segunda-feira, 3 de setembro de 2007

Missa e Bolinha impulsionaram vitória

Matéria publicada hoje pela Gazeta do Povo Esportiva:
Apelo à torcida, vídeos motivacionais e a celebração de uma missa. O Atlético utilizou todos esses recursos para motivar os jogadores diante do Galo. E, para a alegria do torcedor rubro-negro, a receita surtiu efeito. O Furacão quebrou o jejum de quatro jogos sem vitória e deixou a incômoda zona de rebaixamento.
“Tínhamos que conquistar essa vitória de qualquer jeito”, afirmou Alberto Maculan, que assumiu há duas semanas o departamento profissional do clube no lugar de Oscar Yamato. “Quando assumi, o clima estava triste, pesado. E procuro ser amigo de todo mundo, convivendo todo o tempo com os jogadores e com isso, o jogador se sente protegido”, emendou.
Aflito nas últimas posições, o Furacão encomendou uma missa para melhorar o ambiente. “Já estávamos unidos, mas isso une ainda mais”, revelou.
Outra presença percebida na partida foi a do massagista Bolinha, símbolo do Atlético nos últimos anos. O profissional que havia sido preterido por fisioterapeutas nas partidas, voltou à velha casa. E em grande estilo. “Vamos ganhar hoje [ontem]”, profetizou Bolinha, que segundo a diretoria tinha sido afastado das atividades por problema médico. Onze quilos mais magro, Bolinha teve o nome entoado durante e após o jogo em coro uníssono pela galera na Arena.
Para o técnico Ney Franco, tudo contribuiu para a vitória atleticana, mas principalmente o espírito do time. “Melhoramos nossa consistência defensiva, o que faltou nos jogos do Internacional e Santos, quando tivemos apenas um dos períodos bem nesse aspecto”, disse Ney Franco, que fez seu primeiro jogo na Arena.

Nenhum comentário: