quarta-feira, 10 de outubro de 2007

Um ano para pensar

Estamos a um ano das eleições e já começa o corre-corre de pré-candidatos de tudo quanto é tipo para concorrer a uma boquinha na Câmara Municipal - o cargo de vereador é a principal "porta de entrada" na vida pública, e pode ser o início de uma sólida "carreira" de político profissional - que, às vezes, dura por toda uma vida.
Não gosto muito de política - e este blog nem se propõe a falar sobre este assunto. Mas se tem algo que me irrita mais do que candidatos de ocasião são os espertinhos que usam o esporte, ou seu time "de coração", seja ele qual for, para arrebanhar votos.Vou citar apenas três aqui, só para dar um panorama da situação. No caso do Furacão, temos o Doático Santos , fundador do Esquadrão da Torcida Atleticana (ETA). Bom, ele vive de política há décadas, sempre ocupando cargos em seu partido, o PMDB, ou, como agora, no governo do estado. Pois bem, se ele faz isso bem feito, e conquista votos com isso, vá lá. Problema dele e de quem nele quiser votar. Mas o fato é que, na última eleição municipal, espertamente quis se aproveitar de seu "atleticanismo" para convencer os rubro-negros a votar nele. Agora, pergunto eu: o que é que o fato do cidadão ser atleticano tem a ver com a função pública que ele pretende exercer? Absolutamente nada! O lado bom é que a torcida rubro-negra não caiu nessa e, apesar da campanha maciça nos jogos do Furacão, Doático não conseguiu se eleger. Ponto para a Nação Atleticana, que se mostrou minimamente politizada e inteligente.
O mesmo já não ocorreu com os coxas, que elegeram um ex-líder de torcida organizada. Exato: o currículo do sr. Luizão Stelfeld se resume a isso: ex-presidente da Império Alviverde. Que beleza... E foi toda essa "experiência" que o credenciou para um mandato no legislativo municipal (!!!), graças aos votos da coxarada...
E, atrás de Luizão, tentando se eleger pela primeira vez, aparece agora o tal do Nello Morlotti, o popular "Nullo". Ambos são filiados ao PCdoB (pobre PCdoB...) e aparecem juntos, diariamente, num programa de esportes na TV Educativa - uma emissora estatal, pertencente ao governo do estado. Minutos preciosos na tevê para quem, como todos sabem, será candidato no ano que vem. Mamata igual não terá o pobre do cidadão comum que quiser concorrer a algum cargo público... Podem dizer que isso "faz parte" da política. Para mim, isso tem outro nome.
Sem falar que o tal do Nullo ainda cogita conquistar um cargo de vereador na mesma cidade que ele boicota em seu intuito de sediar a Copa do Mundo de 2014. Como pode o caboclo querer impedir Curitiba de sediar um evento de tal porte, que tantos benefícios traria ao município e a sua gente, e ainda querer que os curitibanos votem nele?
Curiosamente, os três exemplos citados aqui são ligados ao governo do estado. Como diria um certo blogueiro, "pode ser tudo, pode não ser nada". Mas isso não importa. O que importa é que falta um ano para o eleitor voltar às urnas. Tempo suficiente para pensar bem e não deixar que seu lado "torcedor" fale mais alto.
Entre nessa campanha: vote consciente e dê uma banana para quem quer usar o seu time para se eleger!

Um comentário:

Anônimo disse...

Belo post!

E o pior é que parece que o Julião vai ser candidato também... No PSC, partido do Ratinho. E do Gionédis!