segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

Discurso chorão

Coluna desta segunda-feira de Augusto Mafuz na Tribuna:
Dramalhão

A imagem mais chocante deste final de ano no futebol paranaense está nas fotos da Assembléia do Atlético. Reunida para decidir o futuro do comando do clube, mostrou cadeiras vazias. Uns cinco ou seis gatos pingados, em linguagem vulgar. Constrangedor.
O comodismo da falta de uma política de choque concorre para a ausência. Mas o motivo principal foi outro, e é outro: o discurso do comando está cansando. É sempre pessimista, disserta o que já se fez, mas não se explica por que ainda não terminou a Arena e por que há anos não se ganha um único título; fala de inimigos, de perseguição. Sem rima e sem metáforas, o discurso acaba sendo um dramalhão.
Escrevi um dia desses que, às vezes, é melhor não querer entender Mário Celso Petraglia. É que as suas posições nunca são definitivas, mudando de acordo com as circunstâncias, e em especial com o seu humor.
A entrevista que deu após a reunião com os sócios, analisada com boa vontade, foi incompreensível. Quem tentou compreendê-la, só chegou a uma conclusão: todos os projetos do Atlético, e em especial a finalização da Arena, estão associados à escolha de Curitiba como subsede da Copa do Mundo de 2014.
Essa conclusão nos empurra para uma dúvida: se Curitiba não for escolhida, a Arena não vai terminar e o Atlético não vai ganhar mais títulos?
Pedir a união de todos a fim de que torne o poder estatal sensível para às exigências da Fifa é uma coisa justa e honesta; mas condicionar esse fato à finalização dos projetos do Atlético é outra coisa, absolutamente desonesta, na medida em que torna os atleticanos reféns de pessoas e de circunstâncias que não podem ser criadas por sua vontade.
Chegou o momento de Petraglia a fim de criar a dúvida para dela usufruir. Jogou a eleição para maio para criar a expectativa se continuará ou não.
O Atlético não pode esperar até maio, porque quando maio chegar, passará para julho, quando as cidades da Copa serão escolhidas. Significa que será mais um ano que vai se viver do passado, que Petraglia vai se dizer cansado, e que o comando vai dissimular a grande administração através de mensagens de marketing no site oficial. Remeter a finalização da Arena à realização da Copa do Mundo é, no mínimo, insensato. Foi uma condição, que surgiu e deve ser aproveitada, mas não pode ser a única, pois em nenhum momento anterior ela foi cogitada.
E se Curitiba não for escolhida, o Atlético vai parar para depois acabar? O que não pode é Petraglia passar mais um ano com seu discurso chorão para não cumprir a promessa de terminar a Arena, e o Atlético continuar sem ganhar nada no campo.

5 comentários:

juliano disse...

O mafuz está se fazendo de burro. Se a Copa não vier pra Curitiba, a maneira de buscar recursos pra terminar a Arena será diferente, mais difícil. é uma questão de reciocínio, com muitos investimentos no país para a Copa, porque algum investidor colocará dinheiro em uma cidade que não é sede? A Arena será finalizada de qualquer maneira, mas o caminho sem a Copa é muito mais difícil. Depois de conseguir mudar o jogo e indicar a Arena como o estádio e lutar por anos pelo terreno do Colégio, MCP tem toda a razão de esperar pela definição da Copa, é algo óbvio, todos os atleticanos deveriam apoiar a causa. Não sei por que qualquer porcaria que o mafuz escreva você posta aí. Ele é um cara antiquado, sem visão. Saudacões Rubro-negras.

Anônimo disse...

Eu gosto do Mafuz. Continue postando as colunas dele, Guerrilheiro.

Anderson disse...

E por que é que um cara desses, que se diz atleticano, que diz querer o bem do Clube Atlético Paranaense, e que tem condições de contribuir com o Clube (não só com suas idéias, mas com seu sagrado dinheirinho também) não é sócio do CAP?

O Mafuz é o exemplo mais prático daquilo que o Petraglia disse: é uma falácia. Só sabe falar, só sabe escrever, só sabe criticar. Colocar a mão na massa, definitivamente, não é com ele.

E é por isso que pouca, muito pouca coisa de autoria do Mafuz pode ser aproveitada. Apesar de ser um brilhante colunista, como pode ele questionar haver "(...) cinco ou seis gatos pingados (...)" se ele mesmo não estava lá para ajudar o Clube Atlético Paranaense?

Anônimo disse...

o Mafuz precisa para de falar....falar..........
e fazer algo de concreto pelo Atlético dos Paranaenses.

Porque não é sócio do atlético?

Anônimo disse...

Acho errado da parte de alguns de condicionar a associação ao clube a paixão e o bem querer ao atletico. Não sou sócio mas vou a baixada, compro camisa oficial, produtos licenciados e pay per view. Sou Atleticano tão legitimo quanto qualquer outro que é socio do clube. Como jornalista o Mafuz está absolutamente certo. Ele tem o direito de criticar e elogiar e expor mazelas e problemas do atlético para torcedores ou não, sem que pra isso precise tornar-se sócio. Vai que o Petraliglia gosta da idéia e passa a proibir jornalistas não sócios a escrever sobre o clube! Ele já proibiu bandeiras...bateria...torcida.........