicana e participou de uma partida oficial contra o Pumas, na estréia do Torneio Clausura.
Detalhe: aos 71 anos.
Reyes usou a camisa de número 57 - em referência ao ano no qual marcou o gol que garantiu o primeiro título nacional do clube - e permaneceu em campo por cerca de 50 segundos.
«É melhor assim, que reconheçam o trabalho em vida. Não tenho palavras para dizer como estou emocionado», disse na ocasião o veteraníssimo atacante.
Voltando ao Atlético, acho que essa ocasião é especialmente propícia para uma homenagem - nunca se falou tanto no Furacão de 49 como agora. Uma oportunidade rara de agradecer aos craques do passado - pelo menos aqueles que ainda estão conosco - e de mostrar um pouco da história do clube à garotada. Aliás, as homenagens poderiam se estender até 2009 - quando o lendário time comemorará 60 anos.
E, como hoje tudo é negócio, até a marca «Furacão 49» poderia ser bem explorada. Já vi muita gente querendo comprar uma réplica da camisa daquela temporada. Uma série de produtos comemorativa cairia muito bem.

2 comentários:

Anônimo disse...

Vamos bater este recorde se o "vagab....." do Héber Roberto lopes deixar.

Aborda o histórico de roubalheiras contra o atlético deste mercenário com um textinho no blog Guerrilheiro!

gilberto disse...

aposto que o Jackson ainda faz gol nos coxinhas.