sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Petraglia: "tudo será provado"

O jornal gaúcho Zero Hora publica em sua edição de hoje uma entrevista com o presidente do Conselho Deliberativo do Atlético, Mário Celso Petraglia. O dirigente explica como foi a confusão no estádio e no aeroporto, e admite ter feito um comentário do qual o jogador Tcheco não teria gostado, o que levou o jogador a partir para a briga. E avisa: "Tudo será provado em juízo".
Confira a entrevista:
O presidente do Conselho Deliberativo do Atlético-PR, Mário Celso Petraglia diz desconhecer quem o agrediu ontem pela manhã, no Aeroporto Afonso Pena, em Curitiba. Admitiu provocação a Tcheco na quarta-feira e ontem, de São Paulo, falou a Zero Hora.
Zero Hora - O senhor foi agredido no aeroporto?
Mário Petraglia - Fui agredido. Estava embarcando para São Paulo quando chegou a delegação do Grêmio. De repente, um dos diretores apareceu e me agrediu verbalmente. Continuei sentado, lendo o jornal, estava só e disse que o jogo já havia acabado. Mas aí todos se revoltaram e começaram a me agredir de longe, moralmente. Não satisfeitos, vieram me agredir fisicamente.
ZH - O senhor reagiu?
Petraglia - Absolutamente. Tentei me defender, mas não consegui. Não estava acompanhado.
ZH - E o senhor provocou o Tcheco na quarta-feira?
Petraglia - Absolutamente. Ele saiu descontrolado, como foi durante o jogo. Ele me viu, eu assistia a tudo atrás do gol. Eu ri e disse "Você não toma jeito". Ele partiu para cima de mim. Três seguranças do Grêmio o seguraram, isso pode ser provado.

Um comentário:

Antonio Motta disse...

Verdade seja dita: imparcial ou não, a Zero Hora está batendo de cinta na imprensa paranaense na cobertura deste episódio.