sábado, 11 de agosto de 2007

Clube desmente parceria no méxico. Parceiro do Puebla seria o Real Brasil

Matéria de hoje na Tribuna do Paraná:


Paranaense é o Real Brasil, e não o Atlético

A informação de que o Atlético estaria em negociação com o clube mexicano Puebla FC para adquirir o controle acionário da instituição foi desmentida ontem pelo presidente do Conselho Deliberativo, João Augusto Fleury da Rocha. De acordo com o cartola, o Atlético não tem interesse em firmar parcerias ou comprar ações de times do futebol mexicano, conforme foi divulgado por emissoras de rádio. A assessoria do Furacão informou que “qualquer notícia seria veiculada no site do clube”.

A declaração do presidente atleticano contraria também os diversos sites de notícias do México, como o El Mercurio; El Financiero; mediotempo.com; milenio.com e notiver.com.mx. Os sites relatam desde uma simples parceria que envolveria a troca de jogadores - nos mesmos moldes que o Atlético possui com o norte americanos Dallas - até a possível compra de ações do Puebla, pela quantia de US$ 12 milhões (R$ 24 milhões).

Diante da informação da imprensa mexicana e da negativa do Atlético, a Tribuna procurou saber qual clube estaria envolvido na negociação. Aurélio Almeida, presidente do Real Brasil, que disputa a Copa Paraná, assumiu a responsabilidade pela transação com o Puebla. Segundo ele, serão investidos US$ 11,5 milhões na compra de 90% das ações do Puebla, mas a negociação só seria concretizada numa reunião no dia 27 envolvendo os proprietários de clubes da 1.ª Divisão do futebol mexicano. Esse crivo se faz necessário pois será a 1.ª vez na história do futebol daquele país que uma instituição estrangeira gerenciaria um clube mexicano. Essa ação faria parte da política recém-adotada pela Federação Mexicana de Futebol para a abertura a investimentos estrangeiros.

Puebla seria vitrine brasileira

Conforme Aurélio Almeida, a divulgação do nome do Atlético foi uma confusão da imprensa mexicana, que associou o nome “Paranaense” ao Furacão. “Na verdade o time paranaense citado é o Real Brasil”, confirmou.

De acordo com ele, com a concretização do negócio, será possível levar do Brasil para o México cinco jogadores para ficar na vitrine daquele país. E a partir da futura transação desses atletas é que o Real Brasil ganharia dinheiro. Questionado sobre o valor de US$ 11,5 milhões ser baixo para a compra de um clube, Aurélio explicou que não envolve a parte estrutural. “Adquirimos o que seria o “direito federativo” do clube. Lá o estádio pertence ao Estado (Puebla). É ele quem dá as condições, pois cada Estado só pode ter um representante na competição”, afirmou. A negociação estaria sendo feita diretamente com Francisco Bernal, que é o sócio majoritário do clube mexicano, conforme o presidente do Real Brasil.

Antes de ser dono de clube, Almeida foi jogador de futebol e empresário de atletas, quando intermediou muitas transações de brasileiros para o México. Atualmente é dono do Real Brasil, cuja sede é em Foz do Iguaçu, e disputa a Copa Paraná, na qual está em último lugar.

Antes do Real, criado em 2005, Almeida foi proprietário do Prudentópolis, Império Toledo e Grêmio Maringá. Esse último clube, o empresário ainda detém a marca, mas o Grêmio está envolvido em várias dívidas, as quais Almeida atribuiu aos dirigentes anteriores.

Quanto ao gerenciamento do Puebla, ele seria feito por um dos sócios mexicanos.

Nenhum comentário: