segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

Há seis anos, a maior vitória da história da Baixada

16 de dezembro de 2001. Os 31.700 pagantes da partida entre Atlético x São Caetano, pela decisão do Brasileirão, jamais vão esquecer esta data. O Furacão enfiou 4 a 2 no Azulão, na maior festa já feita pela torcida no Caldeirão do Diabo, e abriu o caminho para a conquista de seu primeiro título nacional na Série A. Inesquecíveis serão o gol de Ilan, a habilidade de Souza, a velocidade de Gabiru, a estrela de Alex Mineiro e as bolas salvas em cima da linha pela zaga atleticana. Quer relembrar? Veja no vídeo abaixo:


Em comemoração à data, publicamos um trecho da reportagem da revista Placar sobre a peleja. Na capa, a chamada: "Como a Baixada derrubou o Azulão". Dentro, a manchete mostra a importância que o Caldeirão e sua torcida têm sobre o time: "Baixada 4 x 2 São Caetano". Confira:

Baixada 4 x 2 São Caetano

Não foram apenas 11 jogadores do Atlético que venceram a primeira partida da decisão do Brasileiro: foi todo um povo unido em torno do estádio mais argentino do Brasil
Por Sérgio Xavier filho

O São Caetano começou a cozinhar muito antes de a bola rolar. Faltava uma hora para o primeiro jogo da decisão do Brasileirão 2001. Esquerdinha, Adãozinho e Daniel entraram em campo para aliviar a tensão, enfrentar logo o tal Caldeirão da Baixada. Péssima idéia. Apesar de estarem de chinelão e sem uniforme do Azulão, eles foram logo reconhecidos pela galera e tomaram uma vaia digna de vilões. Sentiram o calor do Caldeirão e voltaram rapidinho para o vestiário.
De fato a Baixada não é um estádio convencional. A vaia ali é mais doída. A Baixada é o estádio mais argentino do Brasil, o mais vertical. É como se fossem vários predinhos cercando um campo de futebol, com o agravante de as arquibancadas serem cobertas e o som não ter para onde ir. Da platéia ou do campo, o barulho é infernal. E isso vai piorar quando o lado oposto às cabines de rádio terminar de ser construído. A vaia será ainda mais contundente.

É claro que o São Caetano não tomou de 4 x 2 apenas porque o estádio do Atlético é barulhento. A receita para o caldeirão ferver envolve vários ingredientes além do aplauso e da vaia, a lenha dos torcedores. A fanática torcida criou um conjunto de rituais que provocam a combustão dos mais sérios espectadores. O sistema de som emenda o hino do Atlético a uma série de músicas do time. As organizadas são boas de cântico, adaptam até melodias do Pink Floyd em uma "homenagem" ao rival coxa-branca que utiliza em poucos versos grande parte dos palavrões encontrados na língua portuguesa.

(...)

O time também faz sua parte. Uma equipe capaz de pressionar qualquer um no calor do Caldeirão.

Foi o que aconteceu no último domingo. O Azulão mal entrou em campo e já perdia o jogo. Não é mole tomar um gol aos 4 minutos. Mas o São Caetano conseguiu sair da enrascada da melhor forma possível: empatou em um frango do goleiro Flávio, uma ducha que quase apagou o Caldeirão. A equipe poaulista ainda ficou em vantagem, mas aí foi o Atlético que saiu do buraco de um jeito brilhante: três gols em seqüência do ídolo do momento, o Papai Noel Alex Mineiro. Não houve mais tempo de reação. Apesar de todas as suas qualidades, apesar de todo o seu conjunto e de seus bons jogadores, o Azulão não estava preparado para a panela de pressão. (...)

* * *

No próximo domingo, o título brasileiro do Atlético completará seis anos.

Ficam a saudade e a esperança de que este momento mágico se repita em breve.

4 comentários:

Hélio Rubens Godoy disse...

Memorável, impossível não se emocionar ao relembrar este jogo. Após passar um dia e uma noite inteiros na fila para comprar ingresso, ver o São Caetano virar e o Alex Mineiro fechar o caixão no segundo tempo, só dá para gritar É CAMPEÃO!! Título conquistado dentro da Baixada, com suor e raça, como tudo na vida do Furacão.

ATLÉTICO ATÉ A MORTE!!

nois_na_fita_ctba disse...

Eu fui nesse jogo... essa nossa torcida é UNICA. Mas assistindo a esse mesmo video que vc postou, dos melhores momentos, video esse que eu assisto com muita frequencia, os momentos que mais me deixa de cabelos em pé são quando o Galvão comenta que algumas pessoas chegaram a falar e escrever que era uma final inexpressiva, com clubes que nao tem tanta tradição... e ele dispara o contrario: "olha que grande final... que grande jogo, os times que mais mereceram chegar nessa final". Outro momento são os lances na trave.. quando o mesmo Galvão diz a tradicional frase: "isso é teste pra cardíaco"...

E pra fechar, a torcida vibrando no final do video: "dá-lhe dá-lhe ôoo...dá-lhe dá-lhe ôoo...VENCER MEU FURACÃO!!!!!"

Saudaçoes Rubro-Negras!!!

nois_na_fita_ctba disse...

ahhh... dá uma olhadinha nesse video do youtube que eu editei....

http://www.youtube.com/watch?v=Kmzop_OdDIA

abraços...

GUERRILHEIRO DA BAIXADA disse...

Muito massa o vídeo, nóis_na_fita !