sexta-feira, 31 de agosto de 2007

Nem uma cervejinha?

OK, o momento é de união e apoio ao time mas, como diz Augusto Mafuz, "perguntar não ofende". Então, aí vai: será que a diretoria não vai liberar nem uma cervejinha na faixa para os sócios que continuam a pagar R$ 80 por mês para assistir aos jogos?
Quando anunciou a promoção do meio ingresso para o restante da temporada, no dia 17 de agosto, foi divulgado no site oficial que "o clube aproveita para tranqüilizar seus Sócios Furacão e informa que na próxima semana anunciará opções para que a promoção beneficie também os associados".
Até agora, nada. Acredito que muitos dos sócios, assim como eu, nem faça questão de desconto na mensalidade ou algo do gênero. Mas um ingresso extra, como ocorreu na Copa do Brasil, seria interessante e até importante pelo momento que vive o time. Além de quê, certamente há uma outra parcela dos associados que se importa, sim, em estar pagando mais caro do que os torcedores "avulsos" para freqüentar a Arena. E estes, no ano que vem, podem não mais ser "Sócios-Furacão"...

Geílson e Taílson

Não, não se trata de uma dupla caipira. Geílson e Taílson são os novos reforços para o ataque do Furacão, segundo confirmou a iretoria do clube através do site oficial.

Segundo informações da Furacao.com, Geílson, de 23 anos, passou pelos juniores do Atlético, mas deixou o clube antes de se profissionalizar. Suas passagens de maiores destaque foram pelo Internacional e pelo Santos. Atualmente, defendia o Al Hasen, da Arábia Saudita. Ele já estará à disposição do técnico Ney Franco para a partida deste domingo contra o Galo mineiro.
Taílson tem 31 anos e já atuou por Botafogo, Sport e Juventude. Seu último clube foi o Lierse SK, da Bélgica.

A frase

“Agora é hora de união, de deixar desavenças e críticas, procedentes ou não, de lado. O atleticano que for atleticano de verdade tem agora que comparecer na Arena e ajudar o time a fazer o dever de casa. Se vencermos os nossos jogos em casa e somarmos alguns pontos fora de casa nós ficamos bem na tabela”
Alberto Maculan, diretor de Futebol do Atlético.

Reforço

A Furacao.com informa que o Atlético está acertando a contratação do experiente atacante Taílson, que já passou, entre outros clubes, por Sport, Botafogo e Juventude.
E a piada infame do dia vem do Fórum Furacao.com... na atual conjuntura, o Atlético não precisa de TAÍLSON, mas sim do MIKE TAILSON!
É, o negócio é rir para não chorar...

Hora de apoiar!


Neste Brasileirão, não dá muito tempo de ficar se lamentando. A Furacao.com lançou a campanha e este blog apóia: é hora de lotar a Baixada e tirar o Atlético do atoleiro! Vamos empurrar o Furacão para cima do Galo!

Regressão

Coluna de Augusto Mafuz, hoje, na Tribuna:

Rotina

O Atlético até que chegou a criar ilusões de surpreender o Santos na Vila Belmiro. Com esforço, às vezes com superação, não apenas saiu na frente com o gol de Antonio Carlos, como era superior. E mesmo sofrendo o empate, manteve o equilíbrio, pois ia à exaustão para marcar o time santista.

Mas como no futebol a qualidade é que provoca a diferença, bastou o Santos jogar um pouco: 3x1.

Na derrota não existe consolo. Principalmente para quem perde todos os dias. E, em especial para quem mantém Alan Bahia no time, que ontem, além de ruim com e sem a bola, foi irresponsável no pênalti que cometeu.

Se o Atlético no início chegou a criar boas ilusões, no final do jogo foi só desilusão.

A maior delas é a de que precisando evoluir o mínimo, parece regredir ainda mais.

quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Que tristeza

O Atlético começou bem a partida, marcou a saída de bola do Santos sem dar espaço e ainda abriu o marcador. Mas não demorou a sucumbir à pressão do adversário e acabou, novamente, derrotado. Desta vez por 3 a 1.
Pouco adiantou a presença de Pedro Oldoni no ataque, pois o setor de criação, no meio campo, foi inoperante - principalmente depois que Ramon cansou (o que não tardou a acontecer).
Mas a maior decepção ficou novamente por contado colombiano Ferreira... Simplesmente não dá mais para agüentar estas atuações insossas de quem se esperava que fosse o "cabeça-pensante" do time, de quem se esperava velocidade, habilidade e precisão. As atuações de Ferreirinha não têm passado de medianas. Na partida desta noite, perdeu um gol de forma bisonha, já sem goleiro, sem zagueiro, sem obstáculo algum. OK, a partida já estava 3 a 1, mas não importa. Um profissional não pode perder um gol daquele sem passar impune. E já não é o primeiro gol que perde - aliás, nem me lembro mais quando foi que o colombiano marcou pela última vez.
Para mim, Ferreira já deveria estar na reserva. A questão é: se ele não tem capacidade para ser titular, quem no elenco o tem?
Assim, nos resta rezar para que ele retome o bom futebol que já demonstrou um dia...

Oldoni ganha posição no comando do ataque

Começa em instantes a peleja entre Santos x Atlético, na Vila Belmiro. Como cogitado, Pedro Oldoni ganhou a posição de Marcelo no comando do ataque, ao lado de Ferreira.
Nei, Antônio Carlos e Valencia também começam como titulares nos lugares de, respectivamente, Jancarlos, Rhodolfo e Erandir.
Após dois meses, o Furacão tenta vencer fora de casa.
Toda sorte para nós!

É preciso ir além da lógica

Coluna de Augusto Mafuz, hoje, na Tribuna:

Lógica
Por mais que o conceito de lógica seja estudado e interpretado, ainda é o de Aristóteles, seu criador, o mais acessível: é juízo e raciocínio.
Hoje, somos reféns da lógica. Para tudo, e em toda a sua extensão, a provocamos. A ela recorremos, às vezes, mesmo sem ter uma noção exata do seu alcance, para explicar e projetar alguma coisa.
No futebol, a lógica só não é mais usada do que a paixão. Ao contrário, às vezes é a própria paixão, pois através do seu uso, mesmo que equivocada, é que o torcedor consegue criar a ilusão de que um fato, seja positivo ou não, vai ocorrer.
Pegue-se a lógica dos números e a use para criar a perspectiva do Atlético neste campeonato. Vai se ter uma única conclusão: o rebaixamento só será evitado se for contrariada a lógica de que no futebol, sendo onze de cada lado, ganha o melhor.
O Atlético, a partir de hoje, joga sob duas condições: a primeira, a de ganhar o jogo que, em tese, teria obrigação de ganhar. A obrigação, agora, independente do adversário ser melhor ou não, deixou de ser uma tese. Todos os jogos da Arena, por exemplo.
Mas não basta. É preciso ir além da normalidade e ganhar pontos especiais fora da Arena. Como no jogo com o Santos, hoje à noite na Vila Belmiro. A derrota seria absolutamente natural, mas deixará de sê-lo em razão da barrafunda em que a administração Petraglia o atirou neste campeonato.

quarta-feira, 29 de agosto de 2007

Nova chance para Pedro Oldoni?

O técnico Ney Franco gostou da atuação do atacante Pedro Oldoni nos treinamentos e pode dar uma nova chance ao jovem atleta no time titular que encara o Santos, na Vila Belmiro, nesta quinta à noite.
O que, na minha opinião, é uma sábia decisão: P.O. é o melhor avante do elenco - se não é um jogador técnico, sabe botar a bola nas redes e tem um ótimo aproveitamento nesse quesito.
Se optar realmente pela entrada de Oldoni, Ferreira volta para a meia-cancha - sua posição original - onde terá a incumbência, ao lado de Ramon, de dar um pouco de criatividade ao time. Espero sinceramente que com esta dupla mais técnica no comando do meio-campo o time melhore. Porque parece ser esta nossa única carta na manga...

Amargo reencontro


A partida desta quinta-feira à noite contra o Santos, na Vila Belmiro, marca o reencontro com uma das principais e mais polêmicas figuras que já passaram pelo Rubro-Negro: o atacante Kléber (foto), o "Incendiário da Baixada".
Sim, Klebão ficou no Atlético por quatro anos (entre 1999 e 2002) e marcou seu nome como um dos principais atletas do Furacão. É o principal artilheiro da Arena, após a reinauguração do estádio, em 1999, com 67 gols. No total, foram 124 gols marcados com a camisa rubro-negra - muitos deles sensacionais e inesquecíveis -, assumindo o posto de terceiro maior artilheiro da história do clube, atrás apenas de Sicupira e Jackson.
E ficou marcado também como um dos jogadores mais polêmicos que por aqui passaram, por vários motivos. Primeiro, porque da mesma forma como marcava golaços, tinha uma enorme capacidade de perder gols feitos - o que gerou uma relação de amor e ódio com a torcida. Depois, por seu jeito despojadão, meio largado - como no Atletiba em que, com a bola rolando e a peleja comendo solta, abaixou-se e ficou por alguns minutos procurando no gramado sua correntinha de ouro que havia caído.

Kléber deixou muita saudade, e agora reencontra o Furacão do lado de lá, com a camisa do inimigo. Tomara que esteja numa daquelas noites preguiçosas e com a mira descalibrada...

Esforço pela Copa

Coluna publicada por Domingos Moro, em seu blog:

O esforço atleticano

Nas duas últimas Colunas tratei dos bastidores da Copa de 2014 em Curitiba, sob o ponto de vista do necessário e imperioso apoio governamental nas esferas estadual e municipal. Continuo no tema, mas noutro viés que me parece o mais importante no momento. É notável o esforço atleticano para que nossa cidade possa assistir jogos do mundial. No sábado foi um verdadeiro “banho” no Rio de Janeiro. Os projetos de conclusão da Arena, a maquete apresentada e a fantástica infra-estrutura do Centro de Treinamentos do Cajú surpreenderam os integrantes do Comitê de Inspeção da FIFA e causaram a melhor das impressões. Foi uníssona a excelente repercussão.

Ao largo das “vistas grossas” de algumas pseudo-autoridades de nossa província, que por ligações com outras instituições desportivas se abstiveram de presença e empenho, o CAP arregaçou as mangas e partiu para o ataque em prol da confirmação da candidatura curitibana. Teve alguns apoios, é bem verdade, mas precisou caçá-los a laço, superintendendo quase a totalidade do processo de apresentação.
O show da “mostragem” de Curitiba foi enorme, mas poderia ter sido consagrador se todos estivessem realmente unidos e dispostos a colaborar. Testemunhei a maneira que fizemo-nos representar na reunião inicial e preparatória acontecida na manhã de 17 de agosto, quando o amadorismo e a falta de interesse reduziram nossas chances. Naquele momento deveríamos lutar por sermos uma das cidades brasileiras visitadas e, lamentavelmente, fomos incluídos no grupo das simples exposições.
Enganam-se os que pensam que a Copa tem cores clubísticas e que beneficiará um ou outro agente. A Copa de 2014 será boa para todas as agremiações de nosso estado, para o nosso futebol e para a nossa boa gente. O CAP concluirá a Arena independentemente da Copa e quem terá a ganhar seremos todos nós e ninguém em especial.
Bairrismos e preferências pessoais não podem interferir no processo da candidatura de Curitiba. O futuro não perdoará àqueles que estão se omitindo e criando dificuldades para o sucesso de uma empreitada que deveria ser de todos e não de alguns. Só espero que depois não venham, caso confirmada a sub-sede curitibana, a se denominar “Pais da criança”, embarcando na nau que pretenderam deixar a deriva.
O Estado do Paraná e a Cidade de Curitiba, os paranaenses e os curitibanos precisam estar unidos no sentido da confirmação de nossa candidatura. A imprensa esportiva está fazendo a sua parte, alertando, divulgando e cobrindo tudo que cerca o momento atual de definição. Mas ainda é pouco e mais precisa ser feito.
Se não fosse o esforço atleticano (e de alguns poucos mais) já não teríamos mais chance alguma. É como se fosse o “canto do cisne”, numa candidatura que percorreu projetos irreais e megalômanos totalmente desprovidos de crédito e de exeqüibilidade.
O futebol carioca não é forte pelas rivalidades que apresenta e sim pela união que demonstra em relação a temas de interesses comuns. Adversários se restringem ao campo do jogo e não ao território e aos ideais comunitários. Depreciar o jardim do vizinho não torna o nosso jardim mais atrativo. O bonito jardim do vizinho ajuda a tornar a nossa rua mais atraente, é assim que devemos pensar e agir.
***
Moro, advogado, atualmente defende as causas de clubes paranaenses junto ao STJD. Gosta de escrever, de participar, de opinar. E demonstra uma coerência, em suas explanações, rara de se ver por estas bandas, onde impera um clubismo doentio que resulta em prejudicar o outro primeiro para somente depois pensar no próprio crescimento. Moro é coxa-branca, já foi diretor dos coxas, saiu de lá chamuscado devido à campanha que levou o clube para a segundona mas depois deu a volta por cima, voltando a ser respeitado pela torcida. E tem mostrado claramente que tem uma visão ampla sobre o futebol paranaense, e que pensa no bem-comum e não apenas neste ou naquele clube. Me parece ser o nome ideal para assumir a presidência da Federação Paranaense de Futebol no ano que vem, quando haverá eleição. Infinitamente melhor do que alguns "bobões" que têm se apresentado com candidatos. Entre eles, um presidente de clube que ainda se inspira em Marx e Lênin.
A candidatura de Moro deveria, hoje, ser uma bandeira de todos no futebol paranaense.

terça-feira, 28 de agosto de 2007

Primo famoso ?


Qualquer semelhança entre o recém-contratado zagueiro Antônio Carlos e o ator Martin Lawrence, famoso por filmes como Vovó Zona e Loucuras na Idade Média, é mera coincidência.
Mas que se parecem primos, isso parecem...

Time terá novidades

Segundo a Furacao.com, o Atlético terá novidades para a partida de quinta contra o Santos, na Vila Belmiro. Na zaga, Antônio Carlos fica com a vaga aberta pela expulsão de Rhodolfo contra o Inter. Já no meio-campo, o colombiano Valência está liberado pelo Departamento Médico e deve formar a dupla de volantes ao lado de Alan Bahia. N alateral-direita, Jancarlos, suspenso, cede vaga a Nei.
Resta saber se o técnico Ney Franco continuará improvisando o meia Ferreira no ataque ou abre a vaga para mais um avante, deixando ao meia colombiano a responsabilidade pela criação na meia cancha ao lado de Ramon...

segunda-feira, 27 de agosto de 2007

"Escolinha", um convite à impunidade

Questionado pelo site Globoesporte.com sobre o que fazer com árbitros que cometem erros grosseiros durante as partidas, o presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Sérgio Corrêa , responde: "Todos os árbitros que tiverem atuações desastrosas voltarão para a escolinha. Eles terão aulas com orientadores regionais e deverão passar por testes físicos e teóricos. Em seguida, trabalharão em divisões inferiores por ficarem automaticamente afastados, pelo menos, da rodada subsequente."
Pois vos digo, punição ridícula esta, que não coíbe juiz de futebol algum a meter a mão num time de futebol, que fomenta a impunidade e que transforma jogadores, dirigentes e torcedores em patetas que, com as mãos amarradas, nada podem fazer.
De que adianta afastar um árbitro péssimo como este que roubou o Atlético descaradamente no sábado, por duas ou três rodadas? O que ele vai aprender nesse período? O que esta punição vai afetarem sua carreira? Imaginem se, porventura, o Atlético não mais reage e cai para a segundona (que Deus nos livre)... O Luiz Antonio Silva Santos, que mal sabe escrever, continuará lá, apitando jogos da elite, metendo a mão nos times que bem entender, rindo da cara dos otários aqui.
E Corrêa ainda complementou: "Nem com árbitro marciano eu vou conseguir acabar com os erros no futebol. O problema não é o estado onde o juiz é federado. Mas é a preparação que deve melhorar." Uma balela atrás da outra. Não precisa trazer ETs para apitar os jogos. Basta ampliar o quadro de juízes com gente séria e competente, e punir de verdade os erros grotescos.
Ou então, que o sr. Corrêa passe o resto de seu mandato dando estas justificativas furadas, rodada após rodada.

Garfado 8 vezes

Levantamento da Furacao.com mostra que o Atlético foi prejudicado pela arbitragem em nada menos do que 8 partidas das 21 que já disputou neste Brasileirão - ou seja: o Furacão foi garfado em uma a cada três partidas!
Vejam bem... nada justifica o fato do Rubro-Negro estar (temporariamente, se Deus quiser) na zona de rebaixamento, a não ser o péssimo futebol apresentado pelo time até aqui. Mas que poderia estar numa situação menos incômoda na tabela de classificação, não fossem os "homens de preto", isso poderia.
Um pontinho pode decidir a sorte de um clube num campeonato. O Atlético pode não estar sendo brilhante nesta temporada, mas seria justo se caísse para segunda divisão por um mísero ponto, tendo acontecido o que aconteceu no Beira Rio? É claro que não... E é contra isso que temos de lutar.

A frase

"É difícil provar que houve dolo, mas o Clube Atlético Paranaense tem todo o direito e, mais que isso, a obrigação, de representar contra o árbitro Luis Antonio Silva Santos, mostrando os lances em que houve dois pesos e duas medidas, em que houve um claríssimo favorecimento à equipe do Internacional, em que houve erros escandalosos que não podem simplesmente ser imputados à interpretação. Deve, enfim, denunciar um crime e exigir punição exemplar do árbitro Luis Antonio Silva Santos."
José Henrique de Faria, economista e ex-reitor da UFPR, em sua coluna na Furacao.com.

sábado, 25 de agosto de 2007

Çafado! Cem-vergonha!

O Atlético e sua torcida que se preparem: daqui pra frente vamos ter que encarar muita roubalheira pra cima da gente neste Brasileirão. O que o juizinho carioca Luiz Antônio Silva Santos aprontou hoje foi algo absurdo. Aliás, trata-se do mesmo juizinho que denunciou no ano passado, na súmula de uma partida na Arena, o arremesso de um copo de "serveja" no gramado. Parodiando o diretor de futebol do Atlético, Alberto Maculan: além de apitar mal, é analfabeto.
Não adianta nem mais ficar lamentando o resultado. Já era, prejuízo certo, não tem mais volta. Mas o Atlético precisa atuar fortemente junto à CBF a partir de agora. Primeiro, exigindo punição para "Luis Antonio Cilva Çantos, çafado e cem-vergonha". Depois, ficando de olho na escala de arbitragem a cada jogo. E botar pressão.
A torcida também pode manifestar sua indignação enviando uma mensagem de repúdio pelo site da CBF. Preencha o formulário, escolha a opção "Departamento de Arbitragem" e solte o verbo - com todo o respeito, é claro.
Envie também um e-mail para o ouvidor da Série A, Ronald de Almeida Silva: ronald.ouvidor@cbffutebol.com.br
Faça a sua parte.

A cara do espanto!


Enfim, a maquete da Arena da Baixada completa foi apresentada durante o lançamento oficial da candidatura de Curitiba como cidade-sede da Copa 2014, no Rio de Janeiro. Pela cara dos delegados da Fifa, o estádio não só foi aprovado como causou espanto. O segundo da esquerda parece estar pensando: "Porra, mas que tesão".
Segundo o vereador Mário Celso Cunha, um dos representes do município no evento, eles gostaram mesmo do que viram. "Ficamos emocionados da maneira como os delegados se comportaram. Eles não fizeram perguntas, apenas elogios. Curitiba é uma cidade de primeiro mundo dentro de um país de terceiro", informou.
Para saber mais, clique aqui.

Clube confirma à Fifa que obras começam no início do ano que vem

Saiu há pouco no site Terra Esportes:
Reformas em Curitiba para Copa começarão em 2008
Ernani Alves
Direto do Rio de Janeiro
O diretor de marteting do Atlético-PR, Mauro Holzmann, apresentou à Comissão de Inspeção da Fifa a cidade de Curitiba como candidata a receber a Copa do Mundo de 2014 que poderá ser no Brasil e informou que pretende iniciar a última fase das obras da Arena da Baixada, no início do ano que vem com o objetivo de deixar o local pronto para o Mundial.
A capacidade vai passar de 26 mil espectadores para mais de 41 mil, independente de Curitiba ser sede da Copa, segundo Mauro. "70% do estádio já está pronto. Agora estamos buscando patrocinadores para viabilizar o restante das obras orçadas em US$ 30 milhões", disse Holzmann.
O dirigente disse ainda que o estádio contará com estacionamento próprio além de vários outros locais em uma distância de no máximo 1,5 mil metros. Holzmann destacou o centro de treinamento do clube como um ponto positivo para a cidade de Curitba receber a Copa.
"Nós possuímos um CT com oito campos oficiais, mais um miniestádio. A 15km da Arena da Baixada", comentou.
O secretário de turismo do Estado do Paraná, Celso Caron, afirmou que até 2014 Curitiba deve aumentar a capacidade da rede hoteleira de 16 mil leitos atualmente para até 20 mil. "A expectativa é passar de 18 mil, que é o exigido pelo Fifa".
O secretário disse também que Curitiba tem tudo para vencer a disputa porque é uma cidade "modelo" de planejamento urbano, serviço de transportes e qualidade de vida.
A apresentação do projeto aos representantes da Fifa no Rio durou 30 minutos e contou com uma maquete para ajudar a visualização da infra-estrutura da cidade. Outros 30 minutos foram utilizados pelos representantes da Fifa para questionamentos sobre a cidade.

Recomeço em Porto Alegre?

Coluna de Augusto Mafuz publicada hoje na Tribuna:

Recomeço
Existem exemplos históricos que são indispensáveis para a vida. No futebol, não existe nenhum exemplo mais clássico de recomeço como o dado por Puskas, o lendário húngaro.
Perseguido pelo regime de Moscou, que tomara a Hungria, Puskas não retornou a Budapeste depois de uma excursão do Honved. Desertou do exército e exilou-se em Roma. A Fifa, mesmo sem causa desportiva, mas para atender o regime soviético, o suspendeu por tempo indeterminado.
Aos 31 anos de idade, não jogando havia dois anos, foi surpreendido com a visita do milionário espanhol Santiago Bernabeu, presidente do Real Madrid.
Bernabeu perguntou-lhe: “Gordo como está, você tem coragem de recomeçar? Se tiver vá para Madri, que eu resolvo com a Fifa”. A força financeira do espanhol era bem maior do que a influência do comunismo dos soviéticos. Puskas respondeu: “Quando se tem ideal todos os dias, pode-se recomeçar. E ganhar”.
Puskas jogou até aos 41 anos. Com Di Stefano escreveu a parte mais importante da história, que deu ao Real Madrid o título de maior time de futebol de todos os tempos.
O mandamento principal na resposta de Puskas, não está na possibilidade de recomeço, mas em ter o ideal para alcançá-lo.
No futebol de hoje pode parecer uma contradição buscar no exemplo de Puskas a esperança para o recomeço. É que simplesmente a palavra-chave é ideal, e ideal não existe mais. O jogador, em regra, hoje não exerce a profissão pelo querer, mas pela satisfação material. Sabe que está jogando em um determinado time por uma eventualidade de mercado. Principalmente quando a cultura desse time dispensa a vitória como fundamento principal de vida, submetendo-a aos negócios.
Embora o jogador materialize na prática essa verdade, a causa vem de cima.
Escrevo sobre o recomeço e a importância do ideal para chegar à vitória, porque o jogador pode ter perdido tudo, mas ainda tem alma. Basta despertá-la.
Bem que Mário Celso Petraglia poderia provocar a alma dos jogadores do Atlético, hoje antes do jogo no Beira-Rio. De repente, o Furacão consegue recomeçar a sua vida.

sexta-feira, 24 de agosto de 2007

Que flagra!

A Gazeta do Povo publicou nesta sexta uma reportagem sobre os salários do diretor da TV Educativa, Marcos Batista, que ganha o mesmo do que um secretário de estado, e do assessor da TVE Algaci Tulio, que recebe os vencimentos de um diretor. Até aí, nada a ver com o rude esporte bretão.
Ocorre que o jornal, para comprovar o que estava descrito na referida reportagem, publicou parte da lista de funcionários do governo estadual com cargo em comissão. E quem aparece ali, logo em segundo lugar na relação? Abrilino Fernandes Gomes, o popular Fernando Gomes, ex-apresentador do Mesa Redonda da extinta CNT (clique na imagem para ampliar).
Fernando Gomes já esteve também (ou ainda está, é de se checar) na folha salarial da Prefeitura de Curitiba - onde "trabalhou", ou "trabalha", na Secretaria de Esportes. Tudo isso enquanto faz às vezes de jornalista e comentarista esportivo na rádio Transamérica.
Será que o Abrilino sente-se à vontade para comentar algo que envolva o governo do estado ou a prefeitura da capital? Como por exemplo a falta de empenho governamental em trazer as Copa de 2014 para Curitiba? Ou o estado de abandono em que se encontra o ginásio do Tarumã?
Que cada leitor deste blog tire sua própria conclusão...

Inter muda para pegar o Furacão

O Internacional terá mudanças para a partida de amanhã contra o Atlético. Sem Guiñazu, lesionado, Abel Braga escalará Magrão. Jonas entrará na vaga de Ceará, de novo com dores lombares. A provável equipe: Clemer; Jonas, Índio, Sidnei e Alex; Edinho, Wellington, Magrão e Roger; Iarley e Adriano.

Bem feito

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) recusou hoje o pedido de efeito suspensivo da pena de três jogos imposta ao meia Tcheco, do Grêmio - punição imposta deviso à entrada maldosa no atacante Alex Mineiro, que resultou um uma cirurgia no rosto do atacante atleticano e o seu afastamento dos gramados até outubro.

O gremista só poderá retornar ao time contra o Botafogo, no jogo marcado para o dia 2 de setembro, no Estádio Olímpico.

Corrente do bem

O usuário Genautech, do Fórum Furacao.com, propõe uma campanha positivista para tirar o time do atoleiro e resgatar o sentimento do Atleticanismo. Veja o texto:

"Chegou a hora pessoal.
Chegou a hora de mostrarmos que não somos seres que não podem reverter coisas ruins.
As coisas ruins acontecem, vêm de uma fonte onde o descrédito, a descrença o desânimo e o sentimento negativo imperam.
Já não bastou o acidente com Alan Bahia?
Já não bastou uma morte?
Já não bastou a desgraça com Alex Mineiro?
Já não bastou a sacanagem com o Evandro?
Já não bastou a série de derrotas?
Já não bastou a impunidade dos agressores?
E pra coroar a onda de negativismo...
Já não bastou a bomba jogada por um espírito errado inebriado dos nossos xingamentos, acusações, raiva, raiva, decepção e desânimo?
O que mais falta para falarmos BASTA!!!! VOU FAZER MINHA PARTE DE OUTRA FORMA!!! DE UM JEITO NOVO! VOU TENTAR!!!
Pessoal, vamos tentar transmitir o que há de bom, por mais difícil que isso seja, vamos apoiar... por mais difícil que isso seja, vamos acreditar num Atlético tão sonhado por todos nós, por mais difícil que isso seja...
Queremos "nosso Atlético de volta"??? Vamos chamar por ele!!! Vamos atrair ele de volta com coisas boas!! Caso contrário nosso Atlético não volta mais...
VAMOS ACREDITAR!!!
Nosso mantra deveria ser outro e não o do rancor...
Hoje começo uma nova atitude!!! Vou tentar e convido a todos para tentarem também!!! Não custa! Não vai nos trazer prejuízo, acreditar e transmitir apoio, mesmo que em pensamento pro nosso time, pra todos que fazem parte dessa paixão chamada Clube Atlético Paranaense!
Vamos desejar boa sorte ao Ney Franco!!! Vamos acreditar que ele vai resolver os problemas do CAP! Vamos confiar e ajudar com nossa energia - a energia do bem a mudar essa situação!!!
Vamo desejar saúde ao Alex, vamos desejar saúde e reabilitação ao Evandro, vamos desejar sorte ao Viáfara, vamos desejar calma ao time!!!
VAMOS APOIAR!!!!!

Convido a todos que demonstrem nesse tópico tudo de bom que desejamos ao nosso time que amamos... Todo sentimento vindo do bem que esperamos rebater à nossa baixada!!
TODA AQUELA ENERGIA PERDIDA DO NOSSO CALDEIRÃO, que se transformou em coisas ruins!!!
VAMOS TRANSFORMAR TODAS AS COISAS RUINS QUE ESTÃO ACONTECENDO EM VITÓRIA, SAÚDE, COMPETÊNCIA!!!
VAMOS ACREDITAR!
VAMOS MUDAR ISSO!!!
Por favor, somente mensagens de apoio e de transmissão da BOA ENERGIA AQUI!!!
E ENTÃO??? QUEM TÁ NESSA??"
* * *
O Blog da Baixada apóia esta campanha incondicionalmente.


Para frente ou para trás?

Após rápidas férias de 8 dias, Augusto Mafuz voltou a escrever hoje sua coluna na Tribuna do Paraná. E voltou mais ácido do que nunca. Confira:
Rotina
De propósito, esqueci da vida que levo aqui, durante oito dias. Queria ter a exata dimensão do que altera a nossa vida de rotina durante um curto período.
Não sei se para o bem ou para o mal, concluí que alguns dos nossos valores são manipulados pela incompetência e a falta de vontade quase voluntária para que continuem estáticos.
O Atlético, por exemplo. Nesses oito dias, para quem não o conhece, parece que virou do avesso. Mas na prática o que aconteceu já era absolutamente previsível. Então, aos fatos, que em tese, seriam os mais importantes.
1.º - O Atlético não venceu porque a derrota foi incorporada à sua vida como regra. A vitória, definitivamente, deve ser comemorada como uma exceção.
2.º - Mandou os Lopes e Yamato embora. A demissão foi apenas consequência do erro da contratação, o que afasta a idéia de surpresa do fato.
3.º - Contratou Ney Franco, porque era um treinador desempregado. Mais grave: contratou um técnico que foi demitido porque estava conduzindo o Flamengo à segunda divisão. Pratica o mesmo erro com a comissão anterior, porque os Lopes e Yamato, também foram responsáveis pelo rebaixamento do Coritiba.
4.º- Ney Franco chega e já comete um gravíssimo erro: escala o mesmo Claiton, que afastou por indisciplina pessoal e tática no Flamengo. De cara o novo treinador mostra que a coerência não é o seu forte.
5.º- A torcida grita “fora Petraglia”. Mas esse filme já vi. O roteiro é puro populismo: muda-se o técnico, baixa-se o valor dos ingressos, e tudo é esquecido pelo sono de apenas uma madrugada. A saída de Petraglia não é a solução: primeiro, porque indo além do improvável, chega ao impossível; segundo porque o que começou com Petraglia tem que terminar com Petraglia; terceiro, porque a solução não está no impossível, que é a saída de Petraglia, mas na volta dos que saíram, que seria possível se houvesse bom senso dos conselheiros em exigir uma mudança urgente nos estatutos, que nega o direito dos ex-presidentes serem vitalícios.
6.º - O presidente João Augusto Fleury dá outra entrevista e, como sempre, fala coisas que não deveria. Aliás, nem deveria dar entrevista, muito menos dar algumas respostas, que para quem o não conhece, beira a inconseqüência.
7.º - Procuro saber onde anda Petraglia e ninguém quis me responder. Não estaria na Itália? Nada de novo, porque nesses momentos, coincidentemente, ele se obriga a viajar.
Bem disse o saudoso Aníbal Khoury: o Atlético é uma força em marcha. Não se sabe se para frente ou para trás.

quinta-feira, 23 de agosto de 2007

Valencia fora

A Furacao.com, com base em informações da rádio Transamérica, informa que o volante colombiano Valencia se contundiu no treinamento realizado na tarde de hoje, no CT do Caju, e está fora da partida contra o Inter, em Porto Alegre. Em seu lugar, o técnico Ney Franco deve escalar Erandir, Netinho ou André Rocha.

Ney Franco x Eu

Segundo a Gazeta do Povo Online, o técnico Ney Franco deve optar pela seguinte escalação para a partida de sábado contra o Inter: Viáfara; Jancarlos, Danilo, Rhodolfo e Edno; Alan Bahia, Valencia, Claiton e Ramon; Ferreira e Marcelo, num autêntico 4-4-2.
Minha escalação, fosse eu o "trenêro", seria a seguinte, no 3-5-2: Viáfara; Danilo, Rhodolfo e Antônio Carlos; Jancarlos, Alan Bahia, Valencia, Ramon e Netinho; Ferreira e Pedro Oldoni.
Isso se o zagueiro Antônio Carlos já estiver bem fisicamente. Com três zagueiros e dois volantes, cravava o Netinho na ala esquerda com liberdade de criação, ao lado do Ramon, com o Ferreira caindo pelas pontas e o P.O. mais fixo na área.
Qual das duas formações você prefere?

Quem planta, colhe

"Eu treino bastante. Treino uma média de 50 faltas a cada dois dias. Só com o treinamento mesmo que você pode aprimorar isso. E na hora do jogo pode ter a tranqüilidade para fazer o gol"

Ramon, meia do Atlético, em entrevista ao site oficial do CAP.

Achei engraçada esta declaração do Ramon. Quantas cobrança de falta será que os demais jogadores do Atlético treinam por dia? Ou por semana? Quiçá por mês? Não sei, mas não podem ser muitas... E não só os do Atlético.

Fosse eu um jogador de futebol e disso me sustentasse, e gostasse de fazer isso, fosse eu, estaria cobrando umas 200 faltas por dia para treinar. Porque se em qualquer pelada não há nada mais tesão do que marcar um golaço de falta, imagine numa partida profissional. E, mesmo aqueles que não são assim tão íntimos da bola, como eu, sabem que o treinamento à exaustão pode aperfeiçoar o fundamento de tal forma que o aproveitamento seja no mínimo satisfatório.

Sem falar que um jogador que é conhecido por marcar gols de falta é muito mais valorizado - e chega a ser disputado pelos clubes.

Não dá mesmo para entender a cabeça dos boleiros.

quarta-feira, 22 de agosto de 2007

O príncipe dos empates

Mais uma da série "analisando as estatísticas": o Atlético é o segundo time que mais empatou no Brasileirão 2007 até agora, em 8 ocasiões. Mesmo número do que o Fluminense e um a menos do que o "rei" dos empates, o Corinthians.
Dos oito empates, seis (!!!) deles foram sob o comando do delegado Antônio Lopes.
O mais lamentável disso é que, olhando para a tabela de classificação, vemos que, se tivéssemos vencido pelo menos dois desses jogos, como por exemplo contra Náutico e Fluminense (os dois terminaram em 1 x 1), teríamos 4 pontinhos a mais, pulando para a 11.ª colocação. Mais um golzinho contra, por exemplo, o Corinthians (2 x 2), e já encostaríamos no Goiás, na 9.ª posição... Ah, empates ingratos...

terça-feira, 21 de agosto de 2007

A canção

"Tava na beira do caos /
Tava na beira do mal /
Numa piração total /
Hoje o dia está tão claro /
Que o tempo é meu amigo"


Trecho da música "Tava na beira do caos", de autoria do novo técnico do Atlético, Ney Franco, compositor nas horas vagas, condiz muito com o momento atual do Furacão na busca por dias mais calmos.

Furacão tem o quinto melhor ataque do Brasileiro!

Estava dando uma olhada na tabela do Brasileirão e notei que o Atlético tem o quinto melhor ataque da competição! Talvez todos tenham reparado nisso, menos eu, o desligadão, mas o fato realmente me surpreendeu.
Vejam só: nada menos do que dez dos times que estão melhores do que o Furacão na tabela marcaram menos gols na competição. Entre eles o líder São Paulo (24), o quinto colocado Palmeiras (27) e o sexto, Grêmio (apenas 20).
E, xeretando na tabela dos artilheiros, reparei também que devemos este bom desempenho muito a Alex Mineiro (8 gols) e... Pedro Oldoni, o segundo melhor "fazedor de gols" do time no campeonato, com 4 gols. Mais do que Marcelo (3), Dinei e Edno (2) ou mesmo Dênis Marques (1).
Por outro lado, o fato do Atlético estar na décima-sexta colocação pode ser debitado na conta da zaga, já que 29 bolas foram parar nas redes dos arqueiros rubro-negros - o oitavo pior desempenho da Série A.

Ney Franco quer brigar pela Libertadores

As principais frases do novo técnico do Atlético, Ney Franco, em entrevista ao site oficial:
“O time está em uma situação delicada, então temos que buscar metas à curto prazo para sair dessa situação incômoda na tabela. Primeiro, vamos deixar o Atlético longe dessa situação desconfortável e depois vamos brigar por uma vaga na Libertadores”
“O elenco do Atlético tem potencial, é um elenco bom. Acredito que, pelo elenco que possui, merece estar em uma posição melhor no campeonato. Conheço alguns atletas como o Ramon, o Ferreira. O Ferreira, inclusive, ano passado, eu votei como melhor meio campo do Brasileiro. Então, existem jogadores diferenciados”
“Vamos nos reunir com a comissão técnica para ter detalhes sobre os atletas, número de atletas e como a equipe vem jogando. Não podemos mexer muito na estrutura por enquanto, pois não há tempo, não podemos inventar muito”

Atlético, governo e prefeitura apresentarão candidatura à Fifa

Materia publicada hoje na Gazeta do Povo:
Governo estadual, prefeitura e Atlético definiram ontem como será a apresentação da candidatura curitibana à Copa 2014 aos representantes da Fifa. O evento deve ser possivelmente sexta-feira ou sábado, no Rio de Janeiro. Ainda falta a confirmação oficial da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).
Conforme o programa da entidade que comanda o futebol mundial, além da capital paranaense, Belém, Campo Grande, Cuiabá, Florianópolis, Fortaleza, Goiânia, Maceió, Manaus, Natal, Recife/ Olinda, Rio Branco e Salvador também irão mostrar seus projetos.
Dessas 13 pré-candidatas, tudo indica que apenas cinco (no máximo sete) serão indicadas como subsedes do Mundial. São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte e Brasília estariam de antemão garantidas.
“Iremos apresentar um vídeo de Curitiba, outro do Paraná e também algo do estádio [a Arena]”, diz o secretário de Turismo do Estado, Celso Caron. “Após apresentarmos um caderno de encargos com fôlego, agora entraremos em uma fase mais decisiva”, completa ele. O político será um dos oradores na solenidade feita para seduzir os delegados da Fifa.
O secretário municipal de turismo, Luiz de Carvalho, assim como o diretor de marketing do Atlético, Mauro Holzmann, estiveram na reunião desta manhã e devem completar a comitiva local na cerimônia marcada para o Windsor Barra Hotel.
Conforme o rito préestabelecido, todas as candidatas terão apenas 30 minutos para apresentar vídeos e mais meia-hora para esclarecer possíveis dúvidas. Cada cidade ocupará uma sala independente, podendo assim decorá-la como achar melhor.
Governo estadual, prefeitura e Atlético definiram ontem como será a apresentação da candidatura curitibana à Copa 2014 aos representantes da Fifa. O evento deve ser possivelmente sexta-feira ou sábado, no Rio de Janeiro. Ainda falta a confirmação oficial da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).
No caso de Curitiba, programou-se a exibição de filmes institucionais do estado e município, além de um inédito sobre o projeto de conclusão do Joaquim Américo. Cartazes também serão utilizados. A apresentação deve ser oral (em inglês).
Em relação aos dados técnicos, definiu-se no encontro que será preparado um documento em Power Point com especificações sobre transportes, rede hoteleira e hospitais, três dos principais temas de interesse da Fifa.
A direção do Rubro-Negro não quis se pronunciar sobre detalhes envolvendo o planejamento. “A campanha é do estado. Então somos apenas ouvintes”, limitou-se a dizer Holzmann. No entanto, o governo já definiu a participação do clube no encontro. “Para falar da Arena e não da Kyocera Arena, pois a Fifa não aceita nomes com propagandas”, adverte Caron.

segunda-feira, 20 de agosto de 2007

Ney Franco é o novo treinador

Ney Franco, ex-Flamengo, é o novo técnico do Atlético. Chegou hoje a Curitiba para acertar as bases salariais e o anúncio oficial deverá acontecer nesta terça-feira.

Para ver o currículo do homem, clique aqui.

Especulações e mais especulações

A cada olhada no noticiário do Atlético nos sites jornalísticos, vemos crescer a lista de possíveis nomes para assumir o comando técnico do Furacão. Agora, segundo o Estadão, Bonamigo e Ivo Wortmann entram na disputa, juntamente com Tite e Geninho.
E você, que treinador contrataria para o Furacão?

Delegado já era

O Atlético anunciou há instantes a demissão do técnico Antônio Lopes, do auxiliar Lopes Junior e do supervisor Oscar Yamato. Segundo nota divulgada no site oficial, "a decisão de afastá-los foi tomada considerando critérios técnicos". Sob o comando de Lopes, o furacão conseguiu apenas 3 vitórias em 16 partidas.
Nos últimos dias, a imprensa paranaense já cogitava a possibilidade de troca no comando técnico do time, abrindo a fase de especulações sobre o provável nome do substituto. Entre os cotados, foram citados Tite e (atualmente sem clube) e o campeão brasileiro Geninho (atualmente no Sport).

domingo, 19 de agosto de 2007

Judia de mim!

É como diz a velha canção de Chico Da Silva e Antônio José, conhecida na interpretação da "Marrom" Alcione:
Não posso mais alimentar
A esse amor tão louco
Que sufoco
Eu sei que tenho mil razões até
Para deixar de lhe amar
Não, mas eu não quero
agir assim, meu louco amor
Eu tenho mil razões
Para lhe perdoar
Por amar
Este ano o Atlético esá nos dando mil razões para deixá-lo de lado. Mas a gente não aprende.

sexta-feira, 17 de agosto de 2007

A frase

"O torcedor é o décimo segundo jogador, sabemos disso e não podemos negar. O torcedor do Atlético é muito forte. Tive a oportunidade de enfrentar o Atlético aqui diversas vezes e sem da força que tem o torcedor. E é com a força de todos que podemos sair dessa situação"
Ramon, meia, que fará sua estréia como titular do time na partida de amanhã contra o Figueirense.

A Baixada é do povão!


A melhor notícia do semestre: a torcida e os jogadores pediram, e a diretoria cortou o preço dos ingressos em 50% para os jogos na Baixada já a partir da partida deste sábado contra o Figueirense. Os torcedores que já adquiriram seus ingressos para o jogo de amanhã, com valores de ingressos não promocionais, devem comparecer nas bilheterias do estádio atleticano para trocar seu ingresso por dois bilhetes promocionais ou ter o ressarcimento da diferença em dinheiro.
Os sócios ainda não serão beneficiados na partida deste sábado. Em seu site oficial, o clube explica que ainda está estudando como proceder com relação aos associados Entre as opções a serem anunciadas no decorrer da semana, estão:
- Creditar no Smartcard um ingresso extra, de modo que o sócio possa levar um convidado e disponibilizar seu acesso ao passar o cartão uma segunda vez na catraca. Nos moldes sugeridos, essa medida, se adotada, estará segura contra a ação de cambistas e não terá a necessidade de uma bilheteria exclusiva para retirar ingressos aos seus convidados;

- Prorrogação do contrato;

- Desconto nas últimas parcelas do contrato;

- Desconto na aquisição de nova cadeira;

- Desconto na Arena Store, parcelado periodicamente. Esse desconto poderia vir atrelado a uma política de fidelidade do sócio, de modo que a continuidade no pagamento implicaria no aumento do crédito periódico.

- Entrega de Camisa oficial (autografada por um ídolo a escolha do sócio)

- Desconto no estacionamento.


quinta-feira, 16 de agosto de 2007

A face da derrota

O time do Atlético é péssimo? Não. É apenas regular, modesto tecnicamente, como a maioria dos demais da primeira divisão. O problema não é a falta de qualidade - ou não é "apenas" a falta de qualidade. A verdade é uma só: esse time tem a face da derrota. São jogadores que não dão a mínima perspectiva de alegrias para a torcida. Do goleiro ao centro-avante. É um elenco formado por atletas que já se acostumaram com o fracasso, para quem jornadas lamentáveis como a de ontem, contra o Vasco (2 x 4), já viraram rotina. E não há forças para reagir.
Gostaria de saber se existe um só atleticano que confia no colombiano Viáfara defendendo nossa meta.
Nossa zaga... é medonha, não impõe o mínimo respeito aos adversários, perde jogadas por baixo, por cima, pelos lados.
E o ataque, simplesmente inexiste. Num ou outro rompante, Marcelo ou Dinei até podem marcar um golzinho. E só. Ontem, contra o Vasco, não vi Marcelo em campo. Aliás, quando notei que ele tocou finalmente na bola, já no segundo tempo, ele errou o passe de forma medonha.
Mas as minhas maiores decepções estão, mesmo, nos "carecas" que foram contratados para solucionar o crônico vácuo existente nas laterais do Atlético há anos. Edno e Nei, que pareciam ser boas contratações, mostram-se mais enfadonhos a cada partida. Não marcam e não apóiam. Não sabem o que fazem. A "maldição dos laterais" parece que vai continuar assombrando a Nação Atleticana por algum tempo ainda...
E, quando a torcida aposta suas esperanças no "ídolo" colombiano Ferreira, cai na realidade ao ver um jogador esforçado, valente, mas que não resolve, que perde gols na cara go arqueiro adversário, que não decide as partidas. Ferreirinha, bom camarada, mas longe de ser um craque, não pode ser de maneira alguma o cabeça-pensante do time, ainda mais jogando ao lado de jogadores apenas esforçados (quando o são).
Se há algo de bom para se falar, é que o volante Valencia é excelente - e jogou muito ontem, para mim foi o melhor atleticano em campo disparado - e que Ramon, quando entrou, deu uma outra cara ao time. Uma cara de vencedor.
As esperanças, cada vez menores, ficam agora por conta da entrada de Ramon ao lado de Ferreira, de um meio-campo mais consistente com Alan Bahia e Valencia, e de que Pedro Oldoni tenha as mesmas chances que os demais atacantes (ele nunca teve a oportunidade de ser titular por duas partidas seguidas, quem dirá por meia dúzia como o Dinei ou Marcelo, que demonstram um aproveitamento ridículo).
Fora isso, muita oração. O melhor reforço para o momento talvez fosse Hélio Alves, o "Feiticeiro do Futebol. Só com muita mandinga esse time se salva.

terça-feira, 14 de agosto de 2007

O valor de Guilherme: 3,3 milhões de euros!

Coluna de Augusto Mafuz de hoje, na Tribuna, traz detalhes sobre a venda do goleiro Guilherme:

Notícia especial
O Atlético cedeu ao Lokomotiv, de Moscou, em definitivo, os direitos sobre o vínculo de Guilherme. Nada de especial, ao contrário, absolutamente natural em época que um mercado fornecedor atende um comprador.

Mas os detalhes do negócio é que tornam a notícia especial: Guilherme é um menino de 20 anos, profissionalizado há pouco tempo, joga de goleiro, posição que jamais um clube europeu se dispôs a gastar. Elton (Vasco) e Dida (Cruzeiro) foram embora após litígio com seus clubes; Júlio Cesar (Flamengo) e Doni (Corinthians) por fim do contrato. Não me recordo como Taffarel foi embora do Inter, mas é certo que foi depois de ser o melhor goleiro da Copa dos Estados Unidos, em 1994.

E agora o fato mais relevante: o Atlético receberá liquido o valor de 3,3 milhões de euros pela cessão de Guilherme.

Pode falar o que quiser, mas tem que se tirar a cartola para Mário Celso Petraglia quando se trata de arrumar o caixa do clube. Dizem que haverá um próximo, Alan Bahia ou Dinei. Seja quem for, se acontecer não bastará tirar só a cartola.

O fraque, também.

Finalmente chegou a vez daquele que tem vocação de ser o grande goleiro depois de Flávio: Vinícius.
* * *
Detalhe: para efeito de comparação, o São Paulo acertou a liberação do volante Josué, destaque na seleção campeã da Copa América, para o Wolfsburg, da Alemanha, por US$ 2 milhões. Se o Atlético realmente vendeu Guilherme por 3,3 milhões de euros líquidos, levando-se em conta a pouca experiência do atleta e o fato dele não ser uma unanimidade nem mesmo entre a torcida rubro-negra, esta transação pode ser considerada um feito histórico.

segunda-feira, 13 de agosto de 2007

Atleticano na chuva


Para alegrar um pouco o blog, uma charge do espetacular Pancho.
Qualquer semelhança com o momento vivido pelo Atlético (não) é mera coincidência...

Ramon liberado! Agora vai?

Finalmente uma boa notícia: o Atlético conseguiu registrar hoje o meia Ramon. O nome do atleta já apareceu no BID de hoje da CBF e ele poderá ser inscrito na Copa Sul-Americana junto à Conmebol - o prazo termina amanhã.
Ramon não é a salvação da pátria e não vai carregar o tim esozinho. Mas vai ajudar Ferreira na criação de jogadas - setor onde o time está carente (como em todos os outros, é bem verdade) - e pode ser decisivo pelo bom aproveitamento nas bolas paradas.

O povo dos estádios

Visão de Carlos Alberto Pessôa, em seu site, sobre o povão que freqüenta os estádios:
O buraco é mais embaixo
A seleção é da CBF. E na CBF manda o excelente Ricardo Teixeira. Que escolhe o treinador - e a seleção que joga é a seleção do treinador, não a seleção do povo, graças a Deus, porque o povo é débil mental, baba na gravata. E o povo dos estádios é pior ainda - é um débil mental raivoso, fanático, cheio de som e fúria e estupidez e desvios clubísticos; um horror. UUUUUUUU. Isso significa que estou a vaiar o povo. Por falar nisso, o que é mesmo povo?
Você concorda?

Mãe Diná

Meus palpites para o segundo turno são os seguintes:
  • Atlético x Figueirense - Atlético
  • Internacional x Atlético - Inter
  • Santos x Atlético - Santos
  • Atlético x Atlético Mineiro - Atlético
  • Goiás x Atlético - Empate
  • Fluminense x Atlético - Atlético
  • Atlético x Palmeiras - Empate
  • Atlético x Paraná - Atlético
  • Náutico x Atlético - Atlético
  • Atlético x Botafogo - Empate
  • Atlético x Vasco - Atlético
  • Juventude x Atlético - Empate
  • Atlético x América - Atlético
  • Cruzeiro x Atlético - Cruzeiro
  • Atlético x Grêmio - Empate
  • Corinthians x Atlético - Empate
  • Atlético x Sport - Atlético
  • Flamengo x Atlético - Flamengo
  • Atlético x São Paulo - Atlético
Seriam nove vitórias e seis empates - o que livra o Furacão do rebaixamento e talvez renda uma classificação para a Sul-Americana. Mas não dá pra esquecer que, em todo o primeiro turno, foram apenas cinco vitórias...
E você? Quantas vitórias você acha que o Atlético conseguirá neste segundo turno? Vote na enquete ao lado.

Sem Ramon, fica mais difícil

Parece que o Atlético não vai conseguir registrar o meia Ramon hoje na CBF e, assim, o jogador só poderá jogar na Copa Sul-Americana se o Rubro-Negro chegar à semifinal. Uma pena, porque trata-se de um atleta que pode decidir as partidas e ser o diferencial num torneio de mata-mata como esse, principalmente em cobranças de falta. Aliás, as últimas boas campanhas nacionais do Furacão foram bem-sucedidas muito graças a bons cobradores de falta: Souza, em 2001, e Jadson, em 2004. Vale lembrar também que ano passado, pela mesma Sul-Americana, só passamos pelo River Plate após dois gols de falta marcados por Jancarlos, na Arena.
Tomara que seja registrado logo, porque precisaremos de um jogador que decida partidas também pelo Campeonato Brasileiro. Um ou dois jogos decididos numa cobrança de falta podem fazer toda a diferença lá no final.

Guilherme vai pra Rússia

O goleiro Guilherme foi vendido para o Lokomotiv Moscow, anunciou oficialmente o clube em seu site oficial. Agora, o colombiano Viáfara deve assumir a condição de titular do Rubro-Negro.

sábado, 11 de agosto de 2007

A frase do ano

“Acontece que, no exterior, ninguém conhece outro clube do Paraná que não o Atlético. Se você falar de Coritiba, Paraná ou Real ninguém sabe quem é. Então quando souberam que era um clube paranaense, já acharam que se tratava do Atlético”
Aurélio Almeida, presidente do Real Brasil,
explicando a parceria do clube com o mexicano Puebla em entrevista à Agência Placar

Clube desmente parceria no méxico. Parceiro do Puebla seria o Real Brasil

Matéria de hoje na Tribuna do Paraná:


Paranaense é o Real Brasil, e não o Atlético

A informação de que o Atlético estaria em negociação com o clube mexicano Puebla FC para adquirir o controle acionário da instituição foi desmentida ontem pelo presidente do Conselho Deliberativo, João Augusto Fleury da Rocha. De acordo com o cartola, o Atlético não tem interesse em firmar parcerias ou comprar ações de times do futebol mexicano, conforme foi divulgado por emissoras de rádio. A assessoria do Furacão informou que “qualquer notícia seria veiculada no site do clube”.

A declaração do presidente atleticano contraria também os diversos sites de notícias do México, como o El Mercurio; El Financiero; mediotempo.com; milenio.com e notiver.com.mx. Os sites relatam desde uma simples parceria que envolveria a troca de jogadores - nos mesmos moldes que o Atlético possui com o norte americanos Dallas - até a possível compra de ações do Puebla, pela quantia de US$ 12 milhões (R$ 24 milhões).

Diante da informação da imprensa mexicana e da negativa do Atlético, a Tribuna procurou saber qual clube estaria envolvido na negociação. Aurélio Almeida, presidente do Real Brasil, que disputa a Copa Paraná, assumiu a responsabilidade pela transação com o Puebla. Segundo ele, serão investidos US$ 11,5 milhões na compra de 90% das ações do Puebla, mas a negociação só seria concretizada numa reunião no dia 27 envolvendo os proprietários de clubes da 1.ª Divisão do futebol mexicano. Esse crivo se faz necessário pois será a 1.ª vez na história do futebol daquele país que uma instituição estrangeira gerenciaria um clube mexicano. Essa ação faria parte da política recém-adotada pela Federação Mexicana de Futebol para a abertura a investimentos estrangeiros.

Puebla seria vitrine brasileira

Conforme Aurélio Almeida, a divulgação do nome do Atlético foi uma confusão da imprensa mexicana, que associou o nome “Paranaense” ao Furacão. “Na verdade o time paranaense citado é o Real Brasil”, confirmou.

De acordo com ele, com a concretização do negócio, será possível levar do Brasil para o México cinco jogadores para ficar na vitrine daquele país. E a partir da futura transação desses atletas é que o Real Brasil ganharia dinheiro. Questionado sobre o valor de US$ 11,5 milhões ser baixo para a compra de um clube, Aurélio explicou que não envolve a parte estrutural. “Adquirimos o que seria o “direito federativo” do clube. Lá o estádio pertence ao Estado (Puebla). É ele quem dá as condições, pois cada Estado só pode ter um representante na competição”, afirmou. A negociação estaria sendo feita diretamente com Francisco Bernal, que é o sócio majoritário do clube mexicano, conforme o presidente do Real Brasil.

Antes de ser dono de clube, Almeida foi jogador de futebol e empresário de atletas, quando intermediou muitas transações de brasileiros para o México. Atualmente é dono do Real Brasil, cuja sede é em Foz do Iguaçu, e disputa a Copa Paraná, na qual está em último lugar.

Antes do Real, criado em 2005, Almeida foi proprietário do Prudentópolis, Império Toledo e Grêmio Maringá. Esse último clube, o empresário ainda detém a marca, mas o Grêmio está envolvido em várias dívidas, as quais Almeida atribuiu aos dirigentes anteriores.

Quanto ao gerenciamento do Puebla, ele seria feito por um dos sócios mexicanos.

sexta-feira, 10 de agosto de 2007

Delegado na moral

A participação dos internautas na enquete desta semana foi proporcional à presença de público na Baixada nas últimas partidas: medíocre. Mesmo assim, dá pra ver que Antônio Lopes está com a moral alta com a torcida: 72% dos participantes acham que o delegado deve permanecer no comando da equipe pelo menos até o final do Brasileirão.
No que concordo totalmente.
Aliás, quando Lopes resolver aposentar as chuteiras como treinador, eu gostaria muito de vê-lo trabalhar como supervisor de Futebol do Furacão - cargo que ocupou na seleção brasileira pentacampeã mundial em 2002.
Quem sabe no ano que vem...

Atlético pode se associar a time mexicano

Esta saiu hoje no Jornal do Estado:
Atlético pode comprar clube do México
O Atlético Paranaense pode comprar 70% das ações do Puebla, clube da primeira divisão do México. A informação foi divulgada por jornais e sites desse país da América do Norte. “A Federação Mexicana de Futebol (FMF) abre suas portas para o investimento de capital estrangeiro para os clubes que assim queiram, mas desde que se trate de dinheiro limpo e transparente”, disse o presidente da FMF, Justino Compeán Palácios, para o jornal El Financiero.
“A abertura da Federação surge depois do suposto interesse da empresa brasileira Grupo Tribuna – proprietária do Atlético Paranaense – em adquirir por 12 milhões de dólares 70% das ações do Puebla”, relata a reportagem do El Financiero. No entanto, o clube brasileiro é uma sociedade civil sem fins lucrativos e não tem proprietários, nem vende ações. No balanço patrimonial de 2006, divulgado em junho de 2007, o Atlético registrou superátiv de R$ 15,5 milhões.
A reportagem do JE tentou contato pelo telefone celular do presidente do Atlético, João Augusto Fleury da Rocha, mas não obteve retorno. Os dirigentes do clube raramente concedem entrevistas e preferem se manifestar apenas pelo site oficial.
Emilio Maurer Espinosa, assessor do Puebla, explicou que a negociação está em andamento. “Não é momento para dar mais detalhes”, disse, ao jornal mexicano. “A verdade é que (a colaboração deles) seria investindo certo capital e se converteriam em sócios da equipe”, explicou. O site mediotempo.com, que também falou sobre o interesse do Atlético no clube mexicano, afirmou que uma das condições da negociação é a permanência da equipe na cidade de Puebla. Outro site que comentou o caso foi o Milenio.com, do México. “Vamos esperar o dia 27 de agosto quando se realize a assembléia da Primeira Divisão com todos os proprietários das equipes”, disse o presidente da Federação Mexicana, na reportagem do Milenio.com. No site notiver.com.mx, Emilio Maurer, dirigente do Puebla, afirmou que os clubes negociam apenas uma parceria, que pode envolver a transferência de jogadores.
O Puebla foi duas vezes campeão da Liga Mexicana (em 1983 e 1990) e uma vez da Copa da Concacaf, em 1992. O clube foi fundado em 1904, mas só em 1944 passou a atuar no futebol profissional. O time foi rebaixado para a segunda divisão na temporada 2004/2005 e voltou agora, no campeonato 2007/2008, à elite do futebol mexicano.
Hoje, o Atlético mantém parceria com o Dallas FC, dos Estados Unidos. Até agora, os times fizeram amistosos, trocaram experiências e acertaram a transferência do atacante Ricardinho — do Paraná para o Texas.
* * *
Bem, onde há fumaça, há fogo. Mas é óbvio qiue não existe nenhum "Grupo Tribuna", proprietário do Atlético. Algum jornal mexicano escreveu a bobagem e a reportagem do JE embarcou. Não creio que o Atlético iria comprar um time no México. O mais provável mesmo é que busque uma parceria, como consta na notícia abaixo:
martes, 7 de agosto , 2007 - 05:46:04
(RPP) Aunque no explicó los términos de la negociación con el Atlético Paranaense, Emilio Maurer, director deportivo del Puebla, aclaró que no se trata de una compra de industriales brasileños en México, sino de crear una sociedad con ellos. “No es una compra, sino una asociación. Es una inversión de ellos con nosotros. Es algo que está mirándose, y puede caber la posibilidad”, reconoció Maurer.
Cuestionado sobre los avances y proyectos trazados al respecto, el directivo no quiso proporcionar detalles. “Los tratos que se necesitan ya veremos, porque es una negociación interna, pero sí que ellos tengan que ver, que tengan ingerencia con nosotros y que aporten recursos, además de los recursos económicos y deportivos que también podríamos tener. Esa es la idea, rápidamente, en términos generales”, agregó.
Asimismo, reconoció que a mediano plazo, podría darse, entre esos acuerdos, la presencia de futbolistas amazónicos en el club de La Franja. “A su debido tiempo, cuando se necesite, se hará”, admitió Maurer.
* * *
Para quem quiser conhecer o clube mexicano, o site não-oficial do Puebla é http://www.puebla-fc.org/
Aliás, se o clube estivesse sendo "vendido" para estrangeiros, o fórum de torcedores neste site estaria "bombando" com mensagens sobre o tema. Mas não encontrei nenhuma discussão sobre o assunto.

Segredo revelado


Algumas das imagens já estvam circulando em blogs e fóruns internet afora, mas agora foi a vez da Gazeta do Povo publicar, na capa do caderno de Esportes desta sexta-feira, parte do projeto de conclusão da Arena da Baixada. As imagens mostram a nova reta, na Brasílio Itiberê, sem colunas de sustentação e com um teto maior, sustentado por um arco metálico; a fachada totalmente remodelada, mais moderna, e um verdadeiro "calçadão" integrando o estádio à Praça Afonso Botelho; e áreas de circulação com rampas, elevadores e com teto de vidro.


A capacidade final do estádio será para 41.375 espectadores – acima do mínimo de 40 mil exigido pela Conmebol para decisões de torneios continentais. Deste total, 37.816 lugares são exclusivos para o público. Os 3.559 assentos restantes são divididos entre posições de imprensa e camarotes.
O estádio ainda terá uma sala de 2.420 metros quadrados reservada para a Fifa e uma nova área para entrevistas (sala de coletivas, zona mista e de entrevista flash), localizada abaixo da nova reta.


Resumindo: vai ficar um tesão. Já vi pelo menos uns 7 projetos de reforma ou de novos estádios no Brasil com vistas à Copa de 2014 (do Inter, Figueirense, Morumbi, etc) e posso dizer: a Baixada continuará sendo o estádio mais bonito e moderno e arrojado do país.

quinta-feira, 9 de agosto de 2007

Próxima parada: Bambilândia

Na próxima partida do Furacão no Brasileirão, pela última rodada do primeiro turno, adversário será um velho conhecido, o São Paulo, mais conhecido como "time dos bambis", em pleno Morumbi (Bambilândia).
E tudo indica que será a primeira partida do Atlético contra o Dagobambi, ou Bambiberto (desenho acima), o jogador dos Massas e Malaquias - aquele que vive contundido e que, movido pela ganância, esnobou o time que o revelou.
Se bem que ontem, na partida dos bambis contra o Botafogo, ontem, Dagobambi estava sumido em campo e foi substituído. Mas tomara que jogue no sábado. Um motivo a mais para o time de Antônio Lopes jogar com gana.
De qualquer forma, com ou sem Dagobambi, será uma parada duríssima. O São Paulo é o líder do campeonato e já abriu 5 pontos sobre o segundo colocado, o Botafogo. Será uma partida onde o time precisará ter raça e determinação em todos os 90 minutos.

Atlético 2 x 0 Flamengo. Lopes retoma confiança

Finalmente, a vitória. Os 2 x 0 sobre o fraco Flamengo deram um "respiro" ao Atlético na tabela e fez o técnico Antônio Lopes retomar a confiança no time. Veja a matéria da Gazeta do Povo Online:
Lopes valoriza conquista e já fala em vitória contra o São Paulo
A diferença entre o técnico Antônio Lopes da entrevista coletiva dada após a derrota do Atlético para o Sport e a da vitória desta quinta sobre o Flamengo era absurda. Se o tom era de abatimento e tristeza no último fim de semana, agora o delegado passava mais tranqüilidade e confiança para os torcedores.
O treinador atleticano elogiou o seu time e destacou a qualidade do adversário, que teria valorizado a conquista dos paranaenses. “Acho que foi uma boa apresentação do nosso time sobre todos os aspectos. A nossa vitória foi valorizada porque o Flamengo fez uma boa apresentação e eles têm grandes jogadores de um nível técnico excepcional, como o Roger, Renato augusto, Obina, que é muito perigoso, Leonardo Moura e Juan. Eles fizeram uma boa apresentação e isso valorizou nossa vitória”.
A vitória devolve a confiança ao time atleticano. “Representa para o time, não só para mim, um ganho de confiança. Venho colocando para eles que o time está evoluindo, subindo de produção e realizando boas partidas. Isso dá confiança. Quando você tem a obrigação de vencer, fica pressionado e as vezes isso desestabiliza os jogadores. Foi uma vitória que nos dá a chance de fazer um trabalho mais tranqüilo para o jogo contra o São Paulo”.
A desatenção, determinante para a derrota atleticana contra o Sport, não existiu no jogo desta quinta, segundo o treinador. “Acho que o time teve a mesma atitude e o espírito e competitividade que teve contra o Sport, só que contra eles faltou atenção. A equipe se desligou nos 10 minutos iniciais enos 10 finais”.
Confiança

O treinador Antônio Lopes mantém um bom grau de confiança para o próximo jogo do Furacão, neste fim de semana, contra o líder São Paulo. “Será uma partida difícil contra o líder. Todo mundo sabe que é complicado de vencer o São Paulo jogando lá. Acho que não vamos como franco atiradores e temos condição de fazer um bom jogo. A equipe deles é excepcional, mas podemos colher um bom resultado”.
Pela entrevista dada, mesmo se o meia Ramon for liberado pela CBF, Lopes afirmou que deve repetir o mesmo time que atuou nesta quarta. “A tendência é repetir a equipe, como praticamente fizemos para este jogo em relação ao Sport. Se não tivermos problemas de lesão devemos repetir o mesmo time”.

quarta-feira, 8 de agosto de 2007

STJD denuncia gremistas e árbitro

A procuradoria do Superior Tribunal de Justiça (STJD) definiu ontem o enquadramento dos jogadores do Grêmio e do árbitro Paulo Henrique Godoy Bezerra, personagens da “batalha do Olímpico”. A denúncia deve ser apresentada hoje ou amanhã.

Tcheco, que atingiu o atacante Alex Mineiro com um chute no rosto, responderá por jogada violenta, com suspensão prevista entre duas a seis partidas, segundo artigo 254 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD). Gavillán, que teria dado uma cotovelada causando a perda de um dente do meia Evandro, será citado por agressão física, art. 253. A pena, caso condenado, é de suspensão de 120 a 540 dias.

Segundo a denúncia, o árbitro incorreu no artigo 266 – suspensão de 120 a 720 dias –, por deixar de relatar as ocorrências disciplinares da partida.

terça-feira, 7 de agosto de 2007

Apagão?

Nota publicada na coluna política do jornalista Celso Nascimento, hoje, na Gazeta do Povo:
Namoro ou amizade?
– Um jantar na sexta-feira à noite reuniu o presidente do conselho do Atlético, Mário Celso Petraglia, o ministro Paulo Bernardo e sua mulher, Gleisi Hoffmann, pré-candidata do PT à prefeitura de Curitiba. Foi no Business Club, nas Mercês. Apesar da curiosidade dos circunstantes, não se ficou sabendo de que assunto trataram. Circulam duas hipóteses: o apagão do Atlético no campeonato ou eleição de 2008.
Brincadeiras à parte, hipótese muito mais provável é a de que Petraglia está conquistando o apoio do ministro do Planejamento para garantir que a Arena seja uma das sedes da Copa do Mundo de 2014. Bernardo e sua esposa Gleisi, aliás, são freqüentadores habituais da Napolitana Arena, a churrascaria da Baixada. Sem dúvida, a palavra do ministro paranaense será importante nessa briga para trazer a Copa para Curitiba. Ele é hoje um dos nomes mais respeitados e influentes do primeiro escalão do governo federal.

segunda-feira, 6 de agosto de 2007

Falou e disse!

"Por mais que seja "do jogo" uma queda para a segunda divisão, uma possibilidade que todos os times que participam deste difícil campeonato têm, esta consciência excessivamente pragmática não deve ser externada por alguém que esteja no comando, com os títeres das emoções de tanta gente às mãos. A sinceridade do Petraglia às vezes joga contra o próprio. Para ter carinho, é preciso oferecer carinho. Às vezes, uma palavra certa basta."
Juliano Ribas
, publicitário, em sua coluna na Furacao.com.

Alex deixa o hospital

O site oficial do CAP informa que o atacante Alex Mineiro recebeu alta do hospital Santa Cruz, no final da manhã desta segunda-feira. O jogador foi submetido a uma cirurgia de reconstrução da face na última quinta-feira, devido às fraturas que sofreu no nariz e no malar durante a partida contra o Grêmio, dia 28 de julho, em Porto Alegre.

Segundo o médico Carlos Roberto Ballin, todos os exames pós-operatórios indicam uma boa recuperação do atacante. 'Fizemos o raio x de controle e outros exames e está tudo bem. Ele terá que comer comida leve, sem forçar a mastigação. Está tudo bem, mas a recuperação exige um certo cuidado para fixação das placas que foram colocadas', contou.Utilizando um tampão nasal, o artilheiro do Furacão na temporada deve estar de volta ao time em 90 dias. Porém, caso a recuperação seja satisfatória, o período deve ser melhor. Para os treinos físicos, a expectativa é de retorno em no máximo 60 dias, período em que deverá ficar de repouso.
'Acredito que o condicionamento físico ele poderá fazer em 45 dias. A fratura nesse local e dessa forma exige um cuidado extra. Agora, em campo, jogando, só em 90 dias. Mas, o restabelecimento será total, ele terá 100% de recuperação', finalizou com bastante otimismo o médico.

Teimosia ou incompetência?

Este é o título da coluna do senhor Airton Cordeiro de hoje na Gazeta do Povo. Dois times paranaenses jogaram no final de semana, o time da segundona volta a campo amanhã, mas o velho jornalista não teceu um comentário sequer sobre os jogos (que era o leitor esperava encontrar no vetusto vespertino). Preferiu, novamente, utilizar todo o seu espaço para destilar seu ódio contra a diretoria do Atlético.
Pois agora eu pergunto: o "seo" Airton, velho jornalista, faz isso por teimosia ou incompetência? Desafeto de Petraglia, o colunista - que também é comentarista da rádio Transamérica - se aproveita do momento ruim vivido pelo escrete rubro-negro para destilar seu veneno e jogar ainda mais a torcida contra a diretoria. Quer mais é ver o circo pegar fogo. Quer a desunião entre a Nação atleticana. Torce para que o Furacão caia à segunda divisão, assim poderá sapatear feliz sobre o caixão de Petraglia e rir da cara dos atleticanos.
Teimosia ou incompetência do velho jornalista? Tudo e mais um tanto...
A Gazeta não traz o e-mail do velho colunista para contato. Cita apenas o esportes@gazetadopovo.com.br. Pois bem, quem quiser enviar o seu protesto contra o velho comentarista pode utilizar este e-mail. Mas com respeito e racionalidade. Não vamos nos comparar ao velho jornalista que deixa transparecer seu ódio naquilo que escreve, sem o menor pudor. Nós, atleticanos, somos maiores que isso.

O delegado dá conta?

Sinceramente, não gosto quando começa o movimento da cornetagem para a saída de um técnico durante o andamento de uma competição. Mas agora que o colunista da Tribuna Augusto Mafuz (leia mais abaixo) atirou a primeira pedra, tenho certeza que o assunto ganhará as rodas de conversas entre os atleticanos.
Assim, a próxima enquete deste blog (veja ao lado) será justamente sobre isso: o torcedor atleticano acredita que o Delegado tira o Furacão do fundo do poço ou acha que somente um novo treinador será capaz de fazê-lo?
Registre-se a minha opinião: confio em Lopes. Eu acredito que o time melhorará e o manteria no cargo.
E você?

A frase

"Um clube vive de resultados positivos dentro de campo e se agiganta com isso. À exceção do Íbis, de Pernambuco, cujos resultados de derrota são necessários para lhe afirmar cada vez mais a identidade de pior clube do mundo. Nesse sentido, o estigma do Íbis é sobreviver de suas derrotas. Nós atleticanos não podemos nos acostumar com derrotas, péssimas campanhas e viver cotidianamente com a imagem do rebaixamento."
Carlos Roberto Antunes dos Santos, ex-Reitor da Universidade Federal do Paraná, eu sua coluna no site Furacao.com.

Culpa de Lopes?

Coluna de Augusto Mafuz, hoje, na Tribuna:
Longe demais
Um passo.
Não sei qual a distância de um passo. Pode ser longa, mas pode ser curta. De acordo com a ilusão, pode ser o espaço de milímetros, mas pode ser a distância de quilômetros.
Qual a distância que separa o Atlético da zona dos rebaixados? Pode ser longa pelo tempo que ainda se tem para jogar, mas é curta pelo que se joga.
Em Recife, o Atlético jogava para ganhar, e ganhava por 2x0. Mas aí, o técnico Antônio Lopes interveio e o resultado foi natural: Sport 3x2. Não existia motivo para mudar, porque a vitória era questão apenas de administrar um jogo que estava com uma surpreendente solução. Mas Lopes fez uma arruaça no time. Mudou o esquema para jogar com três zagueiros, mudou o meio para tirar Dinei, que se esfolava na marcação. Foi tirando e colocando, como se fosse um primário.
O resultado foi uma virada, na qual ficou a imagem de Geninho.
Com Lopes, o Atlético está ficando pior do que estava com Vadão. Vadão tocava com quem tinha.
Lopes toca com o produto que lhe oferecem. Veja só que a próxima atração é Marcelo Tamandaré. Nunca foi um jogador que prestasse. Lesionado, não joga há um ano. Encostado em São Januário, território de Lopes, recupera-se sem saber se sabe ainda jogar. Já tinham vindo Clayton, que não jogava há dois meses no medíocre time do Flamengo, Ramon e Antonio Carlos que não jogam há três meses, e um tal de Alessandro que jogava na Austrália.
Antes que o passo para a salvação fique longe demais, Petraglia
que vá atrás de Abel Braga.

domingo, 5 de agosto de 2007

Vai clarear

A virada sofrida no Recife acendeu o sinal amarelo na Baixada. Além da derrota em si, foi preocupante o abatimento do técnico Antônio Lopes após a partida contra o Sport. Quando o comandante está abatido, o sinal é de que a coisa não está boa mesmo. Ganhar do Flamengo na quarta-feira tornou-se mais do que uma obrigação. É uma necessidade básica.
Para o segundo turno que se aproxima, espera-se que a entrada de Ramon dê um mínimo de criatividade ao meio-campo, para que as chances de gol não seja tão raras.
A coisa está ficando preta. Mas não tem absolutamente nada perdido. Dá tempo de clarear.